A festa da inflação

A maior inflação dos últimos sete anos bateu no limite de tolerância, 6,5%, mas esse resultado foi recebido pelo governo quase como uma vitória. O consumidor brasileiro enfrentará neste ano uma alta de preços mais moderada e muito mais próxima da meta oficial de 4,5%, prometem as autoridades. Os preços da comida já estão subindo menos e a maior parte dos outros componentes do custo de vida vai evoluir de modo mais favorável, segundo o secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa. O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, soltou uma nota oficial para manifestar seu otimismo - e para reafirmar, naturalmente, o acerto do corte de juros iniciado no fim de agosto. Os aumentos de preços arrefecem e tudo segue de acordo com a previsão das autoridades monetárias. Os brasileiros poderiam ficar mais tranquilos, no entanto, se os encarregados da política anti-inflacionária se mostrassem menos confiantes e menos tolerantes à alta de preços.

O Estado de S.Paulo

07 Janeiro 2012 | 03h04

A economia brasileira cresceu 7,5% em 2010 e os preços ao consumidor subiram 5,9%. Em 2011 a situação se inverteu. O Produto Interno Bruto (PIB) aumentou muito menos - algo em torno de 3%, segundo estimativas correntes - e os preços ao consumidor subiram muito mais. Foi uma combinação sem dúvida perversa. Mas a demanda interna continuou vigorosa, apesar do fraco desempenho da indústria. Embora a economia tenha crescido menos que em 2010, a inflação foi puxada pelo aumento do emprego e da renda, como observou a coordenadora dos índices de preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos. Poderia ter mencionado também a expansão do credito, registrada mensalmente pelo próprio BC.

Durante a maior parte do ano o governo atribuiu as pressões inflacionárias à alta das cotações de produtos básicos no mercado internacional. A perspectiva de estabilização ou redução desses preços, por causa da crise internacional, foi uma das justificativas oficiais para a redução da Selic iniciada em agosto.

Os números do IBGE continuam contrariando a tese oficial sobre as causas da inflação. Aumentos de gastos com empregados domésticos, escolas e refeições fora de casa estão fortemente ligados à elevação da renda, observou a responsável pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado como referência da política de metas. Em 2010 os preços dos serviços aumentaram 8,1%. Em 2011 subiram 9,4%. Essa variação representou 31% da alta geral do IPCA. Educação, despesas pessoais, saúde e cuidados pessoais e habitação encareceram mais que no ano anterior.

Três desses itens subiram mais que a média geral dos preços e esse movimento dependeu muito mais das condições da demanda interna que da influência das cotações internacionais das mercadorias agrícolas e de outros produtos básicos. Houve, portanto, inflação de demanda, alimentada tanto pelo aumento da renda e do crédito quanto pelas despesas do setor público.

Governo e BC prometem para 2012 uma inflação bem mais próxima do centro da meta - abaixo de 5%, segundo o secretário executivo do Ministério da Fazenda. Não prometem, por enquanto, atingir o centro do alvo, embora o presidente do BC reafirme, de vez em quando, o compromisso com esse objetivo. A promessa de resultados melhores continua baseada em dois pressupostos: o efeito desinflacionário da crise externa e a adoção da austeridade fiscal no Brasil.

Nenhuma dessas condições está garantida, por enquanto, embora tenha ocorrido, recentemente, algum recuo nos preços das commodities. Quanto à austeridade fiscal, o governo terá de praticá-la num período de eleições municipais e de fortes pressões políticas. Além do mais, um dos objetivos oficiais para 2012 é um crescimento econômico na faixa de 4,5% a 5%. A pressão de demanda, evidente em 2011, tenderá, portanto, a repetir-se em 2012. Essa pressão, mais uma vez, forçará um aumento das importações. Se a hipótese quanto aos preços das commodities for confirmada, a receita de exportações será prejudicada e as contas externas ficarão mais frágeis. O Brasil ficará em má situação se o governo for incapaz de arrumar esse quebra-cabeça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.