O jornal na educação e a prática da cidadania

Informações atuais são imprescindíveis para quem presta vestibular e/ou procura emprego

Antonio Carlos Will Ludwig, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2020 | 03h00

A vida em sociedade nos dias que correm apresenta algumas peculiaridades marcantes e uma delas diz respeito ao fantástico volume de novas informações e conhecimentos que emergem diariamente, os quais tendem a pôr em xeque e até superar certos saberes antecedentes. Nesse cenário revela-se imprescindível que todas as pessoas acompanhem essa dinâmica para serem capazes de tomar as decisões mais adequadas e agir de maneira consoante tanto na esfera privada quanto na esfera pública, que é o espaço reservado ao exercício da cidadania.

Tal espaço é propício ao cidadão ativo, que se revela essencialmente díspar do alcunhado cidadão passivo, isto é, daquela pessoa que prefere realizar a sua existência no âmbito da esfera privada e ser governado pelos outros. O cidadão ativo, ao contrário, é um personagem que se considera governante e opta pelas ações conjuntas, muitas vezes destinadas a influenciar as decisões políticas.

Essas características substanciais exigem que ele se mostre como uma pessoa bem informada e que acompanha os acontecimentos nacionais e internacionais, principalmente pela leitura de jornais, que já entrou nas instituições escolares, uma vez que grande parte dos educadores a consideram um recurso pedagógico imprescindível.

De fato, a História registra que o uso do jornal nos estabelecimentos educativos começou no século 19. Janusz Korczak, um médico polonês, utilizou-o no trabalho com crianças pobres que viviam na periferia de Varsóvia. Por sua vez, o pedagogo francês Célestin Freinet fez uso dele para aproximar os alunos da comunidade e prepará-los para a vida democrática. E na terceira década do século 20, professores norte-americanos passaram a utilizar o jornal The New York Times nas salas de aula.

Em nosso país, Paulo Freire, nos anos 60 do século passado, tomou a iniciativa de empregá-lo, pois acreditava em seu poder de reduzir a evasão escolar e formar educandos críticos. O pioneirismo empresarial teve origem no jornal Zero Hora, duas décadas após a iniciativa de Freire. Na sequência vieram O Globo e a Folha de S.Paulo. Passados mais dez anos, o Correio Popular e o Diário do Povo, de Campinas, também foram para as escolas, assim como o Estado de S. Paulo, que instituiu o Estadão na Escola, com vista a formar novos leitores e promover a análise crítica da informação. Atualmente algumas dezenas de jornais da maioria dos Estados brasileiros estão seguindo esse mesmo caminho.

Vale lembrar que alguns dos jornais brasileiros mais importantes tomaram a decisão de criar versões voltadas para o público de pouca idade, tais como a Folhinha e o Estadinho, que teve seu término no ano de 2013. Com a mesma intenção foi lançado o Joca, semelhante aos publicados na Europa, dentre os quais podem ser citados o Le Petit Quotidien e o Mon Quotidien. O Joca é um jornal escrito especialmente para os mais jovens, usa uma linguagem apropriada para eles e contém notícias, reportagens, entrevistas, curiosidades e assuntos interessantes e atuais sobre o Brasil, o mundo e o universo juvenil.

Cabe destacar também que o programa Jornal na Educação se encontra presente, com maior ou menor intensidade, em todas as regiões do Brasil. Note-se ainda que, segundo o Observatório Nacional da Imprensa, o uso de jornais nas escolas melhora os hábitos de leitura, inclusive de jornal, as notas dos alunos e a assimilação dos conteúdos escolares; amplia o vocabulário e a expressão verbal/escrita, a imaginação, a interpretação e a criatividade; favorece o trabalho em grupo e o acesso ao jornal para os alunos e seus familiares, a concentração e a disciplina na sala de aula, a aproximação com a família; motiva o aluno a ir para a aula; causa impacto positivo em avaliações nacionais e internacionais, como Saeb e Pisa; serve de apoio ao livro didático; promove a interdisciplinaridade e a socialização entre os alunos e os professores e uma integração dos discentes com necessidades especiais.

Observe-se que a leitura de jornais proporciona outras vantagens aos mais jovens. O domínio de informações atuais é imprescindível para quem vai prestar vestibulares e para quem está à procura de emprego, haja vista que os recrutadores costumam fazer perguntas relacionadas à vida empresarial do momento e do futuro.

Não pairam dúvidas de que os aspectos positivos mencionados contribuem bastante para qualificar um cidadão, porém a leitura de jornais pode auxiliar decisivamente no preparo do aluno para o exercício da cidadania ativa, porquanto um sujeito bem informado pode fazer cobranças a políticos, participar de campanhas e movimentos sociais, apresentar denúncias nos meios de comunicação e propor soluções para diversos problemas comunitários. Para tanto é necessário existir um sólido e explícito compromisso dos jornais, tal como fez o Estado, e dos educadores com o objetivo de formar cidadãos ativos.


PROFESSOR APOSENTADO DA ACADEMIA DA FORÇA AÉREA, É AUTOR DE ‘DEMOCRACIA E ENSINO MILITAR’ (CORTEZ) E ‘A REFORMA DO ENSINO MÉDIO E A FORMAÇÃO PARA A CIDADANIA’ (PONTES)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.