A segurança do BC

O Banco Central entra em 2018 em posição mais tranquila que o resto da administração federal

O Estado de S.Paulo

03 Janeiro 2018 | 03h03

Com inflação abaixo da meta e reservas mais que suficientes para cobrir toda a dívida externa e frear especulações cambais, o Banco Central (BC) entra em 2018 em posição muito mais tranquila que todo o resto da administração federal. A instituição está preparada “para qualquer cenário”, disse o seu presidente, Ilan Goldfajn, numa entrevista à Rádio Jovem Pan na manhã de ontem. A expressão “qualquer cenário” inclui a possível piora de condições internacionais até agora benignas e, naturalmente, as tensões de um quadro eleitoral por enquanto muito obscuro. Se nenhuma surpresa desagradável ocorrer nas próximas semanas, os juros básicos serão mais uma vez cortados no começo de fevereiro, na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), formado por diretores do BC. Será mais um gesto de apoio à consolidação de uma nova fase de crescimento econômico, iniciada no primeiro trimestre de 2017, depois de dois anos de recessão. As apostas convergem para uma redução de 7% para 6,75% e para a manutenção dessa taxa até dezembro, se a alta de preços continuar moderada e houver segurança quanto à continuação dos ajustes e reformas das finanças oficiais.

Do lado cambial, a segurança é proporcionada pelo desempenho das exportações, até agora satisfatório, e pelo volume de reservas, US$ 381,1 bilhões em novembro. Do lado interno, a condição atual dos preços é um bom ponto de partida.

O presidente do BC poderá ser forçado a um ritual dificilmente imaginável no Brasil: enviar no início do ano carta ao ministro da Fazenda, explicando por que a inflação terá ficado, em 2017, abaixo de 3%, limite inferior de tolerância fixado pela política de metas. Pelas estimativas do mercado, a alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ter ficado em 2,78%.

O número final de 2017 deve ser conhecido na próxima semana. Se a inflação tiver superado 3%, ainda terá sido um resultado melhor que o previsto durante a maior parte do ano – consequência tanto da condição muito favorável da oferta de alimentos como do efeito da política monetária sobre os preços dos demais produtos.

O êxito da política monetária deu espaço a uma redução segura dos juros básicos e, portanto, a estímulos à recuperação econômica. Isso teria sido impossível se a administração da moeda fosse ainda sujeita à interferência da Presidência da República, como ocorreu entre agosto de 2011 e abril de 2013.

O esforço de implantação de uma política realista a partir daí foi insuficiente para impedir uma inflação anual superior a 10% na passagem de 2015 para 2016. A vitória efetiva contra a alta de preços dependeu de um claro compromisso com a estabilidade, a partir da substituição da equipe de governo. Pressões de políticos e empresários contra a seriedade monetária ainda ocorrem, mas sem êxito, até agora.

Persistem as apostas numa política baseada em sólidos padrões técnicos, pelo menos até o fim do atual governo. Ainda assim, projeções do mercado indicam uma alta sensível de juros a partir da posse do próximo presidente.

Para o fim de 2019 a expectativa é de uma taxa básica de 8,25%. Episódios semelhantes ocorreram em outras mudanças de governo – em algumas ocasiões como simples demonstração de bons propósitos dos novos dirigentes do BC. Se a autoridade monetária tivesse autonomia operacional definida em lei e a segurança proporcionada por um prudente sistema de mandatos, o mercado poderia funcionar num ambiente mais seguro e de maior previsibilidade.

Quanto à contribuição dos preços dos alimentos, deverá ser menor em 2018, mas a safra de grãos, embora menor que a anterior, ainda será, provavelmente, a segunda maior da história. A eficiência da agricultura brasileira reflete a modernização possível quando se reduzem as interferências desastrosas e se abre espaço para a busca de competitividade. Nem os governos petistas, apesar de algumas iniciativas perigosas, conseguiram repetir a ação devastadora de um de seus modelos, a administração bolivariana da Venezuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.