A pergunta das ruas

Perplexos como toda a gente diante da força da onda de protestos que se espraiaram pelo País contra o aumento das tarifas de transportes urbanos, em primeiro lugar, os governos dos maiores Estados e municípios brasileiros, São Paulo e Rio de Janeiro, seguindo o exemplo de numerosos outros, capitularam na quarta-feira, 13 dias depois da eclosão das primeiras manifestações na capital paulistana. Os bilhetes voltaram a custar, respectivamente, R$ 3 e R$ 2,75, abolidos, nos dois casos, os execrados R$ 0,20 de aumento que desataram a ira geral - e acrescentaram ao vasto repertório brasileiro de siglas o MPL do Movimento Passe Livre, que defende o transporte coletivo gratuito e promete persistir na pregação.

O Estado de S.Paulo

21 Junho 2013 | 02h30

O recuo mais dramático foi o do prefeito petista da capital, Fernando Haddad. Na véspera da rendição, não apenas a sede da municipalidade foi atacada por um bando de vândalos, como o prédio onde ele mora com a família esteve perto de ser invadido por agressores que o chamavam, entre outras coisas, de "covarde". Na manhã seguinte, ele foi o oposto disso.

Com um desassombro raro entre os governantes de quaisquer partidos, chegou a dizer que a redução das tarifas seria "uma decisão de caráter populista". O que ele queria era que o governo federal bancasse, de alguma forma, o custo da medida que a presidente Dilma Rousseff e o patrono de ambos, Luiz Inácio Lula da Silva, o pressionavam a tomar.

Instruído pela chefe, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse não. A Prefeitura que ajustasse o seu orçamento e os seus programas às receitas de que teria de abrir mão - R$ 200 milhões já este ano. Isolado, Haddad ainda teve o dissabor de receber uma ligação do prefeito peemedebista do Rio, Eduardo Paes, de quem ouviu que "não aguentava mais" e resolvera ceder. Do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, tampouco tinha algo a esperar. Ele argumentou que as coisas só ficariam piores sem a diminuição das passagens (que incluem as do metrô e trens de subúrbio, de alçada do Estado). O retrospecto dos dias recentes decerto lhe dava razão.

Mas o prognóstico pessimista não há de ter sido o principal fator de seus cálculos - nem nos de todos os demais protagonistas, a começar da presidente que tem em comum com o tucano o fato de serem candidatos à reeleição nas suas esferas. No Rio, o governador Sérgio Cabral já não pode sê-lo, mas joga o seu futuro na candidatura do vice Luiz Fernando Pezão, a ponto de condicionar o seu apoio a Dilma à desistência do aspirante petista, senador Lindbergh Farias. Nas democracias de massa não há como ser diferente: a urna é a servidão dos políticos, e a racionalidade das planilhas é levada de roldão quando o sentimento popular se exprime com a súbita contundência destes dias de som e fúria.

Ela faz supor que a remoção dos R$ 0,20 talvez não equivalha à retirada do proverbial bode da sala, após o que os moradores se resignam a conviver com as mazelas de que tanto reclamavam antes de tudo ficar pior. As concentrações podem refluir por fadiga do material de que se compõem - embora poucos pareçam se dar conta do quanto são, numa palavra, divertidas para quem delas participa, principalmente se não tiver de acordar cedo no dia seguinte.

Mas há na atmosfera a forte impressão de que os protestos expuseram o nervo da demanda compartilhada pela imensa maioria das populações urbanas pela mudança no quadro de descalabro cotidiano que estão fartas de suportar.

Começando pelo detonador das passeatas: desde ontem, no Rio, e a partir de segunda-feira, em São Paulo, as tarifas voltaram ou voltarão ao que eram; mas a qualidade do transporte continuará péssima, em meio a engarrafamentos cada vez maiores e mais duradouros, o que apenas prolonga o suplício dos usuários. As manifestações, apesar do seu intolerável componente de violência - à qual o grosso dos participantes, justiça se lhe faça, se opôs -, tiveram a virtude de lançar em campo uma oportuna e inconveniente pergunta para os detentores do poder: se eles se dispõem a investir bilhões para fazer uma Copa com o "padrão Fifa", por que não adotam o mesmo critério, com a mesma urgência, para melhorar os serviços públicos?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.