A decisão de Meirelles e suas consequências

A decisão de Meirelles e suas consequências

A decisão de Henrique Meirelles de continuar na presidência do Banco Central (BC) foi recebida com alívio no mercado financeiro e reforçou a convicção de que as autoridades monetárias voltariam a ter uma atitude racional.

, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2010 | 00h00

Foi, aliás, o que anunciou Henrique Meirelles ao declarar: "Fiquei para contribuir para a racionalidade econômica." De fato, a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), na sua última reunião, pareceu em total desacordo com a análise que seus membros fizeram da situação econômica, sentimento que ficou ainda mais claramente comprovado com a publicação, depois da Ata do Copom, do Relatório de Inflação. A racionalidade anunciada pelo presidente do BC é, sem dúvida, uma elevação da taxa Selic na reunião do final de abril. O relatório de mercado Focus vem consolidar essa impressão.

Mais uma vez, o relatório está prevendo uma nova elevação do IPCA para o final de 2010 e 2011, ao mesmo tempo que admite que a Selic, em abril deste ano, passará de 8,75% para 9,25%.

É interessante notar que, numa declaração feita em Belo Horizonte, Henrique Meirelles lembrou que, no Relatório de Inflação, o BC estava admitindo para 2011 uma inflação de 5,2%, mas que para os próximos 12 meses a previsão era de uma taxa ligeiramente abaixo do centro da meta, donde se conclui que o BC admite que, para 2011, em razão do atraso na reação do Copom, será difícil atingir o centro da meta e que todos os esforços terão que se dirigir para esse objetivo no ano que vem.

Todo o problema é saber qual será a composição do Copom depois das eleições de 2010. Corre o rumor de que, se Dilma Rousseff ganhar as eleições, Henrique Meirelles será mantido na presidência do BC e seu nome seria uma maneira de compensar a falta de uma Carta ao Povo Brasileiro com o compromisso nela firmado. A dúvida é se Dilma Rousseff teria a autoridade de Lula para manter no BC uma ortodoxia que o PT teve grandes dificuldades em admitir.

Já no caso da vitória de José Serra, a composição do BC seria totalmente modificada, pois é sabido que o ex-governador de São Paulo tem criticado com dureza a política das atuais autoridades monetárias.

Talvez se esteja dando hoje um papel exagerado à política monetária, quando a maior dificuldade será a de pôr em ordem as finanças públicas diante dos compromissos assumidos pelo governo atual com efeitos duradouros, como o reajuste do funcionalismo, dos benefícios do INSS, etc. E com tantas obras inacabadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.