A democracia real

No episódio da greve dos caminhoneiros o governo praticou plenamente o diálogo para solucionar grave impasse social que poderia trazer prejuízo ao povo brasileiro

MICHEL TEMER*, O Estado de S.Paulo

02 Junho 2018 | 03h00

No episódio da greve dos caminhoneiros o governo federal praticou plenamente o diálogo para solucionar grave impasse social que poderia trazer imenso prejuízo ao povo brasileiro. Muito maior do que os já registrados. Houve conversas permanentes com os manifestantes.

Ao fim da paralisação, temos um resultado de retorno à normalidade sem que tenha havido, da parte do Estado, nenhum ato de agressão ou violência contra os grevistas. Se houve excesso de algum manifestante mais exaltado ou de empresários que tentaram tirar proveito do episódio, o governo tinha as forças federais e a lei para usar. Nesses casos, demandou o Judiciário, conseguiu decisões favoráveis, aplicou multas pelas infrações cometidas e impôs a ordem. Prendeu somente quem cometeu crimes com abundância de provas. Usou somente a força federal ostensiva para dissuadir piquetes e bloqueios.

Sempre agiu com autoridade, nunca optou pelo autoritarismo. Talvez alguns quisessem cenas de espancamento e arbitrariedade. Chegaram a pedir a quebra dos princípios democráticos. Este governo usará de todos os meios para evitar danos à imagem da nossa democracia. Este é um Gabinete forjado no respeito ao contraditório, na capacidade de ouvir, de respeitar seus interlocutores. Mesmo aqueles que não o entendem terão oportunidade de expressar suas opiniões. Não serão violentados, não serão desrespeitados.

Diálogo e autoridade são marcas fundamentais deste governo. E foi com elas que, durante a manifestação dos caminhoneiros, garantimos a lei e a ordem. Chamamos as forças envolvidas na área de segurança: Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Força Nacional, Exército, Marinha e Aeronáutica. Elas se impuseram pela autoridade e na defesa dos princípios constitucionais. Foram aos pontos de bloqueio ou de aglomeração e os desmobilizaram sob o manto legal. A Advocacia-Geral da União acionou o Supremo Tribunal Federal, que decidiu em favor da ordem, em favor do País. Agimos todo o tempo em consonância com as instituições do Estado de Direito.

E por que o fizemos? Simplesmente porque a conta maior acabaria sendo paga pelo povo, principalmente os mais vulneráveis, os mais carentes. Inflação de preços, ausência de serviços médicos, impossibilidade de transporte afetam muito mais a base da nossa pirâmide social. E isso nós não poderíamos aceitar. Estávamos preocupados, sim: com o povo que ficou sem o direito de ir e vir, sem alimentos ou medicamentos.

Liberamos todas as estradas, acessos aos portos foram restaurados, aeroportos foram abastecidos, centrais de distribuição de alimentos receberam seus carregamentos, aos hospitais chegaram medicamentos. Estamos voltando à normalidade sem o registro de nenhuma violência, sem incidentes criados pelo Estado. O que se registrou foram atos de pressão e força de uma minoria de manifestantes, com a lamentável perda de uma vida humana em Rondônia, num ato de barbárie que não se justifica.

Assim é a democracia de fato, real e concreta. Nada de autoritarismo. Alcançam-se acordos indo ao limite máximo da negociação. Tivemos a compreensão do momento delicado por que passa uma categoria que se mostrou essencial à vida do País. A ela dedicamos nosso tempo para atender às reivindicações. Aprovamos no Congresso Nacional as medidas para pôr em prática os termos negociados. O Senado atendeu à nossa convocação em tempo recorde. Votou a reoneração e permitiu que encontrássemos os recursos orçamentários para cobrir as despesas extras. Nesse particular registro que também dialogamos muito com a Câmara e o Senado e deles tivemos integral apoio.

Fizemos isso sem causar perdas e danos às políticas que recuperaram a Petrobrás ou ameaçar a sua recuperação econômica, fato que é notável em dois anos de mandato. Mantivemos intactos os compromissos assumidos com a empresa e com o povo brasileiro. A conta foi assumida pelo Tesouro Nacional porque concluímos que manter o País na paralisação provocaria prejuízos muito maiores, incomensuráveis. Poríamos em risco nossa economia, nossa imagem internacional, vidas de brasileiros, o abastecimento de itens básicos para toda a população e o futuro de milhões de trabalhadores. O governo tinha de decidir. Não podia fugir à sua responsabilidade. E decidiu em favor do Brasil e do nosso povo.

Houve toda uma equipe de governo dedicada, com vigor, a solucionar a paralisação. Durante dias, ministros, auxiliares, policiais, assessores e técnicos trabalharam intensamente. Dialogaram, monitoraram, criaram novas formas de acompanhar um movimento único em nosso país (jamais uma ferramenta digital, como o WhatsApp, havia sido usada para conseguir tal mobilização e tamanho resultado, com liderança difusa e diversa oculta sob as comunicações das redes sociais). Trabalharam dias inteiros sem interrupção, até mesmo nos fins de semana, para debelar uma das mais preocupantes crises já ocorridas no País.

Fizemos tudo pelo caminho do diálogo e criamos interlocução respeitosa e digna com os caminhoneiros. Sempre buscamos o equilíbrio entre os interesses da categoria e do País.

Por dialogar, o governo tem sido impropriamente apodado de fraco. Por ser democrático, tem sido criticado. Lembro que, na falta de diálogo, há o império do monólogo: a crítica não tem espaço, a censura fala mais alto que a liberdade de se expressar.

É estranho que, nos tempos das redes sociais, da conectividade e da internet, tantos usem essas ferramentas para buscar os caminhos que levam ao silêncio, ao arbítrio, à tirania. Mesmo que essa onda exista, o governo remará contra a corrente. Continuará aberto ao entendimento e defendendo a democracia. Continuará a buscar sempre os caminhos institucionais para solucionar conflitos. 

Do caminho da lei e da ordem o meu governo não sairá jamais.

*PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.