A Serra da Mantiqueira pede socorro

Depois de cruzar o Rio Paraíba, na região de Cachoeira Paulista, em 21 de março de 1822, o grande naturalista Auguste de Saint-Hilaire, em sua segunda visita à Província de São Paulo, escreveu: "Quando se atravessa o rio avista-se, ao longe, a Serra da Mantiqueira, cortada por imensas florestas, e a gente não pode cansar-se de contemplar uma paisagem que tem, ao mesmo tempo, algo de risonho e majestoso".

ICARO ARONOVICH DA CUNHA, O Estado de S.Paulo

20 Novembro 2013 | 02h10

Atualmente, o que resta dessa paisagem está restrito a pequenos fragmentos de floresta e de campos de altitude situados nos pontos mais elevados dessa serra. O café e a incúria destruíram áreas de grande relevância ambiental, muitas delas estabilizadoras de encostas e fundamentais para a proteção das nascentes de água. A grande maioria detentora de espécies de plantas e animais de inestimável valor para a ciência e a economia.

O mais importante trabalho científico para a proteção da biodiversidade de São Paulo, o projeto Biota, desenvolvido pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), em cooperação com o governo do Estado, indicou a necessidade de proteção de um corredor ecológico na Serra da Mantiqueira como ação prioritária para a conservação de espécies ameaçadas.

Aí estão raros remanescentes de florestas de araucária, campos de altitude e vegetação rupestre criticamente ameaçados e em acelerado processo de destruição. Aí estão também os simpáticos, importantes e ameaçados macacos muriquis. O maior das Américas, o muriqui é símbolo da conservação da natureza no Brasil. Aí vivem ainda outras espécies de primatas de relevância ambiental e se podem contabilizar decrescentes populações de felinos e outros bichos. Muitas das espécies de plantas e de fauna dos campos de altitude são endêmicas e só existem nesse local. Muitos desses campos de altitude estão sendo destruídos e transformados em pastagens com capins estrangeiros agressivos.

Corredores ecológicos são a forma mais segura de alcançar a proteção da biodiversidade, mormente em climas tropicais onde a vida, se permitirmos, desabrocha espontânea e impetuosa. Espécies de aves, insetos e outros animais praticam a transumância natural na Serra da Mantiqueira, migração periódica entre as partes baixas e altas, conforme as variações do clima dos invernos para os verões. O corte desregrado das matas dessa serra já afetou de forma irreversível esse processo na maior parte da conexão entre as partes baixas e altas em seu território.

Já temos, no Brasil e no Estado de São Paulo, alguns corredores ecológicos de importância primordial. A proteção da Serra do Mar por parques, reservas e o bem-sucedido tombamento da totalidade de seus remanescentes naturais, promovido pelo governador Franco Montoro, e uma Reserva da Biosfera reconhecida pela Unesco como projeto exemplar são cruciais para a defesa dessa que é a mata tropical mais ameaçada do mundo. Por que até hoje não temos o corredor de proteção da Serra da Mantiqueira?

É incompreensível! São os últimos fragmentos da vilipendiada Mata Atlântica que ainda não receberam a devida atenção das autoridades.

A Serra da Mantiqueira está também intimamente ligada à saga do bandeirismo. Foi a transposição da Mantiqueira pelos paulistas que revelou o ouro das Minas Gerais. O Brasil passou a existir como nação após a ampliação de sua importância econômica, que se deu como um salto depois dessa descoberta, resultado da ultrapassagem da serra.

Ali está o túnel da Garganta do Embaú, onde se travou batalha histórica durante a Revolução Constitucionalista de São Paulo, em 1932.

A Serra da Mantiqueira é uma das mais belas paisagens do Brasil. Abriga o Pico da Mina, o ponto mais alto de todo o Estado de São Paulo. É um monumento geológico de significado planetário, a parte mais elevada dos remanescentes físicos da separação da África da América do Sul. Ali estão também, entre muitos outros, o Pico do Itaguaré, a Serra dos Marins, a Pedra do Baú a requerer atenção e proteção.

A Mantiqueira é um dos locais mais apropriados para o desenvolvimento do ecoturismo, em harmonia com a proteção da natureza de todo o País. Abriga populações tradicionais com costumes e cultura que remontam às origens de São Paulo. Cada dia mais raras, danças, rezas, doces, cozidos, rapaduras, folias, crenças ainda persistem em suas encostas e seus grotões. Nosso passado cultural pode ser visualizado nesses grupos, que hoje são expulsos pela especulação imobiliária e se dispersam na periferia das cidades vizinhas.

Da Mantiqueira escorrem as fontes que alimentam o "Reino das Águas Claras" de Monteiro Lobato. A água da Mantiqueira é fundamental para o Vale do Paraíba e para a cidade do Rio de Janeiro, e suas nascentes estão sendo destruídas e secando.

As notícias que chegam de todos os quadrantes são as mais desanimadoras. O processo de criação de um parque nacional engavetado pelo Instituto Chico Mendes, estudos de proteção estadual paralisados, enquanto a destruição prospera.

A conservação da natureza no Brasil chega ao seu ponto mais crítico, enquanto governam pessoas que se apresentaram como os representantes mais aguerridos da defesa do meio ambiente.

O clamor que tomou as ruas do Brasil no último outono teve alvos variados e o tom comum de um basta à inércia com que os esquemas decisórios tratam os assuntos que realmente interessam aos brasileiros. As pessoas em posições-chave precisam acordar para as suas responsabilidades diante da (des)governança territorial.

PESQUISADOR, FOI SECRETÁRIO ADJUNTO DE MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.