Racismo: o Brasil é o horror que se diz?

Dizer que este é um país mais racista que os Estados Unidos e a África do Sul é um disparate que chega a ser cômico.

Bolívar Lamounier, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2022 | 03h00

Faz anos que venho observando nos meios acadêmicos do Primeiro Mundo, com alguns coadjuvantes entre nós, um disparate que chega a ser cômico: o de que o Brasil é um país mais racista que os Estados Unidos e a África do Sul. Haverá nisso o que os especialistas em Relações Internacionais chamam de “soft politics”, quer dizer, um país a exaltar sua própria beleza com o objetivo disfarçado de ressaltar a feiura de outro? Não sei; não digo que sim nem que não.

Relações inter-raciais não são minha área de estudo, mas hoje resolvi arregaçar as mangas para não esquecer alguns fatos e episódios que há tempos guardava na memória. Decidi remontar ao primeiro trabalho que publiquei, um texto que redigi para o programa de mestrado em Ciência Política na Universidade da Califórnia, já lá se vão várias décadas. Não me lembro do título, mas posso imaginar que era ruim e muito mal escrito. Saiu em português em 1965, na revista Cadernos Brasileiros. Sugiro, no entanto, que comecemos por uma distinção. A notável ascensão social dos negros nos Estados Unidos deve-se evidentemente à expansão de oportunidade e ao vertiginoso enriquecimento do país nas últimas três décadas do século 19, além da excepcional qualidade de seu sistema de ensino, coisa que ninguém contesta. Esse conjunto de fatores possibilitou não só a referida ascensão, como a redução das diferenças de remuneração por trabalho igual. A chamada “ação afirmativa” não me parece ter tido o forte efeito positivo que lhe é atribuído; não me surpreenderei se ocorrer no Brasil, porque são situações muito diferentes. Tais diferenças resultam de fatores econômicos, do sistema de ensino e de outros fatores; não é isso o que entendo por racismo.

Por racismo entendo o fato, facilmente perceptível nos Estados Unidos, de praticamente todo episódio ou questão pública ser apreendida e interpretada por um único prisma: o da raça. Único e, mais, num clima de azedume que beira o incompreensível. Darei algumas voltas em torno deste tema, mas, antes, permitam-me evocar um pouco a história dos dois países.

Um chavão que nós mesmos adoramos martelar é o fato de nossa abolição ter acontecido uma geração inteira após a dos Estados Unidos. Verdade incontestável. Lembremos, porém, que a abolição norte-americana dificilmente teria acontecido sem a guerra civil, um dos confrontos mais sangrentos da História, se os números forem ponderados pela população total. Guardo em minha estante o livro Political Life, de 1959, obra de Robert Lane, um importante cientista político. Na página 13, ele faz a seguinte observação: “Uma das condições que os Estados sulistas tiveram de aceitar para serem reintegrados à União foi a 14.ª Emenda à Constituição, que garantiria ‘igual proteção (a todos os cidadãos) conforme as leis’. Contudo, mal as tropas federais se retiraram, já os sulistas (brancos) puseram mãos à obra para impedir o exercício do sufrágio pelos negros, tarefa facilitada pela apatia e falta de experiência política dos negros. Quando necessário, os brancos sulistas recorriam à violência e à intimidação, muitas vezes através da Ku Klux Klan, outras vezes por meio da persuasão, da fraude ou da pressão social pura e simplesmente”.

Em 2015, fiz uma pesquisa com advogados de todo o Brasil, mantendo a proporcionalidade em relação às cinco grandes regiões. A certa altura, perguntei, na lata, oferecendo só o “sim” e o “não” como alternativas de resposta: “O sr. considera o Brasil um país racista?”. Imaginem o meu espanto ao constatar que 74% dos entrevistados concordaram com a afirmação. Suponho que se referiam à pobreza e à mencionada diferença de remuneração por trabalho igual, muito mais que ao azedume na sociabilidade inter-racial. Esse fato motivou-me a conferir diferenças de remuneração entre advogados e advogadas em vários países. Coisa trabalhosa, já que muitos países não coletam essa estatística ou o fazem segundo critérios diferentes. Casos nítidos e facilmente interpretáveis, só encontrei dois: nenhuma diferença, França; e diferença meridianamente clara, Estados Unidos, prejudicando as advogadas, segundo informações postadas no site da American Bar Association (Ordem Americana dos Advogados).

Graças à minha profissão, tive o privilégio de viajar diversas vezes à África do Sul e aos Estados Unidos. Uma de minhas viagens à África deveu-se a um seminário acadêmico justamente sobre o tema que estou discutindo, relações inter-raciais. Logo no início, um membro da nossa “bancada” foi à lousa e despejou uma cachoeira de pesadas matemáticas sobre miscigenação, remuneração, etc. Quando concluiu, o primeiro a comentar, um sul-africano, saiu-se com esta: “Um país cujo racismo precisa ser demonstrado através de um monte de econometria não me parece racista”.

Nos Estados Unidos, também vivi algumas experiências pitorescas. Naquela época, dizia-se que a Califórnia era um paraíso de paz racial, que lá era remota a chance de acontecer um riot (protesto violento) semelhante aos que volta e meia estouravam em Detroit ou Chicago. No verão, a universidade geralmente oferecia cursos curtos sobre métodos de pesquisa. Inscrevi-me num deles e fui incumbido de aplicar questionários no bairro de Watts. Deus é grande. Consegui picar a mula antes de ser atingido por alguma pedrada ou tiro. Tive uma segunda oportunidade, em Detroit, no verão de 1967. Com a experiência adquirida, em vez de assistir até o fim ao incêndio que atearam a um edifício, peguei o primeiro ônibus que surgiu na esquina.

*

SÓCIO-DIRETOR DA AUGURIUM CONSULTORIA, É MEMBRO DAS ACADEMIAS PAULISTA DE LETRAS E BRASILEIRA DE CIÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.