O centro excêntrico da Opinião Pública

Vingou a patritotice de que o Brasil estaria ‘acima de tudo’ (como a Alemanha no passado)

Eugênio Bucci, jornalista

31 de janeiro de 2019 | 04h30

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Os retratos dentro das cabeças dos seres humanos, retratos deles mesmo, dos outros, das suas necessidades, propósitos e relacionamentos, são suas opiniões públicas. Aqueles retratos que são adotados por grupos de pessoas, ou por indivíduos agindo em nomes de grupos, são Opinião Pública com letras maiúsculas
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Walter Lippmann, em Public Opinion

O jornalista americano Walter Lippmann tinha pouco mais de 30 anos, em 1922, quando seu livro Public Opinion chegou às livrarias dos EUA. Foi um marco. O texto ágil e cristalino - bem “jornalístico”, dizem os acadêmicos - dissolve e dessacraliza a aura que se costuma atribuir a essa figura um tanto pomposa que é a Opinião Pública com letras maiúsculas. É bom de ler até hoje. Um clássico. Lippmann olha para a Opinião Pública e se pergunta: ora, mas que bicho é esse? Logo começa a responder. Em sua descrição, a Opinião Pública se resume a um amontoado de retratos mentais que uma sociedade resolve aceitar como fidedignos. Esses retratos nada mais são do que estereótipos.

Não por acaso, Lippmann dedica-se bastante a dissecar a noção de estereótipo: um conceito compactado que condensa uma opinião na forma de pacote de sentidos simplificado, bem fácil de ser exposto, compartilhado, vendido ou comprado. Segundo Lippmann, toda gente pensa por meio de estereótipos. Sem esses rótulos concentrados que são os estereótipos, nós não conseguiríamos conversar e muito menos fazer política. Há exemplos bem óbvios. Padre pedófilo é um estereótipo. Terrorista islâmico, outro. 

São bonitas, porque simples e esclarecedoras, as passagens em que Lippmann discorre sobre o que sejam os estereótipos. “As formas estereotipadas emprestadas ao mundo não procedem apenas da arte, no sentido da pintura, da escultura e da literatura”, ele escreve (e eu traduzo), “mas também de nossos códigos morais, das filosofias sociais e das agitações políticas”. Ou: “A americanização, por exemplo, pelo menos superficialmente, é a substituição dos estereótipos europeus pelos norte-americanos”.

Impossível refutar. Acontece que os estereótipos são mutáveis. Um signo positivo se converte em negativo da noite para o dia. E vice-versa. Yasser Arafat, o líder máximo da Organização para a Libertação da Palestina, era o símbolo do mais pérfido terrorismo internacional. Depois virou um símbolo da boa vontade mais angelical, mais ou menos como uma pombinha branca. A transmutação deu-se em 1983, por força do acordo de paz que ele firmou com o então primeiro-ministro de Israel, Yitzhak Rabin, sob as bênçãos de braços abertos do presidente Bill Clinton, que os recebeu no gramado da Casa Branca.

O mundo é feito de mudanças e os estereótipos, também. Até outro dia as mineradoras eram um selo de progresso. Hoje são sinônimo de catástrofe. Até outro dia Jair Bolsonaro era um militar indisciplinado e boquirroto. Hoje é o fiador das tais “reformas de que o Brasil precisa”, etc.

Os estereótipos são volúveis e ao sabor deles muda a Opinião Pública, essa senhora sem caráter que se compraz em se deixar carregar nos ombros das massas, que ora são infantis, ora temperamentais, ora estúpidas - ou as três coisas ao mesmo tempo.

Vejamos com mais vagar o que vem acontecendo com a Opinião Pública no Brasil. O seu centro de gravidade se deslocou em velocidade vertiginosa. Velhos estereótipos se metamorfosearam. Já se sabia que o governo Bolsonaro representaria uma alteração tectônica nas mentalidades e na cultura política. Melhor dizendo, a reconfiguração ocasionada pelo bolsonarismo, disso todos sabíamos, não se limitaria a arranjos (ou desarranjos) institucionais no âmbito do governo e do Estado, mas teria ainda mais efetividade nos interstícios da vida social. Pois é isso precisamente o que estamos vendo agora. O dado novo é que a amplitude e a densidade dessa alteração tectônica estão acima das expectativas (as boas e as más).

A desinibição com que se passou a falar das armas de fogo como solução para a criminalidade surge como um sintoma. O estereótipo do revólver deixou de significar morte, homicídio, perigo para adquirir um sentido de prevenção, segurança, cujo risco não seria maior que o de um liquidificador. A convicção de que a força resolve os impasses ganha mais e mais adeptos.

Movimentos sociais passam a ser tachados de terroristas. Uma boa sova corrige o garotinho com tendências homossexuais. A patritotice vazia de que o Brasil estaria “acima de tudo” (como a Alemanha esteve no passado) vingou. O bordão de que Deus paira acima do Estado laico pegou.

A violência volta a ser a parteira da história, mesmo que seja uma história antiga. As palavras comunismo e socialismo transmutam-se em sinônimo de corrupção, ineficiência, parasitismo. Os humores odientos das massas ecoam não só pregações fascistas, mas principalmente a verborragia dos facínoras.

Foi assim que o centro da Opinião Pública saiu de centro. Tome a GloboNews como um indicador. Até ontem o canal era bombardeado nas redes sociais por ser “de direita”, por abrigar só porta-vozes do tucanato conservador. Agora recebe ataques maciços por ser uma catedral do politicamente correto e do “marxismo cultural”. Temos aí uma obra colossal e inacreditável dos primeiros cem dias do governo Bolsonaro: transformar a GloboNews num canal de esquerda. Sinal mais clamoroso da mutação da Opinião Pública no Brasil não poderia existir.

Enquanto os velhos expoentes do centro-direita, como Fernando Henrique Cardoso, são expurgados dos banquetes por serem amigos de comunistas, líderes anticomunistas como João Doria começam a se declarar “de centro”. Vai se cumprindo, aos solavancos, o vaticínio do prefeito que dizia que o duelo do futuro seria entre a direita e a extrema direita.

No meio disso, reportagens investigativas serão tratadas como complôs de esquerdistas criminosos. A imprensa livre viverá dias mais difíceis, como já deu para ver. Mas disso trataremos em outra ocasião.

*JORNALISTA, EUGÊNIO BUCCI É PROFESSOR DA ECA-USP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.