Renascimento cívico

Além de votar, é preciso ser cidadão todos os dias. Afinal, os políticos sempre estarão lá. Masonde estamos e estaremos nós?

Sebastião Ventura Pereira da Paixão Jr., O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2021 | 03h00

No apagar das luzes de 2021, alguns desafios importantes se avolumam no horizonte brasileiro. A deterioração das condições econômicas é uma realidade inconteste; a persistente ascendência da curva inflacionária forçará a elevação dos juros oficiais, reinaugurando a triste tradição do rentismo improdutivo; paralelamente, a situação fiscal do País começa a descarrilar, gerando uma série de manobras parlamentares para albergar a irresponsabilidade do gasto público desmedido; e, como cereja do bolo, 2022 é ano eleitoral e, por certo, nossa ávida classe política abocanhará vultosos recursos pecuniários para alimentar sua fome egoísta por reeleição. Aliás, já estão falando por aí que o Congresso tentará manter o fundo partidário de R$ 5,7 bilhões, além de entabular aumento para o funcionalismo e reestruturação de carreiras para os amigos do rei.

Sim, senhoras e senhores, não é fácil e pode ficar pior.

Felizmente, o futuro político brasileiro também sopra ventos promissores. Após tudo o que já vimos e estamos vendo, a democracia em nosso país parece atingir sua maturidade. Objetivamente, a derrocada petista e o carnaval da corrupção desbragada recompuseram, sem máscaras, o equilíbrio pragmático no jogo do poder. Até chegarem ao Planalto, o PT e seus asseclas se afirmavam como a última bolacha do moralismo político; aberto o pacote, os biscoitos estavam mofados e a ética, vencida. Ou será vendida? No benefício da dúvida, hoje sabemos com clareza que político é político, que tem gente boa, que tem gente ruim, que há pessoas dignas, modelares e decentes e, também, os mequetrefes, os safados e mercenários. Enfim, a vida como ela é, entre virtudes e vícios pulsantes.

Chegamos, então, a Jair Messias Bolsonaro, que se apresentou como mito para se alistar eleitoralmente com o PL de Valdemar Costa Neto. Se vocês, caros leitores, pesquisarem a palavra “mensalão”, encontrarão algumas manchetes inconvenientes. Mas, vamos lá, Bolsonaro teve o mérito inegável de correr na cancha reta e vencer o PT, coisa que tucanos graúdos tentaram, tentaram, tentaram, e nada. Depois da era FHC, o PSDB, em páreos presidenciais, jogou como nunca para perder como sempre. Será que João Doria conseguirá reverter esse quadro? Nas entrelinhas da interrogação, importante registrar que o pleito de 2018 foi totalmente atípico: a estafa com a classe política tradicional abriu o flanco para uma bem-sucedida candidatura retoricamente – e só retórica – antissistema. A questão é que o sistema é muito mais esperto que alguns sabujos de plantão que, sem máscaras, não passam de marionetes do Centrão.

Indo adiante, no amanhecer do pleito de 2022, a pergunta do momento é a seguinte: terá Sergio Fernando Moro capacidade de se apresentar como o candidato da mudança? Quem disser que sabe a resposta está mentido; o panorama é ainda muito superficial, não permitindo análises conclusivas. É claro que o ex-ministro da Justiça tem recall nacional por sua impressionante ação como juiz da Operação Lava Jato, tendo forte apelo na questão da moralidade pública. Todavia, a forma tumultuada como deixou o governo revelou que a frieza do magistrado não encontrou eco no fígado do homem político. O evento naturalmente lhe deve ter gerado reflexões e aprimoramentos, sendo a habilidade de gerir situações difíceis – sem se corromper – característica fundamental de sobrevivência em Brasília. Na expressão clássica de João Mangabeira, a lógica do magistrado deve encontrar o “descortino do político”.

O fato definitivo – independentemente do desfecho eleitoral – é que seguiremos a conviver com a política e com os políticos. Isso é a essência da democracia, que, frise-se, segue viva no Brasil, apesar de suas imperfeições. Em tempo, só será menos imperfeita a partir da atuação firme e decidida do civismo ativo – de todos e cada um de nós – em favor de um país mais honesto, sério, comprometido com a livre iniciativa, com a liberdade de empreender e gerar empregos para as pessoas, consciente do papel do Estado no combate à pobreza e à miséria extrema, capaz de refundar as bases do ensino e habilitar nossas crianças para as lógicas da tecnologia e do futuro, com empresas aderentes aos princípios da boa cidadania corporativa, tendo na lei o referencial necessário para uma sociedade justa, fraterna, solidária e que jamais abdique do crescimento econômico com seus inerentes ganhos sociais.

Numa sentença, a democracia é algo muito valioso para depender exclusivamente da classe política. O verdadeiro ideal democrático reside na força individual do cidadão, que, movido por sentimentos que nos fazem humanos, é capaz de construir relações virtuosas que, unidas e somadas, ganham ressonância na vida vivida, tornando-se aptas a transformar realidades que pareciam imodificáveis.

Ou seja, além de votar, é preciso ser diariamente cidadão. Participar, criticar, fazer acontecer. Democracia é ação concreta, consciente e responsável. Afinal, os políticos sempre estarão lá. Mas onde estamos e estaremos nós?

*

ADVOGADO

 

Tudo o que sabemos sobre:
corrupçãodemocraciaeleições 2022

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.