A CNI menos otimista do que o IBGE

A análise do desempenho do setor industrial em abril, apresentada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), é menos otimista do que a do IBGE. Menos abrangente do que a do IBGE e, levando em conta o faturamento, não o volume da produção, ela traz, porém, dados complementares que a enriquecem. O IBGE destaca a continuidade do crescimento, enquanto a CNI relata uma interrupção dos sinais de recuperação.Em abril, em relação ao mês anterior, a CNI registra uma redução de 1,9% do faturamento real, de 0,1% das horas trabalhadas e de 1,1% do nível de emprego no conceito dessazonalizado, enquanto a massa salarial real acusa queda de 2,9%.O recuo do faturamento real pode ser atribuído à queda das exportações, mas também a uma melhora da produtividade, que aparece quando se compara a evolução das horas trabalhadas com a do emprego, ao mesmo tempo que há um crescimento dessazonalizado do índice de Utilização da Capacidade Instalada (UCI) de 0,4 ponto porcentual.Houve, certamente, necessidade de reconstituir os estoques recorrendo a uma maior utilização dos equipamentos existentes, o que é um fator positivo.As horas trabalhadas se reduziram muito menos do que o nível de emprego, uma situação que sempre acompanha um período de recessão. As empresas as reduzem mais do que a queda do faturamento justificaria e então constatam que, com menos mão de obra, podem continuar atendendo à demanda.Isso naturalmente se reflete numa queda ainda maior da massa salarial - não sendo o período de desaceleração favorável a um aumento real de salários.A avaliação da CNI é que os dados levantados não permitem concluir que o processo de recuperação da produção industrial, que se havia observado nos três meses anteriores, esteja se consolidando. Espera-se uma recuperação nos próximos meses, em razão das isenções tributárias outorgadas a alguns setores. A produção de veículos em maio parece confirmar essa expectativa.Apenas no final do ano é que se poderá registrar crescimento em relação ao mesmo período de 2008, levando em conta que nos três primeiros trimestres do ano passado a produção atingiu um nível excepcionalmente bom.Com a redução da massa salarial, que deverá continuar nos próximos meses, só as transferências públicas é que deverão permitir crescimento da demanda.

, O Estadao de S.Paulo

05 de junho de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.