A ideia oca de Chávez

Pela estrita lógica dos números, a alta nas cotações do petróleo provocada pela eclosão dos levantes populares no mundo árabe e acelerada pela incerteza sobre o destino das reservas líbias - embora seja modesta a participação do feudo do coronel Muamar Kadafi no mercado global do produto - deveria ser um maná para o seu único verdadeiro amigo, discípulo e imitador no subcontinente americano, o caudilho venezuelano Hugo Chávez. Sem prejuízo do culto ao reverenciado mentor Fidel Castro, a sua messiânica revolução bolivariana para o implante e a propagação do socialismo do século 21 no mundo se inspirou no Livro Verde, a bíblia revolucionária do coronel autocrata de Trípoli. Era a sua leitura de cabeceira na escola militar venezuelana, antes de se fazer promover a coronel, assumir o governo e amordaçar a liberdade em seu país.

, O Estado de S.Paulo

08 Março 2011 | 00h00

Chávez, cujo talento para o histrionismo é inversamente proporcional ao seu preparo para os negócios de Estado, além de adotar políticas populistas sem lastro, promoveu dilapidação de tal ordem nos recursos nacionais que já se prevê que a Venezuela não terá como honrar os seus compromissos a vencer em 2012. Uma crise da dívida soberana do país reproduziria no Novo Mundo a quebra da Grécia, em 2009, com a agravante de levar à insolvência a quase única fonte de sustento do país, a pilhada PDVSA, a estatal venezuelana do petróleo. Portanto, se fosse um ser racional, Chávez deveria ter recebido com alegria a disparada das cotações do óleo cru nos maiores mercados.

No entanto, movido pela compulsão do protagonismo, o caudilho deve ter achado muito pouco para a sua megalomania conseguir a duvidosa distinção de aparecer na mídia internacional como o defensor número um de Kadafi. O número dois tem sido Fidel Castro, mas ninguém ainda se interessa pelos tartamudeios que garatuja sobre o futuro da humanidade. Enquanto o venezuelano se limitava a louvar o líbio, a vida continuava como se nada tivesse mudado. Mas agora ele dá de propor a criação de uma comissão internacional para a pacificação da Líbia, a Liga Árabe faz saber que examina a iniciativa e o próprio Kadafi indica que poderia comprar a proposta.

Previsível como o dia que se segue à noite, o preço do barril do cru caiu US$ 3 em um só movimento. Fez sentido. Sinais de disposição do ditador de aceitar alguma forma de mediação estrangeira no conflito líbio - que praticamente já transformou em guerra civil - foram interpretados como garantia de que, no depender de Trípoli, o produto continuará a ser exportado. Na Europa, por exemplo, vem da Líbia 36% do óleo importado pela Itália. A aparente anuência do autocrata indicaria também que, apesar de sua retórica inflamatória, ele veria de bom grado um (improvável) arranjo pelo qual sobreviveria como uma espécie de Rainha da Inglaterra - a quem se comparou dias atrás - de um governo de transição para a democracia. Para Chávez, sobraria a presumível paternidade da corretagem da paz, ao custo dos "lucros cessantes", com volta das cotações do petróleo ao patamar anterior aos tornados libertários no Oriente Médio.

Mas é tudo um jogo de sombras. Se Kadafi pai teria incentivado a ideia da mediação, Kadafi filho, Saif al-Islam (tido antes como o mais forte na disputa com os irmãos pelo cetro paterno), jogou areia no plano chavista. "Os venezuelanos são nossos amigos, mas estão muito longe e não têm ideia da Líbia", argumentou com franqueza. "A Líbia está no Oriente Médio e Norte da África. A Venezuela, na América Central." Decerto não é só de geografia que se trata. Al-Islam, o mais ocidentalizado da prole do coronel, sabe que a Venezuela não tem a menor credencial para cacifar uma operação dessa ordem - da qual os rebeldes nem querem ouvir falar.

Lançando uma nova cartada, Chávez fez saber de suas simpatias pelo ex-presidente Lula para liderar a ainda embrionária comissão. Se a sua vaidade já não tiver secado as suas reservas de bom senso, ele só precisará de duas palavras para responder à sondagem: "Não, obrigado". Se quiser ser mais prolixo poderá acrescentar: "A única entidade legítima para se ocupar da Líbia é a Organização das Nações Unidas" - que, ao que parece, é o que pensa sua sucessora Dilma Rousseff.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.