A confiança dos industriais

A recuperação da indústria pode estar começando, depois de dois anos muito ruins, mas as perspectivas para 2014 ainda são de crescimento muito moderado. De toda forma, há sinais de otimismo entre os dirigentes do setor e hoje há mais sinais positivos do que em novembro, comentou a pesquisadora Tabi Thuler Santos, da Fundação Getúlio Vargas, ao apresentar a edição de dezembro da Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação. Mas a sua avaliação foi complementada por um toque de prudência: é bom esperar a confirmação da tendência nos próximos meses. Sempre sensata, essa ressalva é especialmente justificável neste momento, quando a maior parte das previsões aponta mais um ano de crescimento econômico medíocre, inflação alta e sérias dificuldades no setor externo.

O Estado de S.Paulo

30 Dezembro 2013 | 02h03

Três sinais positivos foram apontados pela coordenadora da sondagem, mas todos acompanhados de alguma restrição. O Índice de Confiança da Indústria, com variação de 1,1%, aumentou pelo segundo mês consecutivo e atingiu 100,1 pontos, o maior nível desde junho, mas ainda inferior à média dos últimos 60 meses (104 pontos). O Índice de Expectativas avançou pelo terceiro mês consecutivo e passou de 98,1 para 100,3, mas continuou abaixo da média histórica, de 103,2. A previsão de emprego para os próximos três meses subiu 3,1%, chegou a 100,4 pontos e, como os dois itens anteriores, continuou abaixo da média de cinco anos (112,2 pontos). Além disso, aponta mais para a estabilidade - período sem demissões - do que para mais contratações, observou a pesquisadora. O Índice de Situação Atual ficou praticamente estável, com variação de 00,9 para 100 pontos (média de 104,9).

Nenhum desses números valeria um comentário otimista, se a indústria de transformação estivesse operando em condições mais próximas da normalidade. Mas o setor esteve muito mal nos últimos dois anos. Perdeu espaço no comércio exterior e tem tido muita dificuldade para enfrentar os estrangeiros até no mercado interno, apesar da proteção oferecida a alguns segmentos pela política federal. Entre 1996 e 2012 a parcela de importados no consumo de bens industriais intermediários e finais passou de 12,5% para 22%. No terceiro trimestre de 2013 essa participação chegou a 22,8%, segundo pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex). O aumento de participação foi especialmente sensível nos últimos seis anos.

Segundo a CNI, a indústria de transformação deve ter crescido 2,3% neste ano e poderá crescer 2,5% no próximo. No ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) de toda a indústria (mineração, transformação, construção e utilidade pública) diminuiu 0,8%. Para este ano a CNI estima 1,4% de expansão. O quadro geral, portanto, ainda é de estagnação, quando se leva em conta o desempenho a partir de 2011. Nos três primeiros anos do governo da presidente Dilma Rousseff o setor industrial permaneceu atolado em dificuldades. Os estímulos fiscais e financeiros adotados nesse período serviram muito mais para a expansão do consumo do que para o aumento da produção manufatureira.

Os sinais de otimismo detectados na sondagem da FGV podem ser antecipações de uma retomada do investimento industrial. O total investido pelo governo e pelo setor privado em todos os setores da economia continua abaixo de 20% do Produto Interno Bruto. No ano passado, o investimento diminuiu e a proporção em relação ao PIB foi pouco superior a 18%, uma taxa baixíssima em relação às necessidades nacionais (de, no mínimo, 24%) quanto e também quando comparada com os padrões das economias emergentes.

Para 2014 a CNI estima elevação de 5% no valor investido em máquinas, equipamentos e instalações públicas e privadas. Pelas projeções conhecidas até agora, ainda será insuficiente para alcançar 20% do PIB. Investimento depende só em parte da disponibilidade de recursos. A confiança na economia - e, portanto, na política econômica - é determinante. No País, essa confiança tem sido mais escassa que o financiamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.