Ainda o suspense americano

No último instante o mundo escapou mais uma vez de um calote do maior devedor do mundo, o Tesouro americano, e o temor de um desastre foi atenuado por algum tempo - até o primeiro bimestre do próximo ano, se nenhum novo acordo for alcançado antes disso por democratas e republicanos. Uma conta de US$ 16,7 trilhões teria tido destino incerto, se a Casa Branca e a oposição tivessem sido incapazes de um entendimento até a noite da última quarta-feira. Terminaria no dia seguinte o prazo para uma nova elevação do teto da dívida.

O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2013 | 03h10

Além de entrar em moratória, o governo dos Estados Unidos, fechado parcialmente desde o começo do mês, por falta de orçamento, seria forçado a um corte de gasto desastroso para o país e para a maior parte de seus parceiros.

Mas a trégua apenas abre um intervalo para uma negociação mais ambiciosa e de longo alcance. Sem orçamento definitivo, a administração poderá gastar normalmente até 15 de janeiro. Em 7 de fevereiro será preciso rever o limite da dívida.

Mantida a incerteza, um dos principais estimulantes da economia americana, a injeção mensal de enormes volumes de dinheiro nos mercados, poderá perder eficácia, advertiu Richard Fisher, presidente do Federal Reserve (Fed) de Dallas, um dos braços do banco central.

O Fed pode fornecer o combustível, disse ele, mas é incapaz de "mexer nos motores do emprego", se faltar uma clara definição da política fiscal e os empresários ficarem no escuro.

Desta vez, pelo menos alguns líderes republicanos parecem dispostos a algum esforço para evitar uma nova queda de braço à beira do abismo. O prestígio do partido e de vários de seus líderes foi danificado seriamente pelo impasse das últimas semanas, segundo mostraram pesquisas divulgadas diariamente. As perdas para o presidente Barack Obama e seu partido foram bem menores.

Além disso, dois negociadores, a senadora democrata Patty Murray e o deputado republicano Paul Ryan, começaram a trabalhar para produzir um acordo sobre o orçamento até o meio de dezembro. Nada garante seu sucesso, exceto, talvez, o temor de um desastre político muito custoso.

O impasse de outubro custou US$ 24 bilhões à economia americana, segundo estimativa da Standard & Poor's. É um valor considerável, mas os dados potenciais de um desacordo mais prolongado seriam imensamente maiores para os Estados Unidos e para o mundo. A economia dos Estados Unidos vinha crescendo com firmeza, apesar da velocidade ainda moderada, e mais empregos vinham-se acumulando a cada mês.

Esse dinamismo foi uma das melhores novidades para os mercados globais em 2013. Embora a zona do euro tenha começado a vencer a recessão, a recuperação dos países da área ainda será muito lenta pelo menos por mais um ou dois anos. Enquanto isso, a maior economia do mundo continuaria retomando seu papel de grande motor da atividade global - novidade especialmente importante diante da esperada perda de impulso da China e de outros emergentes.

A economia chinesa continua no pelotão da frente e exibiu crescimento anual de 7,8% no terceiro trimestre, mas a tendência, segundo analistas, é de acomodação no fim deste ano e ao longo do próximo.

Se tudo correr bem nas novas negociações de Washington, o mundo ainda será forçado a acompanhar com muita atenção os desdobramentos da política econômica nos Estados Unidos. Com a consolidação do crescimento, o Federal Reserve poderá finalmente abandonar, de forma gradual, a injeção mensal de até US$ 85 bilhões nos mercados para estimular o crédito, os negócios e a criação de empregos. Nesse caso, todos serão forçados a se adaptar às condições de um mercado financeiro global mais apertado, com juros mais altos e critérios mais duros de aplicação de recursos.

Essa mudança deveria ser mais um estímulo para o governo brasileiro se preocupar com a saúde das finanças públicas e com o poder de competição dos produtores nacionais - item essencial para a restauração das enfraquecidas contas externas. Talvez se cuide disso em Brasília, se as eleições permitirem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.