Agora não tem marketing

Livre do marketing eleitoral e, portanto, desobrigada da necessidade de dizer e fazer apenas aquilo que dá voto, Dilma Rousseff defronta-se agora com a responsabilidade de governar o País por mais quatro anos. É desafio um pouco mais difícil do que tudo o que já enfrentou, considerando a herança maldita que ela legou a si mesma. E como nem tudo o que foi prometido na campanha eleitoral é, já se viu, para valer, às vésperas da posse no segundo mandato uma das coisas aparentemente claras na cabeça de Dilma é que ela parece disposta a, finalmente, assumir um governo que possa chamar de seu. O que ainda não se sabe é se isso será bom ou ruim para o Brasil.

O Estado de S.Paulo

31 Dezembro 2014 | 02h03

O que se observa, por conta da composição no novo Ministério, é que, ao escalar a equipe "da casa" - os ministros com gabinete no Palácio do Planalto e, por essa razão, mais próximos da intimidade da presidente -, Dilma se esmerou em eliminar todos os vestígios da presença de Lula em seus calcanhares. Com isso deu uma guinada à esquerda dentro da seara petista, acabando com a influência, dentro do Planalto, da tendência majoritária e lulista do partido, a Construindo um Novo Brasil (CNB). Optou por escalar dois representantes de uma facção partidária mais à esquerda, a Democracia Socialista (DS): Miguel Rossetto e Pepe Vargas, respectivamente para a Secretaria-Geral e a pasta das Relações Institucionais. Permanece no Palácio Aloizio Mercadante, o chefe da Casa Civil, membro da CNB, mas desafeto de Lula.

Por outro lado, a escalação do trio que comandará Fazenda, Planejamento e Banco Central, até onde se sabe, foi resultado de entendimento entre Dilma e seu criador, atendendo a ponderações óbvias sobre a necessidade de promover um controle fiscal que ajude a reconquistar a confiança do mercado e dos investidores no governo, de modo a permitir a retomada do crescimento da economia. Resta saber o nível de autonomia que Dilma concederá ao trio, já que a imposição de uma política de rigor fiscal é incompatível com a prática predominante do seu primeiro mandato.

Quanto à composição do novo Ministério em geral, o resultado é tão medíocre quanto o critério que a orientou. Fiel ao "presidencialismo de coalizão" a que se submeteu sob a alegada necessidade de garantir a "governabilidade", Dilma esforçou-se, nem sempre com sucesso, em satisfazer as demandas da "base aliada", principalmente de seu próprio partido e do insaciável PMDB, além da raia miúda sempre ávida em garantir seu quinhão. Como resultado, ninguém está satisfeito, provavelmente nem ela própria.

Ainda na área política, Dilma já vai inaugurar o novo mandato com dois enormes abacaxis a descascar: o escândalo da Petrobrás e a clara intenção de Lula de exercer permanente pressão sobre ela, a partir do princípio de que, se não vai por bem, vai por mal. De fato, não seria de esperar que Lula aceitasse passivamente a redução de sua influência no governo. Por isso, sabendo contar com a maioria dos quadros dirigentes e da militância do PT, retomou com maior ênfase seu habitual discurso populista e procura se aproximar de movimentos sociais alinhados com a esquerda, na intenção de comandar a pressão sobre Dilma "a partir das ruas". Afinal, 2018 vem aí.

Enquanto isso, Dilma continua fazendo o que pode para dar conta do recado das urnas. O que tem significado, paradoxalmente, para usar uma expressão elegante, renegar por palavras e atos pontos fundamentais de seu discurso eleitoral. A mais recente proeza foi anunciar cortes de R$ 18 bilhões/ano no pagamento de cinco benefícios trabalhistas: abono salarial, seguro-desemprego, seguro-defeso, pensão por morte e auxílio-doença.

A nomeação do "banqueiro" Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda já contradisse todo o discurso com que Dilma atacou a intenção revelada por Aécio Neves durante a campanha eleitoral de nomear Armínio Fraga para o mesmíssimo cargo. Agora o governo petista, ao anunciar cortes de benefícios sociais para "corrigir distorções", pratica a mesma "ignomínia" de que a oposição era acusada pela propaganda petista: tentar resolver os problemas do País reduzindo os recursos da área social, ou seja, fazendo "a comida desaparecer da mesa do trabalhador". Agora pode.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.