Vidas negras e a igualdade

A discriminação pode ser declarada ou disfarçada, mas é sempre crime

Michel Temer, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2020 | 03h00

Geraldo era negro. E meu colega no ginásio estadual de Tietê. Era alegre, gentil, animado, brincalhão e com muitos amigos. Dentre eles, eu. Que era o mais próximo dele. Com quem mais ele conversava. Depois que terminamos o curso ginasial, perdi contato. Reencontrei-o muitos anos depois em São Paulo . Ele, bem-sucedido e mantendo a mesma alegria. “Sou diretor de uma empresa” disse-me. “Mas sou uma exceção” completou, revelando ciência e consciência de sua cor.

Sambi era seu apelido. Também negro e pintor de paredes. Era adulto. Eu tinha 13 anos, mas conversava muito com ele. E sempre recebia dele os melhores conselhos. Muitos deles pautaram a minha vida. Eu não sentia nem percebia a diferença de cor. Éramos iguais. Mas na minha cidade, recordo-me bem, havia uma segregação daqueles que eram negros.

Lembro alguns fatos: na praça principal, mais precisamente no jardim, os negros somente andavam na parte externa, não ingressando nos dois círculos internos, em que só circulavam os brancos. No cinema havia a parte de baixo e a parte de cima. Esta última, chamada balcão ou, depreciativamente, “poleiro”. Os negros só frequentavam a parte de cima, cujo ingresso era até mais barato.

Também não entravam no clube dos brancos. Tinham clube próprio. Em dado momento o cinema local estofou as cadeiras de cima e o ingresso ficou mais caro. Mas continuaram a frequentar o balcão, embora pagando mais caro. Foi, a meu ver, o primeiro movimento lá verificado como rebelião pacífica contra aquela situação.

Como disse no início deste artigo, nunca cheguei a compreender a razão daquela desigualdade. Mas percebi, quando se deu o episódio do cinema, que a desigualdade era inadmissível. Não havia ódio entre brancos e negros. Havia segregação, separação entre as duas cores, como se fosse a coisa mais natural do mundo.

Havia uma grande comunidade na cidade e uma das igrejas mais frequentadas era a de São Benedito. Reitero que havia até benquerença entre brancos e negros. Com o tempo essa segregação desapareceu. Hoje, quando vou àquela cidade, percebo que há maior integração na comunidade. Mas ainda assim é como se fosse uma bondade dos brancos, o que vem mais uma vez, revelar o apartamento, a desigualdade.

É, penso, o que se dá no nosso país. As estatísticas o demonstram: os negros são remunerados a menor, são os que mais sofrem ou recebem a ação policial, são os menos presentes nos Poderes Executivos e Legislativos do País e ocupam poucos cargos executivos, restando-lhes as funções mais subalternas. Portanto, a segregação é um fenômeno nacional. Disfarçada, quase escondida, não declarada, mas sempre exercitada.

Essa minha experiência na adolescência é que me fez, quando procurado pelo reitor José Vicente, da Zumbi dos Palmares, editar decreto, o de número 9.417/18, determinando à administração direta e indireta que, dos cargos de estagiários, fossem reservados 30% para os de origem negra. Foi também o que me levou, em 1993, a criar a delegacia de apuração de crimes raciais.

E aí é que entra a pergunta: existe alguma autorização constitucional ou legal que permita essa atuação prejudicial à sociedade brasileira? Nenhuma. Ao contrário. A ordem jurídico-constitucional é plena de dispositivos desautorizadores dessa conduta. É a Constituição federal que determina que não pode haver diferença em razão de origem, raça, sexo, cor, idade e qualquer outra forma de discriminação. É isso que, no dizer do constituinte, faz surgir uma sociedade livre, justa e solidária.

Repete o artigo 5.º da Carta Magna que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza. Há mais. O mesmo artigo 5.º, no seu inciso XLII, ressalta que a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível sujeito a pena de reclusão, nos termos da lei. Como também no seu inciso XLI estabelece que a lei punirá qualquer discriminação atentatória aos direitos e liberdades fundamentais. E a discriminação, no caso, pode ser declarada ou disfarçada. A consequência é a mesma: é crime.

Não é demais enfatizar que a paz é um dos comandos da nossa Constituição, que, em seus vários dizeres, determina essa conduta social. É comando constitucional dirigido a toda a sociedade, especialmente a todos os órgãos que exercem o poder em nome do povo. Tanto é assim que até mesmo o preâmbulo da Constituição (preâmbulo vem de pre ambulare, ou seja, antes de entrar no texto) diz que a razão do novo Estado é assegurar uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, com a solução pacífica das controvérsias.

Sei que a invocação do texto constitucional nos dias atuais tem pouca relevância, já que são poucos os que se dedicam ao cumprimento rigoroso do que a soberania popular determinou em 5 de outubro de 1988. Cumpríssemos a regração constitucional, não teríamos tantos conflitos sociais e, especialmente, daríamos crédito à visão humanitária que teve o constituinte de 1988 ao fixar, de maneira imperativa, a regra da igualdade de todos, começando pelos de cores diferentes, mas nascidos com as mesmas características fisiológicas.


ADVOGADO, PROFESSOR DE  DIREITO CONSTITUCIONAL, FOI PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.