A nova ameaça de Levy

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, ameaçou mais uma vez deixar o governo – e será muito estranho se desta vez mudar de ideia. Prometeu sair se for zerada a meta de superávit primário na proposta orçamentária para o próximo ano. A declaração foi feita em reunião com representantes da Comissão Mista de Orçamento, segundo apurou o Estado. Ele já havia falado em se demitir, mas sempre acabou recuando, embora a presidente Dilma Rousseff tenha várias vezes desprezado suas opiniões, dando preferência aos pontos de vista do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa. Numa dessas ocasiões, no fim de agosto, o Executivo encaminhou ao Congresso, contra a recomendação de Levy, um projeto de Orçamento para 2016 com previsão de déficit primário. A consequência imediata foi o rebaixamento do Brasil ao nível especulativo pela agência de avaliação de risco Standard & Poor’s (S&P).

O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2015 | 03h03

Anunciada a perda do grau de investimento, o governo recuou, para evitar novas avaliações negativas, e refez a proposta, comprometendo-se a buscar um superávit primário – sem a conta de juros, portanto – equivalente a 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB).

Essa meta é insuficiente para impedir o aumento da dívida pública, especialmente com uma taxa básica de juros de 14,25% e talvez mais alta nos próximos meses. Mas o compromisso de buscar algum resultado positivo nas contas primárias é pelo menos um sinal de seriedade e isso faz alguma diferença para o mercado.

Embora modesta em comparação com o tamanho do ajuste necessário, essa meta é no entanto difícil, numa fase de recessão. A receita de impostos e contribuições diminuiu neste ano e a base de tributação permanecerá contraída em 2016, porque os negócios continuarão em marcha lenta e o desemprego ainda poderá crescer. Daí o empenho do governo – especialmente do Ministério da Fazenda – em conseguir do Congresso a legislação necessária para tornar mais flexível o uso de recursos e fortalecer a arrecadação.

Parte da solução proposta, o retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), é muito ruim, mas até esse experiente ainda faz algum sentido, se associado a um compromisso crível de arrumação das contas públicas. O governo insistirá na recriação desse tributo, de qualquer forma, no entanto, mesmo se a meta de superávit primário de 0,7% do PIB for oficialmente abandonada. Nesse caso o dinheiro será destinado simplesmente a sustentar uma política de mais gastança e nenhum compromisso de austeridade orçamentária.

A ideia de reduzir a zero a meta fiscal foi discutida inicialmente entre o ministro do Planejamento e parlamentares influentes na condução da proposta orçamentária. O senador Romero Jucá (PMDB-RR) encampou a ideia há algum tempo. O líder do governo na Comissão Mista de Orçamento, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), muito próximo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, também defende a mudança e anunciou a disposição de apresentar emenda a favor do superávit zero.

Se a manobra der certo, a proposta de lei orçamentária refletirá a política de afrouxamento fiscal defendida pelo ex-presidente e por membros da cúpula do PT. Será um lance muito arriscado, especialmente porque representantes das agências Moody’s e Fitch já deixaram muito clara, nos últimos dias, a possibilidade de um próximo rebaixamento da nota de crédito do Brasil. Se uma delas cortar a nota, seguindo o caminho da S&P, o resultado já será desastroso. Nesse caso, duas agências terão reduzido o Brasil ao grau especulativo e isso será suficiente para grandes fundos estrangeiros buscarem distância de títulos de origem brasileira. O financiamento ficará muito mais difícil tanto para o Tesouro quanto para empresas.

Diante desse quadro, o ministro Joaquim Levy terá pouquíssimos motivos, talvez nenhum, para se convencer a continuar no governo. A presidente Dilma Rousseff terá comprovado mais uma vez sua fraqueza e sua submissão a Lula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.