A cena global e o fator Trump

Trump é um importante ponto de referência nas projeções de crescimento global

O Estado de S.Paulo

14 Março 2018 | 03h00

Para o bem e para o mal, o presidente Donald Trump, o novo senhor da guerra no comércio, é um importante ponto de referência nas projeções de crescimento global da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Se der tudo certo, a economia mundial crescerá 3,9% neste ano e 3,9% no próximo, pouco mais do que haviam indicado as estimativas anteriores, divulgadas em novembro: 3,7% em 2018 e 3,6% em 2019. Parte do impulso deverá vir da redução de impostos defendida pelo Executivo e aprovada pelo Congresso americano. Com tributação menos pesada, as empresas poderão produzir mais, contratar mais pessoal e vender mais, segundo avaliam os economistas da OCDE. Novos estímulos fiscais na Alemanha também deverão reforçar a atividade. Mas, em contrapartida, há o risco de conflitos comerciais travarem o crescimento. O primeiro disparo foi a elevação de tarifas sobre importações de aço e alumínio por decisão do presidente dos Estados Unidos.

Os governos, segundo recomendação da OCDE, deveriam evitar a escalada do conflito, renunciando a retaliações. Há um problema no mercado de aço – o excesso de capacidade instalada – e é preciso resolvê-lo de forma conjunta. Há discussões sobre o assunto no âmbito da OMC, com participação de todos os grandes produtores, incluídos a China e os Estados Unidos. O Brasil, maior exportador de aço para o mercado americano, também é representado nos debates. O presidente Donald Trump, no entanto, desprezou a busca do entendimento pela negociação. Preferiu cumprir uma promessa de campanha, elevando barreiras à importação, pressionando parceiros comerciais e criando o risco de um amplo conflito comercial.

“Proteger o sistema internacional de comércio baseado em regras ajudará a sustentar o crescimento e os empregos”, afirmam os autores do relatório. Essa afirmação é tão válida hoje como em qualquer outro momento. O fato excepcional é a clara disposição do governante de uma grande potência – Donald Trump, o presidente dos Estados Unidos – de violar normas e pôr em risco o sistema construído depois da 2.ª Guerra Mundial.

Do lado positivo, a retomada do investimento, a melhora do emprego, a reanimação do comércio global, cortes de impostos e elevação de gastos públicos favorecem a aceleração do crescimento. O potencial de crescimento no médio prazo é inferior no entanto ao de antes da crise financeira. O investimento foi muito baixo durante muitos anos e a produtividade global encolheu.

As principais advertências valem para o conjunto e para a economia brasileira. Além disso, os desafios são, em alguns casos, mais prementes e difíceis para o Brasil do que para outros países, como pode perceber qualquer brasileiro razoavelmente informado.

Exemplo: os autores do estudo defendem a realização de reformas como condição para ganhos de eficiência e, portanto, para aumento do potencial de crescimento. No caso do Brasil, é inegável a urgência de mudanças no sistema previdenciário e, de modo mais amplo, na estrutura das contas públicas.

Em estudo recente, economistas da OCDE chamaram a atenção para entraves à expansão econômica do Brasil. A insuficiente integração no mercado global e as deficiências na educação e na formação de mão de obra são dois exemplos facilmente identificáveis.

De toda forma, no panorama econômico recém-divulgado as perspectivas de crescimento do Brasil são melhores que no relatório de novembro. A expansão prevista para 2018 passou de 1,9% para 2,2%. A estimada para 2019 foi alterada de 2,3% para 2,4%. A OCDE também havia subestimado o desempenho em 2017. Em novembro, o crescimento estimado ainda era de 0,7%. Pelas contas oficiais, divulgadas no começo do mês, o Produto Interno Bruto cresceu 1% no ano passado.

A revisão desses números, no entanto, de nenhum modo enfraquece as advertências e recomendações da OCDE. Reformas permanecem essenciais, assim como investimentos e programas voltados para o aumento da produtividade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.