Altos e baixos no mercado de mão de obra

O balanço do mercado de mão de obra no segundo trimestre de 2018 mostra que a recuperação do emprego é lenta, desigual e beneficia os trabalhadores mais instruídos

O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2018 | 04h00

Estão em curso mudanças qualitativas no mercado de mão de obra e nem todas as tendências são negativas, como evidencia a publicação Mercado de Trabalho do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Se a deterioração do emprego na indústria e no comércio e o alto desemprego entre os mais jovens são fatores de apreensão, a elevação real da remuneração dos que se mantiveram ocupados e a maior demanda de trabalhadores idosos e experientes são pontos positivos e não devem ser ignorados.

Segundo os especialistas do Ipea, “o subgrupo dos trabalhadores mais idosos continua sendo o que registra as maiores taxas de crescimento da ocupação”. Entre o segundo trimestre de 2017 e igual período de 2018, a população ocupada com mais de 60 anos de idade aumentou 7,8%, o que só não atenuou os níveis gerais de desemprego dada a elevação da População Economicamente Ativa (PEA).

Os rendimentos médios reais vêm se mantendo ao longo do ano, “indicando que os efeitos da crise sobre o mercado de trabalho foram mais fortes sobre a ocupação do que sobre a renda”. Além disso, o emprego na construção civil, que é grande contratante de mão de obra, “começa a dar sinais de recuperação”.

Já se sabia que a queda da desocupação se deveu à retração da força de trabalho. Mas essa retração “pode estar relacionada ao incremento do desalento”. Entre os primeiros semestres de 2016 e de 2017, cresceu de 14% para 22% o porcentual de trabalhadores desalentados, segundo o Ipea. O desalento é maior entre os jovens, os pouco escolarizados, os residentes na Região Nordeste e as mulheres. No Nordeste estão 60% dos desalentados do País. Mais pessoas desistiram de procurar emprego, embora quisessem se empregar.

Outros dados negativos são a alta da parcela de desempregados cujo tempo de procura por emprego é superior a dois anos e o crescimento do emprego informal, já observado em outras pesquisas oficiais.

De forma geral, o balanço do mercado de mão de obra no segundo trimestre de 2018 mostra que a recuperação do emprego é lenta, desigual e beneficia os trabalhadores mais instruídos – e o Ipea considera que esta mudança é estrutural. É mais uma evidência do peso que o futuro governo precisará dar à escolaridade, reduzindo, por exemplo, os índices de analfabetismo funcional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.