Treno por um país em permanente estupor

Não há dúvida de que nossas instituições políticas atingiram o ponto mais baixo de sua história.

Bolívar Lamounier, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2021 | 03h00

Temi parecer pedante ao usar o substantivo treno (do grego thrênos, canto ou oração pungente) no título deste artigo, mas não me vem à mente outro termo que traduzisse o que sinto ao ver nosso país despencando morro abaixo, incapaz de responder à crise que há anos nos assola.

Não há dúvida de que nossas instituições políticas atingiram o ponto mais baixo de sua história. No Executivo, um presidente que fez o que podia para dificultar o trabalho dos agentes de saúde no combate à pandemia, só pensa em se reeleger e ornamenta seu desapreço pela liturgia do cargo que ocupa com tiradas do mais duvidoso humor. No Legislativo, o presidente da Câmara parece pensar que sua função se exaure na tarefa de barrar o mais que justificado impeachment de Jair Bolsonaro. No Judiciário, desde a tragicômica exegese lewandowskiana do artigo 52 (inciso 15, parágrafo único) da Constituição federal de 1988, adrede concebida para beneficiar Dilma Rousseff no episódio do impeachment, só o que vimos foi uma interminável melopeia entoada com o único objetivo de obscurecer as falcatruas perpetradas pelo sr. Luiz Inácio Lula da Silva, notadamente na Petrobras, e admitir sua elegibilidade para a Presidência da República em 2022. O resultado de tudo isso serão, provavelmente, mais oito anos de Lula e a continuidade da idiota polaridade entre ele e Bolsonaro, que teve início na eleição presidencial de 2018.

Seria tudo muito engraçado, se tais fatos não tivessem como pano de fundo a pandemia de covid-19.

Neste quadro medonho, com o próximo pleito presidencial reeditando a polarização das facções políticas chefiadas por Lula e Jair Bolsonaro, cada um pondo fogo pelas narinas, com base em quê nutriremos a expectativa de um equacionamento adequado de nossas contas fiscais, de uma reestruturação enérgica da máquina de Estado e da atração de investimentos na escala em que necessitamos?

O que acima se expôs diz respeito ao desempenho dos atuais titulares dos Três Poderes, mas o estrábico desempenho deles resulta de um acúmulo de causas. A primeira é o travejamento institucional de nosso sistema político. Não existe atualmente em Brasília, como bem sabemos, um elenco que se abalance a tentar reformar o anêmico enredo institucional que nos rege. Se tivesse de ressaltar um só aspecto dele, ficaria no mais simples: o formigueiro de partidos que vão diariamente a Brasília a fim de exercitar sua cômica coreografia do doce far niente. Na Câmara, temos atualmente 24 partidos, nenhum dos quais capaz de amealhar 20% das cadeiras. Penso que o leitor convirá comigo em que isso e nada são a mesma coisa.

A segunda causa oculta algo ainda pior que a atual impotência da sociedade, à qual fiz referência acima. Não vejo como nossas instituições de governo possam voltar a um nível razoável de desempenho enquanto não tivermos elites mais coesas, lúcidas e responsáveis. É lógico que emprego o conceito de elites no sentido sociológico, amplamente aceito, não na acepção comum no século 19, que se referia a grupos dirigentes interligados por laços de hereditariedade, menos ainda com intenção encomiástica. As elites que tenho em mente deveriam ser a parte inferior do iceberg político, balizando e conferindo consistência à atuação do Estado. No mundo atual, já praticamente inexistem elites aristocráticas e hereditárias como as do século 19. O que existe são apenas grupos numéricos: os ápices das diferentes hierarquias que em tese compõem a espinha dorsal da sociedade: a alta administração civil e militar, os empresários, o alto clero, os jornalistas, intelectuais e cientistas mais destacados, e assim por diante.

Claro, os “ápices” a que me refiro não são uniformes em termos de poder. Um scholar que obteve seu PhD nas melhores universidades americanas faz parte da elite cultural, mas para pertencer ao ápice da elite econômica ele teria de viver numa mansão, passar os fins de semana numa casa de campo ou no litoral e, quem sabe, possuir um iate de US$ 10 milhões. Tais atributos o qualificariam inicialmente como um possível membro da elite, mas, para fazer realmente parte dela, ele teria de se sentir movido por uma missão, uma vocação de exemplaridade, um desejo de servir ao bem público e à sociedade. Se tivéssemos ao menos isso, nossos 24 partidos poderiam levar sua vidinha como quisessem, pois não passariam de um epidérmico incômodo. Mas não: elites com um mínimo razoável de coesão, comunicando-se umas com as outras com certa frequência, capacitando-se para enfrentar os desafios (e oportunidades) com que o País de tempos em tempos se depara, isso, decididamente, não temos. Temos, como disse, grupos apenas numéricos, atomísticos, precariamente conectados.

Preparemo-nos, pois, para o espetáculo que se vai encenar no Coliseu em outubro de 2022. No caminho, olhando para um lado e para o outro, é possível que vejamos famintos desmaiando enquanto aguardam atendimento em postos de saúde e famílias catando comida descartada ou comprando ossos para a sopa de que irão se servir no jantar.

*

SÓCIO-DIRETOR DA AUGURIUM CONSULTORIA, É MEMBRO DAS ACADEMIAS PAULISTA DE LETRAS E BRASILEIRA DE CIÊNCIAS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.