A riqueza dos municípios

A agricultura tem assegurado resultados para a balança comercial e forte contenção da inflação

O Estado de S.Paulo

15 Setembro 2018 | 03h00

Geradora de riquezas em praticamente todos os municípios brasileiros, de Uiramutã (RR), no extremo norte do País, ao Chuí (RS), no mais longínquo ponto sul, a agricultura tem assegurado resultados confortáveis para a balança comercial, alimentos a preços acessíveis na mesa das famílias e forte contenção da inflação. A produção cresce bem mais depressa do que a expansão da área cultivada, o que vem resultando em notáveis ganhos de produtividade. No ano passado, os produtores do campo foram beneficiados por condições climáticas adequadas nas principais regiões produtoras, o que favoreceu, entre outras, as lavouras de feijão, com aumento do rendimento médio e, no fim da linha, ganhos para o consumidor final.

Estas são algumas das informações contidas na Produção Agrícola Municipal 2017 (PAM), estudo que acaba de ser concluído pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Elaborada com o objetivo de oferecer informações importantes para o planejamento público e privado, a PAM contém dados municipais sobre área plantada, área destinada à colheita, área colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor da produção de culturas temporárias e permanentes.

O estudo tem informações curiosas, como o fato de que a produção de 64 produtos agrícolas não foi registrada em apenas 14 dos 5.570 municípios. O Estado de São Paulo abriga o maior número, dez, de municípios sem atividade agrícola. Desses, nove pertencem à região metropolitana de São Paulo: Barueri, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Osasco, Ribeirão Pires, Santana de Parnaíba, Santo André e São Bernardo do Campo. O décimo é Águas de São Pedro. Dos demais, dois são de Pernambuco (Recife e Fernando de Noronha), um do Espírito Santo (Vitória) e um da Paraíba (Cabedelo).

Esses dados mostram a extensão da atividade agrícola pelo País e sua importância para a economia municipal. O milho é a cultura mais disseminada. O IBGE constatou plantios de milho em 5.107 municípios, ou 91,7% do total. A segunda cultura mais espalhada pelo País em 2017 foi a da mandioca, colhida em 4.598 municípios, seguida da cultura de feijão, encontrada em 4.390 municípios.

De todos os municípios brasileiros, o que registrou o maior valor de produção no ano passado, de R$ 3,3 bilhões, foi Sorriso (MT), graças à grande colheita de soja, cujo plantio ocupou 51,4% da área cultivada. O segundo município de maior valor de produção agrícola também é de Mato Grosso: Sapezal, cuja produção alcançou o valor de R$ 2,9 bilhões.

O Estado de São Paulo é o maior Estado produtor e foi responsável por 16,6% da produção agrícola nacional do ano passado. Em seguida vêm Mato Grosso, com 13,6%; Paraná, 11,9%; Rio Grande do Sul, 11,7%; e Minas Gerais, 9,8%.

No território paulista, a cana-de-açúcar é a principal lavoura, seguida do café arábica. Dos municípios paulistas, Itapeva foi o que alcançou o maior valor de produção agrícola (R$ 874,3 milhões), sendo a soja sua principal cultura.

No ano passado, a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas somou 238,3 milhões de toneladas, 28,2% mais do que a safra do ano anterior. Como a área colhida aumentou bem menos, 5,9%, a produtividade foi a grande responsável pela safra recorde, beneficiada por condições climáticas favoráveis do plantio à colheita. Do total, a soja representou 48,1%, seguida do milho, com 41,0%.

O crescimento da produção proporcionou o recuo dos preços dos principais produtos, razão pela qual o valor total da produção acabou sendo 0,6% menor do que o do ano anterior. Mas as safras recordes de soja e milho estimularam as exportações, o que contribuiu para a formação de um sólido superávit da balança comercial. O valor adicionado da agropecuária, de sua parte, cresceu 13,0%, bem mais do que o resultado alcançado por outros segmentos da economia brasileira. A queda de preços dos principais produtos agrícolas, especialmente os de grande consumo interno, foi um dos principais fatores para a contenção da inflação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.