, mas...

Está na hora de distinguir o jornalismo da transmissão de eventos esportivos

EUGÊNIO BUCCI*, O Estado de S.Paulo

05 Julho 2018 | 03h00

Sou telespectador fiel do Jornal Nacional. Não gosto de perder uma única edição do noticiário, que considero a melhor e mais equilibrada síntese diária da televisão brasileira sobre os acontecimentos dignos de nota. Dos anos 1990 para cá, a Rede Globo conseguiu uma proeza: fez transitar, sem traumas, a marca do JN, antes fortemente associada aos interesses da ditadura militar e de seus beneficiários, para um lugar de centralidade na esfera pública brasileira em tempos de democracia.

Os pilares conceituais dessa transição podem ser lidos nos Princípios Editoriais das Organizações Globo, publicados em 2011. As noções de isenção, correção e agilidade ali expostas estão em linha com as melhores práticas jornalísticas da atualidade. Nos Princípios lemos que “jornalismo é o conjunto de atividades que, seguindo certas regras e princípios, produz um primeiro conhecimento sobre fatos e pessoas” e, com efeito, o Jornal Nacional tem sido eficiente nesse “primeiro conhecimento”.

Aí, quando entra a Copa do Mundo, um ufanismo antigo, ressuscitado na forma de entretenimento, vem atrapalhar a caminhada do JN. Durante o campeonato quadrienal de futebol, o programa mistura-se com as equipes encarregadas de narrar os jogos, num embaralhamento que pode ameaçar a credibilidade duramente conquistada.

Jornalismo e transmissão de eventos esportivos são domínios radicalmente distintos. Talvez já esteja na hora de, também no Brasil, assimilarmos essa distinção, tanto nos formatos da programação como, e principalmente, no organograma (na estrutura organizacional) das empresas jornalísticas. A prevalecer o modo como as coisas se misturam hoje em todas as emissoras, ficará no ar a impressão incorreta de que os narradores e os comentaristas esportivos estão ali fazendo jornalismo. Eles não fazem jornalismo e essa distinção deveria ser pública e explícita.

Essa confusão não ajuda o Jornal Nacional. Tudo bem que, de imediato, o programa ganhe em popularidade ao embarcar no cordão da torcida. No médio prazo, porém, não haverá mais ganhos. Certames como a Copa são espetáculos privados, um negócio capitalista da indústria do entretenimento. As emissoras autorizadas a transmiti-los pagam por isso, associando-se aos objetivos de promovê-los. Jornalismo é coisa inteiramente diferente: o jornalismo não promove eventos nem se associa comercialmente a donos de espetáculos; o que o jornalismo faz é apenas cobrir os acontecimentos com independência e espírito crítico. Essa distinção, insisto, deve ser tornada pública e explícita.

Não há nada de errado em uma emissora transmitir a Copa do Mundo. Brasileiros adoram o esporte bretão. Logo, uma TV comprometida com a cultura brasileira tem mais é que levar ao público a emoção dos jogos. O cuidado que falta é proteger o jornalismo. O estúdio do Jornal Nacional não deveria mais se fundir com o estúdio dos narradores das partidas. Num momento em que a independência jornalística está em xeque em toda parte (e num momento em que o Brasil precisa tanto de distanciamento crítico dos responsáveis por informar a sociedade), esse cuidado se torna urgente.

Se a separação não for feita, a credibilidade jornalística seguirá exposta. Um exemplo é o caso do ex-futebolista Ronaldo, que vem sendo questionado em sua condição de comentarista dos jogos. Segundo se alega, Ronaldo, atualmente vinculado a uma empresa que gerencia a carreira de atuais praticantes profissionais do esporte, incorre num conflito de interesses: de um lado, defende a boa imagem dos atletas que agencia; de outro, diz no ar quem jogou bem e quem jogou mal.

A situação é delicada (o questionamento tem validade), mas não precisaria machucar, como machuca, a credibilidade do jornalismo da Globo. O que Ronaldo faz na TV não é jornalismo, é entretenimento. Ronaldo é mais ou menos como um jurado de programa de auditório. Mas, como a operação de promover dos jogos está misturada à função do jornalismo, um deslize do entretenimento pode abalar a respeitabilidade do jornalismo.

Comentaristas esportivos à parte, o pior conflito é estrutural. Ao colocar num mesmo espaço o trabalho jornalístico e o trabalho do entretenimento (ao investir a reputação de seus jornalistas para turbinar uma atração comercial, privada, como é a Copa do Mundo), uma emissora embola a estrutura e pode dar a impressão de que seu jornalismo não está devidamente protegido contra interesses comerciais.

Esse embolamento estrutural pode até desnortear texto jornalístico, de forma geral. Na segunda-feira 2/7, lá estava eu vendo o Jornal Nacional, como quase todos os dias. No finalzinho do segundo bloco, o apresentador anunciou as principais notícias que viriam depois do intervalo. Eis o que ele disse: “A seguir, a eleição do primeiro presidente esquerdista da História do México (com o olhar tenso), mas tem muito mais Copa do Mundo daqui a pouco também (com um ar de quase sorriso)”.

Fiquei pensando no “mas” desse enunciado. Por que a adversativa? Seria porque o Jornal Nacional considera a eleição de um “esquerdista” uma coisa negativa, mas considera a Copa uma coisa positiva? Não, não era isso. A reportagem sobre a eleição do México foi equilibrada e apartidária, como teria de ser. A razão do “mas” estava em outro lugar: aquele “mas” opunha um assunto que leva o telespectador a pensar com seriedade (a política mexicana) a um assunto que servia para diverti-lo (a Copa). Um assunto é jornalismo; o outro, entretenimento. Por isso o “mas”. Mesmo assim, ficou a impressão de que o “mas” era um juízo de valor sobre o novo presidente mexicano.

Por quê? Por que ficou a impressão de que havia um juízo valor contra o presidente mexicano? Porque, entre a função de informar e a de divertir, o Jornal Nacional hesitou. Foi um lapso, nada mais que um lapso. Mas foi também um alerta.

* EUGÊNIO BUCCI É JORNALISTA, PROFESSORDA ECA-USP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.