A indústria dá prioridade aos investimentos

A produção industrial ? que em abril havia acusado um declínio de 0,8%, segundo dados com ajuste sazonal ? ficou estável em maio. Não é surpresa nem deve ser visto como sinal de estagnação da economia ? apenas reflete a suspensão dos incentivos fiscais que permitiram aumentar as vendas, além de uma elevação das importações.

, O Estado de S.Paulo

02 Julho 2010 | 00h00

O que nos parece importante é que 16 setores apresentaram crescimento e apenas 11, um recuo. Entre os mais dinâmicos estão os setores de material eletrônico e equipamentos de comunicações (6,1%) e de equipamentos para informática (5,7%). Além do mais, o índice de difusão da produção ficou em 75,8% em maio, ante 72,1% no mês anterior. Por categorias de bens se destacam o setor de bens de capital, com 1,2%, e o de bens de consumo duráveis, com 0,1%.

O crescimento do setor de bens de capital merece atenção, pois significa que a indústria aposta num aumento da demanda. É importante notar que, para os cinco primeiros meses do ano, esse setor apresentou crescimento de 30,6% e, em relação ao mesmo mês de 2009, aumentou 38,5%. Não é apenas a produção nacional de bens de capital que está crescendo, mas também as importações (21,5%) nos cinco primeiros meses do ano, em relação ao mesmo período de 2009. A Confederação Nacional da Indústria estima que os investimentos poderão aumentar 24,5% e que a taxa de investimento chegará a 19,4% do PIB neste ano.

A produção de bens de capital pode se destinar a setores diferentes. Em maio, o crescimento dos bens de capital para fins industriais apresentou crescimento de 33,6%, em relação a igual mês do ano anterior; para a agricultura, de 5,5%; para a construção civil, de 154,6%; e para o transporte, de 34,1%; ao mesmo tempo que se verifica um recuo de 0,8% para o setor elétrico.

Essa distribuição dos bens de capital por destino nos dá uma visão clara da evolução da economia nacional com o boom imobiliário. A indústria não investiria se não apostasse na continuidade da demanda doméstica, que ainda deverá ser reforçada com todas as bondades aprovadas pelo Congresso.

Tem-se de observar que a produção industrial não parece ter sido muito afetada pelo aumento da taxa Selic, que normalmente se traduz por uma elevação das taxas de juros praticadas pelos bancos. Para isso, a explicação é muito simples: a indústria depende cada vez mais dos empréstimos do BNDES, que não são afetados pela política monetária do Banco Central.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.