Populismo e a década perdida

Populistas sabotam o desenvolvimento econômico sustentável e o comércio global

Luiz Felipe D’Avila, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2020 | 03h00

De 2010 a 2019 o Brasil teve a pior taxa de crescimento do produto interno bruto (PIB) em 12 décadas. Essa é a conclusão de um estudo conduzido pelo economista Roberto Macedo. Enquanto o PIB brasileiro registrou crescimento médio de 1,4% ao longo da década, a média do PIB dos países emergentes no mesmo período foi de 5,1%. Foi uma década perdida, dilacerada pelo populismo petista, que deixou uma herança maldita para os brasileiros: a maior recessão econômica da História, a maior taxa de desemprego registrada no País, descrédito das instituições políticas e o maior escândalo de corrupção do mundo, desvendado pela Lava Jato.

A década começou manchada pelo efeito nefasto do populismo lulista. Lula já havia abandonado o figurino de líder moderado de centro-esquerda do seu primeiro mandato, que respeitava as regras da economia de mercado. No segundo mandato voltou a ser o líder populista de esquerda, deixando a gênese da destruição política e econômica do País para sua sucessora, Dilma Rousseff. O governo Lula foi responsável pelo aparelhamento do Estado, a explosão do gasto público e a criação do maior esquema de corrupção da História do Brasil, que compreendia desde a compra de votos no Congresso (mensalão) até o perverso esquema de propina desvendado pela Operação Lava Jato.

Em 2011 Dilma Rousseff assumiu a Presidência da República e perseguiu uma política desastrosa, que combinava o populismo petista com o intervencionismo do Estado na economia. Sua obra-prima, a “nova matriz econômica”, deturpou os princípios basilares da economia de mercado, ressuscitando o protecionismo da indústria, interferindo no preço de produtos regulados (como petróleo e energia elétrica), privilegiando o financiamento público de empresas amigas do governo – os “campeões nacionais” –, aumentando os gastos públicos de maneira irresponsável, com déficits crescentes. Em vez de enfrentar os reais problemas, Dilma optou por deturpar a dura realidade. Apelou para a “contabilidade criativa” do governo para transformar déficits públicos em superávits. A farsa serviu de estopim do processo de impeachment que a tirou da Presidência da República em 2016. O resultado do populismo econômico petista foi desastroso para o País. Dilma deixou para seu sucessor, Michel Temer, um País com 13 milhões de desempregados, inflação de 9% ao ano, dívida pública se aproximando de 70% do PIB e uma recessão econômica cuja perda acumulada do PIB em 2015 e 2016 foi de menos 7%.

O governo Temer desvencilhou o Brasil do populismo político e econômico em pouco mais de dois anos de governo. Aprovou o teto do gasto público para frear o crescimento irresponsável das despesas públicas e mobilizou o Congresso para aprovar a reforma trabalhista – medida essencial para modernizar uma legislação arcaica e reduzir a judicialização das disputas trabalhistas. No campo econômico, sepultou a “nova matriz econômica”; acabou com a política dos “campeões nacionais”, obrigando o BNDES a devolver R$ 100 bilhões ao Tesouro para abater a dívida pública; tomou medidas duras para cortar despesas e debelar a inflação e estruturou um ambicioso programa de privatização e de parceira de investimento (PPI). O presidente Temer passou a faixa presidencial a Jair Bolsonaro, entregando-lhe um Brasil que fizera as pazes com a economia de mercado, com inflação baixa, de 2,5% ao ano, e uma modesta retomada do crescimento da economia.

Os populistas vêm minando o desenvolvimento do Brasil. Eles usam o poder do Estado para manter os brasileiros em estado de permanente apatia cívica e dependência do governo. Assim, cria-se Bolsa Família para os pobres, crédito subsidiado e benesses para empresários e incentivos fiscais para a classe média.

Os populistas desconfiguram a economia de mercado. Suspeitam que a livre circulação de pessoas, ideias e mercadorias representa uma ameaça permanente ao poder voluntarista do governo. Em nome do “interesse nacional”, populistas recorrem ao intervencionismo do Estado na economia, criam barreiras protecionistas e reservas de mercado, que desestimulam a inovação, o empreendedorismo e a geração de riqueza. Em suma, populistas são sabotadores do desenvolvimento econômico sustentável e do comércio global.

O Brasil ainda não se desvencilhou da sina populista. Continua oscilando entre o encanto com o populismo e o compromisso com as reformas do Estado e o restabelecimento dos princípios da economia de mercado. Essa oscilação continua a causar insegurança e desconfiança quanto ao futuro do País. O fiel da balança não será o presidente da República, mas o cidadão. Suas ações, suas escolhas e seu voto decidirão se vamos continuar a nos enganar com o torpor do populismo ou assumir a responsabilidade de reformar o Estado. O resgate da confiança na economia de mercado e na democracia são fundamentais para garantirmos o crescimento sustentável, a justiça social e deixarmos o País melhor, mais confiável e estável para as próximas gerações.

FUNDADOR DO CENTRO DE LIDERANÇA PÚBLICA (CLP), É AUTOR DO LIVRO ‘10 MANDAMENTOS – DO PAÍS QUE SOMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS’

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.