A viagem de Temer

O presidente Michel Temer embarca na madrugada de amanhã para a Índia, de onde, na semana que vem, viajará para o Japão

O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2016 | 03h04

Em nova iniciativa para mostrar à comunidade internacional que, com sua posse definitiva no cargo, o Brasil volta a trilhar o caminho da normalidade política e, sobretudo, começa a colocar a economia em ordem para habilitar-se a receber os investimentos de que necessita, o presidente Michel Temer embarca na madrugada de amanhã para a Índia, de onde, na semana que vem, viajará para o Japão. Diferem em objetivo e provavelmente terão impacto econômico diverso as passagens de Temer pelos dois países. Em ambos, porém, o presidente deixará a mensagem de que a recuperação da economia do País passa necessariamente por mais investimentos e mais comércio, como destacou o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola, ao detalhar a agenda de Temer na Ásia.

No período que antecedeu a aprovação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e nas semanas que se seguiram à decisão do Senado, grupos restritos de ativistas pró-Dilma, alguns com apoio de personalidades do mundo artístico, realizaram manifestações em diversos países, nas quais gritavam “Fora Temer” e “impeachment é golpe”. A despeito do notório embuste implícito nessas palavras de ordem, dado o caráter rigorosamente constitucional de todo o processo de impeachment, essas manifestações obtiveram tratamento no mínimo condescendente de parte da imprensa internacional, o que trazia o risco de enodoar uma decisão legítima do Congresso, com o apoio da imensa maioria da população.

A atuação do Itamaraty e da representação diplomática do Brasil nos países onde ocorriam essas manifestações reduziu seu impacto, que, ademais, tenderia a se esvaziar com o correr o tempo. Temer, de sua parte, tem participado de eventos internacionais, nos quais vem mostrando a nova realidade brasileira. O presidente participou da reunião do G-20 na China, onde se encontrou com o presidente Xi Jinping, abriu a Assembleia-Geral da ONU e esteve na Argentina e no Paraguai para encontros com os presidentes Mauricio Macri e Horacio Cartes.

A estada de Temer na Índia será marcada pela reunião de cúpula dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), na cidade de Goa, onde se reunirá com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi. Está previsto também um encontro de Temer com empresários do país.

Já a viagem ao Japão, onde o presidente brasileiro desembarcará na próxima terça-feira, tem significados relevantes nos campos do relacionamento entre os povos dos dois países, da diplomacia e das relações comerciais e empresariais.

O Brasil foi o país que mais recebeu imigrantes japoneses ao longo do século passado e é, por consequência, o que abriga o maior número de japoneses e seus descendentes fora do Japão. O centenário da imigração japonesa no Brasil, em 2008, foi comemorado de maneira marcante para os imigrantes e seus descendentes, mas também para não descendentes, em razão das influências culturais recíprocas entre a comunidade brasileira e os nikkeis, como são chamadas as pessoas de origem japonesa. A presença de membros da família imperial japonesa nos principais eventos relativos à imigração japonesa no Brasil é o reconhecimento mais evidente da importância que o Japão dá a esses acontecimentos.

No campo diplomático, a visita oficial de Temer – a primeira de um presidente brasileiro nos últimos 11 anos – tem um certo caráter de desculpa pelo inesperado cancelamento da visita da ex-presidente Dilma Rousseff marcada para novembro do ano passado. Por ter sido longamente preparada, a viagem era aguardada com interesse por dirigentes políticos e empresariais do Japão. O cancelamento causou certo desconforto diplomático.

No campo econômico e comercial, o relacionamento entre os dois países é intenso, mas ainda considerado abaixo do potencial que pode alcançar. A visita de Temer, que inclui encontro com o imperador Akihito, o primeiro-ministro Shinzo Abe e dirigentes empresariais, é mais uma oportunidade para fortalecer e incrementar esse relacionamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.