Um rumo para salvar o futuro

Um país que ostenta números declinantes e ideias envelhecidas precisa de ideias novas. Temos de acolhê-las como se fossem uma safra vital.

Eduardo Leite, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2021 | 03h00

Com um gesto largo, um tanto italianado, o jornalista perguntou-me dramaticamente, escandindo as sílabas: “Ideias, o que você traz de ideias?”. Antes de construir a resposta, pensei que a pergunta tinha razão de acontecer. O Brasil, nos últimos anos, tem sido um deserto de ideias, povoado por demagogos e fanfarrões que propõem ideias arcaicas, superadas, mas edulcoradas de populismo para enganar o povo e atrair a sua atenção. Comecei a responder ao jornalista – que ideias proponho?

Minha primeira ideia é prioridade total no combate às desigualdades, e não só a de renda. Não concebo que alguém queira ser presidente da República no Brasil e não se comova com a questão da desigualdade de renda, de cidadania e de acesso aos serviços básicos. Não se comover, não se emocionar, não se engajar de coração nesta causa não é um esquecimento, é uma perversão, é um gesto de profunda alienação política. A principal bandeira do próximo presidente da República tem de ser um projeto robusto e frontal para fazer do Brasil um país mais igual na renda, nas oportunidades e na vida.

Para não ficar na utopia, proponho, de um lado, organizar uma atuação transversal, com metas claras e focalizadas; assim como temos metas na economia, precisamos tê-las no combate à desigualdade. Quero focar na pobreza infantil, a mais desvalida, a mais desprotegida, a mais cruel. No Brasil, hoje, 17 milhões de jovens de até 14 anos vivem abaixo da linha da miséria – isso é uma vergonha nacional que pode ser eventualmente mitigada pelo Bolsa Família ou outros programas assistenciais, mas, a continuar assim, boa parte desse contingente de futuros trabalhadores se transformará numa tropa de futuros párias ou soldados do crime.

Um programa para atender esses jovens custaria em torno de R$ 35 bilhões (um outro Bolsa Família), ou 10% de todos os subsídios dados pelo governo federal a diversos setores da economia. Esses jovens precisam, em primeiro lugar, sair da miséria; e, em segundo lugar, ser incorporados ao mundo maravilhoso da educação e preparados para integrar, no futuro, o contingente do bem, que contribui para o Brasil crescer, desenvolver-se e desenvolver seus cidadãos.

Nas últimas duas décadas o Brasil atingiu o auge do seu bônus demográfico, o período generoso em que o número de pessoas em idade ativa supera o grupo de pessoas em idade inativa. O bônus é o período da decolagem, quando os países aproveitam o impulso demográfico para crescer mais, acumular riquezas e ajustar a economia para o futuro. A verdade lamentável é que o Brasil está envelhecendo antes de enriquecer. Embicamos para baixo. Cabe-nos descobrir como sair deste mergulho vertiginoso.

Precisamos dar saltos virtuosos, pois o bônus demográfico se extinguiu e não voltará mais. Tem razão o meu amigo jornalista. Um país que ostenta números declinantes e ideias envelhecidas precisa desesperadamente de ideias novas. Temos de acolher as ideias novas como se fossem uma safra vital e descartar as velhas, antiquadas, ineficazes, superadas, que têm circulado em nossa arena política.

A primeira chave para nossa decolagem é decretar a produtividade como nossa prioridade número um. Entre 1997 e 2017, o PIB no Brasil cresceu a uma média de 2,2% ao ano (ante uma média mundial de 3,7% ao ano), mas 77% desse crescimento vêm do bônus demográfico e apenas 23%, do aumento de produtividade. Na década atual, a contribuição média do aumento da força de trabalho para o PIB deve ter uma queda expressiva em relação às duas décadas passadas, por culpa da nossa rápida transição demográfica.

Num momento logo após 2030, a contribuição demográfica atingirá zero e, em seguida, passará a operar negativamente para o crescimento econômico brasileiro. Quando isso acontecer – e vai acontecer logo ali –, restará ao Brasil apenas a força do crescimento da produtividade para elevar o seu PIB. São números desafiadores: para crescer 2% ao ano na próxima década, teremos de triplicar o crescimento da produtividade total da economia. Com o passar dos anos, isso ficará mais difícil.

Não cabem hesitações. Melhorar a produtividade é a nossa boia de salvação. O Brasil tem uma escolha: melhorar a produtividade ou comprar um escafandro. E o primeiro passo para aumentar velozmente a produtividade é aperfeiçoar a qualidade da educação dada aos jovens brasileiros, futuros trabalhadores das décadas vindouras. Nossos números atuais são ruins. No Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) de 2019, num universo de 79 países, o Brasil ficou em 59.º em leitura, 67.º em Ciências e 73.º em Matemática. Então, cabe-nos destinar investimentos maciços à educação e preparar os brasileiros dignos do futuro.

Combate focado às desigualdades, enfrentamento da pobreza infantil, esforço para aumentar a produtividade da nossa economia e investimentos maciços na educação. Tudo isso com responsabilidade fiscal, consensos estratégicos sobre as reformas necessárias e equilíbrio nas relações sociais, econômicas, jurídicas e políticas que fazem uma democracia ser o pilar estruturante que sustenta e ergue todos os outros de uma nação. Eis aí algumas de minhas ideias.

*

GOVERNADOR DO RIO GRANDE DO SUL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.