Acabar com a revista vexatória nas prisões?

Familiares de presidiários e outras pessoas que os visitam - mulheres, homens, crianças, idosos e gestantes - são obrigados a tirar a roupa e, com frequência, a se agachar sobre um espelho para serem revistados antes do acesso ao interior da prisão para a visita. Também são revistados os órgãos genitais diante de agentes penitenciários e de outros visitantes. Nem sempre se respeitam o natural pudor, a dignidade da pessoa e os cuidados da saúde. Não faltam relatos de agressões verbais a visitantes na hora da revista.

DOM ODILO P. SCHERER, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2014 | 02h02

Com essa prática se pretende impedir a entrada nas prisões de drogas, armas e celulares. Os visitantes são tratados como suspeitos e isso, por si só, já representa uma humilhação discriminatória e uma violação à sua dignidade. A administração penitenciária autoriza essa revista.

É inegável que o Estado, por intermédio de seus agentes, tem o direito e o dever de controlar a segurança nas prisões. Mas será mesmo necessário fazer a revista íntima degradante e lesiva à dignidade da pessoa, aumentando o sofrimento de quem já carrega um fardo pesado de humilhações e privações por causa de um familiar preso?

Alega-se que a revista é necessária para evitar o descontrole e o caos nas prisões. O argumento, porém, não convence. Um levantamento realizado pela Rede Justiça Criminal mostrou que a apreensão de coisas proibidas com visitantes é quatro vezes menor que a quantidade de drogas, celulares e armas encontrada com os presos. Esses "objetos proibidos" são ali introduzidos de outras formas. No Estado de São Paulo, tais objetos são encontrados em apenas 0,03% dos casos, ou seja, três objetos ilícitos a cada 10 mil procedimentos de revista.

Além disso, existem outras formas de controle, menos invasivas e degradantes, usadas em aeroportos e outros locais. Uma resolução do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, de 12 de julho de 2006, recomendou a utilização de equipamentos eletrônicos para a revista em presídios e a preservação da honra e da dignidade da pessoa durante os processos manuais de revista.

A Constituição federal, já em seu artigo 1.º, reconhece o princípio da dignidade da pessoa humana. E o artigo 5.º, que trata dos direitos e garantias fundamentais, prescreve que ninguém seja submetido a tratamento desumano ou degradante e que a intimidade é inviolável. O mesmo artigo também assegura que a pena não deve passar da pessoa do condenado e, portanto, não pode ser estendida aos visitantes do presidiário.

A revista vexatória é feita até em crianças pequenas. Em outros contextos, isso seria caracterizado, no mínimo, como "atentado violento ao pudor"! O artigo 18 do Estatuto da Criança e do Adolescente prevê que a criança e o adolescente não devem ser submetidos a tratamento constrangedor ou vexatório.

Essa prática degradante seria uma forma de constranger o visitante e de afastá-lo dos seus parentes ou amigos presos? O artigo 41 da Lei de Execuções Penais assegura que a visita de companheiros, parentes e amigos é um direito do preso.

Em 1989 o Brasil ratificou a Convenção da Organização das Nações Unidas (ONU) contra a tortura e outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes; isso obriga o País a seguir as recomendações internacionais a respeito do tema. Para o relator especial da ONU sobre tortura, as revistas íntimas são caracterizáveis como práticas humilhantes e degradantes, ou até como agressão sexual e tortura, quando feitas com uso de violência.

Em seu relatório de 2012 sobre o Brasil, o Subcomitê de Prevenção à Tortura, da ONU, recomendou que as revistas intrusivas vaginais ou anais sejam proibidas por lei. Em 1996 a Comissão Interamericana de Direitos Humanos condenou a Argentina no caso de uma revista vexatória sofrida por uma mulher e sua filha adolescente de 13 anos. Vários países, como a Colômbia e os Estados Unidos, já proibiram a revista íntima.

Experiências em prisões dos Estados de Goiás e Espírito Santo e na cidade de Joinville (SC), onde esse procedimento foi abolido, mostram que não houve distúrbios em decorrência do fim da revista. Em outros Estados, como Paraíba, Pernambuco e Amazonas, a revista foi abolida parcialmente. No dia 12 de agosto o governador de São Paulo sancionou a Lei Estadual 15.552, pela qual fica proibida a revista vexatória nos presídios do Estado. A partir dessa data, a estrutura penitenciária tem 180 dias para adquirir e instalar equipamentos para substituir a prática da revista íntima manual, feita por funcionários das unidades prisionais.

Estaria na hora de o Brasil todo acabar com essa prática degradante, sem com isso relaxar a segurança nos presídios. Existem diversas alternativas à revista íntima manual, como detectores de metais, scanners corporais e aparelhos de raios X, que podem ser usados no respeito aos limites de exposição à radiação.

No Congresso Nacional tramita um projeto de lei (PLS 480/2013), que prevê o fim da revista íntima nas unidades prisionais brasileiras. O texto foi elaborado de forma conjunta pelo governo federal, por agentes penitenciários, familiares de presos, secretários de Segurança Pública e entidades da sociedade civil. Os governos estaduais também podem legislar sobre essa prática, abolindo-a.

Denúncias sobre abusos na revista íntima devem ser feitas à Defensoria Pública ou ao Ministério Público dos Estados. Em São Paulo, a Defensoria até criou uma cartilha para orientar os visitantes sobre como realizar essa denúncia. A Pastoral Carcerária Nacional, ligada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em parceria com a Rede Justiça Criminal, está em campanha nacional pela proibição da revista íntima em presídios, para cobrar do Congresso Nacional a aprovação do PLS 480/2013 (www.fimdarevistavexatoria.org.br).

CARDEAL-ARCEBISPO

DE SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.