Natal

O homem encontra seu eixo na contemplação da misteriosa força do Menino na manjedoura

Carlos Alberto Di Franco, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2020 | 03h00

Tocou-nos viver um Natal único. Disruptivo. A pandemia sacudiu o mundo. Rompeu esquemas, derrubou projetos, ceifou vidas, apagou sonhos. Pobres e ricos, governantes democráticos e ditatoriais, poderosos e desvalidos – todos – foram algemados pela impotência.

Imagens de praças, ruas e avenidas fantasmas e de um mundo vestido de vazio reforçaram o pavor. Regiões inteiras do mundo ficaram isoladas. O globalismo recuou e fechou fronteiras. Os mercados afundaram. Museus ficaram vazios. Estádios de futebol perderam brilho, colorido e vibração.

A Terra ficou de joelhos diante do imponderável. Ao mesmo tempo, fomos sacudidos por um choque de realismo. Descobrimos o vazio de tantas vaidades. Constatamos, talvez por uns instantes, a evidência do nosso nada. Neste Natal, quem sabe, forte e misteriosamente, sejamos capazes de entender um tiquinho da mensagem da Gruta de Belém.

No dia 24 de dezembro, às 23h30, na Basílica de São Pedro, centro da cristandade, o rigoroso cerimonial do Vaticano dará início à celebração do nascimento de Jesus Cristo. O papa celebrará mais um Natal, que neste ano traz embutido outro recado: a mensagem transformadora da Cruz.

Todos, católicos ou não, sentimos a forte e suave presença do mistério que, numa reiterada ruptura com os materialismos fechados ao espírito, prenuncia o resgate do transcendente e o ocaso da arrogância racionalista.

A humanidade, imaginam os defensores de uma cultura agnóstica, seria mais civilizada e feliz num mundo liberto das amarras espirituais. Os fatos, no entanto, não confirmam essa hipótese. Na verdade, a história das utopias da razão, característica do laicismo radical, está manchada de sangue, terror e privação. Frequentemente, como salientava Oscar Wilde com boa dose de ironia, “as melhores intenções produzem as piores obras”. Tinha razão.

A Revolução Francesa, por exemplo, não produziu apenas um louvável ideário. A utopia de 1789, em nome da igualdade, da fraternidade e da liberdade, acabou no terror da guilhotina.

A 2.ª Guerra Mundial não foi acionada por gatilhos religiosos. O holocausto do povo judeu, fruto direto da insanidade diabólica de Hitler, teve alguns de seus pré-requisitos na filosofia da morte de Deus. Nietzsche, o orgulhoso idealizador do super-homem, está na origem dos campos de concentração e extermínio. O Arquipélago Gulag do stanilismo não cresceu à sombra de arrebatamentos místicos. Feitas as contas, com isenção e honestidade intelectual, é preciso reconhecer que o sonho racionalista, despido do hálito da transcendência, projetou poucas luzes e muitas sombras. Afinal, lembrando o personagem de Dostoievski, “se Deus não existe, tudo é permitido”. Até mesmo a eliminação da vida. Até mesmo a supressão da liberdade.

As utopias da razão, concebidas no ambiente rarefeito dos gabinetes intelectuais, padecem do mal da abstração. Perfilam um homem impecável, um sistema irretocável. Depois, ao topar com o homem real, com suas grandezas e suas misérias, não admitem as evidências das limitações teóricas. Brotam, então, os delírios persecutórios, a síndrome da conspiração. Radicaliza-se o sonho. A abstração quer se impor à realidade. A “liberdade” termina na guilhotina física ou na cultura dos cancelamentos morais. O humanismo inicial cede espaço ao verdadeiro obscurantismo.

Alguns, equivocadamente, imaginam que o influxo cristão sobre os assuntos temporais não deveria existir. Gostariam de ver a Igreja reduzida a uma espécie de ONG da boa vontade. De acordo com a ótica laicista, a fé se reduziria ao culto, sobretudo privado. Entrincheirada no ambiente rarefeito das sacristias, estaria desprovida de qualquer possível projeção social.

Mas não é assim. Na verdade, o autêntico fenômeno religioso só pode medrar no terreno da liberdade. Somente uma proposta dirigida à liberdade pode obter uma resposta digna do homem. A paixão pela liberdade e a busca de Deus não são realidades antagônicas. São, de fato, inseparáveis.

A nostalgia de Deus é um fenômeno sociológico inegável. Ela está florescendo sobre os cacos que sobraram das aventuras relativistas e das tristes tentativas de liberação do transcendente. Mas o pêndulo da História aponta o reencontro do homem com suas raízes genuínas, sua inquieta peregrinação rumo ao Criador.

O domínio da tecnologia e os notáveis avanços da ciência devem ser comemorados. Mas não explicam quase nada. O homem só consegue encontrar o seu eixo na mágica contemplação de um paradoxo: a misteriosa força do Menino desvalido que descansa na manjedoura.

A vida pode parecer uma charada. Decifrar o seu código exige uma lógica diferente. Como canta a bela poesia catalã de Francesc Faus: “Bendita seja a giba do mendigo aleijado e ao redor de seu chapéu qualquer pó de desprezo. Titereiro será, no final, erguendo, com seus fios de luz, os que agora zombam dele. E há de crescer, há de crescer pelos toldos do ar, tal num circo de Deus, a aba de seu chapéu. Nós, palhaços de arrogância, meninos chorões seremos, soluçando e buscando esse mantel”.

A todos, um feliz Natal.


JORNALISTA. E-MAIL: DIFRANCO@ISE.ORG.BR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.