A política imperial de Trump

Os Estados Unidos poderiam contribuir para a construção de um mundo mais equilibrado, mais ordenado e mais pacífico no século 21, mas o presidente Donald Trump tem buscado com persistência o objetivo oposto

O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2018 | 03h00

Maior potência econômica e militar, os Estados Unidos poderiam contribuir para a construção de um mundo mais equilibrado, mais ordenado e mais pacífico no século 21, mas o presidente Donald Trump tem buscado com persistência o objetivo oposto. Sua diplomacia tem consistido, até agora, principalmente em destruir a ordem montada a partir do fim da 2.ª Guerra Mundial. A liderança americana foi essencial, desde os anos 1940, para um ordenamento baseado em normas de segurança, em noções de direitos fundamentais e em regras multilaterais para moeda, finanças, comércio, investimento e preservação ambiental. Mas a demolição é só uma parte do roteiro seguido na Casa Branca. O objetivo real é a imposição de uma Pax Americana no pior sentido - um ordenamento baseado principalmente no poder de coação de um Estado. O conflito comercial com a China é parte dessa campanha. Cada avanço de Trump, em seu espetáculo de bravatas e de ameaças, é uma perda para a ordem global - civilizada ou em processo de civilização.

Os mercados têm reagido à escalada do conflito entre Estados Unidos e China. A insegurança gera turbulência nos mercados de ações, de câmbio e de produtos básicos. Já se estimaram perdas para a economia mundial no caso de uma guerra comercial entre as principais potências, incluída a União Europeia. No Brasil há especulação sobre vantagens para os exportadores brasileiros de soja, supostos beneficiários da imposição de barreiras pelo governo chinês ao produto americano. Mas o jogo real é mais amplo, mais complexo e mais perigoso do que se parece supor nos mercados.

Já se fala em reforma do sistema comercial para aumentar sua resistência a conflitos entre grandes participantes. Uma sugestão foi esboçada na reunião de ministros de comércio do Grupo dos 20 (G-20) realizada em setembro em Mar del Plata, na Argentina. A declaração ministerial defendeu uma discussão urgente dos “atuais eventos” - um rótulo diplomático para as brigas iniciadas por Trump - e buscar caminhos para tornar a OMC mais capaz de enfrentar desafios.

Em resposta, o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo, reconheceu as tensões crescentes e reafirmou o papel da organização como fórum para solução de problemas. Quanto a uma conversação sobre reforma, acrescentou uma advertência: será preciso evitar soluções favoráveis somente a alguns interessados. “Será preciso ouvir todos os lados.”

Em outra circunstância a afirmação poderia parecer mero ritual. Que mais poderia dizer o executivo mais importante de uma entidade como a OMC? Mas hoje a recomendação, ou exigência, de atenção aos pontos de vista e interesses de todos os lados tem uma relevância especial. Trump tem cumprido a promessa eleitoral de sobrepor a tudo os interesses americanos como ele os entende. Muitos americanos, incluídos importantes nomes da academia e dirigentes de grandes empresas, divergem da visão oficial. Mas, apesar das críticas, mantém-se a política baseada na imposição de objetivos unilaterais e no desprezo a acordos.

A União Europeia lançou para discussão um primeiro esboço de reforma do sistema comercial. Não se trata, segundo fontes do bloco europeu, de agradar aos americanos, mas de ajustar a OMC às novas condições da economia global. Um objetivo indisfarçável é reter os Estados Unidos.

Mas o governo Trump mantém sem disfarce a disposição de mandar na OMC. Por isso continua impedindo a nomeação de árbitros e dificultando o funcionamento da entidade. Além disso, o governo americano forçou a renegociação do acordo comercial com México e Canadá, abandonou o acordo do clima e retomou sanções contra o Irã. Ao fazê-lo, ameaçou empresas de outros países. Firmas europeias saíram do Irã. Depois, Air France e British Airways decidiram suspender os voos para o país, alegando perda de interesse. A briga com a China é só uma parte da ação imperial. Reformar a OMC sem enfrentar o ataque poderá ser uma rendição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.