Adversários de si mesmos

Para Dilma Rousseff não há situação política ruim que não possa ser piorada. No auge da crise - que também é uma crise de relacionamento do governo com seu maior aliado, o PMDB -, líderes do partido nas duas Casas do Congresso foram chamados ao Palácio do Planalto para tratar da tramitação das medidas de ajuste fiscal. Mas a presidente Dilma cometeu, mais do que a indelicadeza, a imprudência de não convidar para os encontros o vice-presidente, Michel Temer, principal líder nacional do PMDB. O agravo repercutiu fortemente nos círculos peemedebistas. Na tentativa de consertar a trapalhada, Dilma convocou Temer às pressas, para uma conversa de 20 minutos.

O Estado de S.Paulo

06 Março 2015 | 02h05

Diante de uma crise política que tem custado sucessivas derrotas ao governo no Senado e na Câmara, há poucos dias o Palácio do Planalto anunciou que o núcleo central de decisões políticas estratégicas do governo seria reformulado para incluir o vice-presidente da República. Mas, por razões que a própria razão desconhece, na primeira oportunidade de dar efeito prático à novidade, Michel Temer não foi lembrado ou sua presença naqueles encontros foi considerada desnecessária.

Pode-se argumentar - e provavelmente isso foi feito na ocasião - que a ausência de Temer se justificava pelo fato de se tratar de reuniões com "público externo", para esclarecimentos e troca de informações, e ao novo núcleo político central, pela natureza de suas funções, caberia reunir-se apenas para efeito "interno". Mas as repercussões da trapalhada revelam que, mais uma vez, a presidente pisou feio na bola ao tratar o presidente do PMDB da forma habitual: com polida indiferença.

A responsabilidade pela crescente dificuldade de o governo e sua base aliada se entenderem, porém, não pode ser debitada exclusivamente à inapetência política e à visceral incapacidade de Dilma Rousseff de fazer política, ou seja, de negociar e buscar consensos.

O presidencialismo de coalizão à moda lulopetista funcionou enquanto tinha à frente um político carismático, pragmático e persuasivo, lastreado por enorme apoio popular. Dilma não é nada disso. E o vazio político que, por desinteresse e incompetência, ela permitiu que se criasse, foi ocupado pela nomenklatura petista, que sempre teve metas muito precisas: no plano político, focar exclusivamente o seu projeto de poder; no âmbito interpartidário, manter em segundo plano os interesses dos aliados, quando não fosse possível simplesmente ignorá-los.

Essa visão peculiar de aliança ou parceria se deve à insopitável soberba petista que, seja por razões ideológicas, como é o caso de Dilma, seja por puro fisiologismo da companheirada apegada ao desfrute das benesses do poder, entende que todos os demais partidos políticos, por não serem, como o PT, ungidos pelo dom e pela missão divina de salvar a Pátria, devem conformar-se com o papel de meros coadjuvantes e satisfazerem-se com aquilo a que fazem jus por sua condição inferior.

Para os petistas, aliados são subalternos. E Dilma colocou-os em seu devido lugar nas reuniões de quarta-feira. Primeiro, impondo-lhes, com a habitual contundência, os argumentos pelos quais devem apoiar as medidas governamentais; depois, revelando a impaciência de sempre com os questionamentos; finalmente, cobrando, duramente, fidelidade na votação das matérias de interesse do governo porque, afinal, todos ali eram representantes de partidos aquinhoados com cargos importantes na administração federal. Ou seja: tomou lá dê cá.

Como se senadores e deputados já não tivessem motivos suficientes para não gostar dos métodos de Dilma, o ministro da Educação, Cid Gomes, inspirou-se em um Lula pré-histórico para declarar que há em Brasília "uns 400, 300 deputados" que querem "é que o governo esteja frágil porque é a forma de eles achacarem mais". Conseguiu ser convocado - obrigado, portanto, a comparecer -, pelo voto de 280 deputados, a explicar-se na Câmara. E ainda teve um projeto de interesse da sua pasta retirado da pauta de votação.

Com Dilma Rousseff como chefe e um ministro como esse, o governo, definitivamente, não precisa de adversários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.