As mudanças do Enem

Depois de mudar os critérios de correção da redação do próximo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que será realizado nos dias 3 e 4 de novembro, o Ministério da Educação (MEC) lançou um guia destinado a orientar os alunos para essa prova. Com 48 páginas, o guia foi preparado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e será distribuído em agosto e setembro aos alunos e professores de escolas públicas. Pelas estimativas do MEC, o número de candidatos inscritos do Enem de 2012 ficará entre 5,8 milhões e 6,1 milhões. Em 2011, foram 5,4 milhões de candidatos.

O Estado de S.Paulo

06 Agosto 2012 | 03h08

Os critérios de correção foram mudados por causa das reclamações dos estudantes que participaram das três últimas edições do Enem - todas elas marcadas por vazamento de provas e graves falhas de organização. Além de questionar as perguntas, muitas das quais foram consideradas mais políticas do que técnicas, muitos estudantes exigiram justificativas circunstanciadas para as notas que obtiveram em redação e pediram cópia das anotações feitas pelos examinadores. Alguns reivindicaram na Justiça a revisão das notas.

Temendo que uma enxurrada de ações judiciais comprometesse a edição de 2012 do Enem, o ministro Aloizio Mercadante, que assumiu o MEC em janeiro, firmou um acordo com o Ministério Público Federal, assegurando aos estudantes acesso às redações corrigidas "apenas para fins pedagógicos" - portanto, sem direito à revisão das notas. Também prometeu adotar maior rigor na correção das provas e maior transparência na escolha dos temas de redação. Em 2011, por exemplo, os estudantes tiveram de discorrer sobre os limites entre o público e o privado.

Ao anunciar os novos critérios de correção da redação, em maio, Mercadante afirmou que eles visavam a aumentar a objetividade da prova, propiciando maior segurança para os estudantes e para os examinadores. "Redação tem sempre subjetividade e precisávamos de segurança no processo de correção. O filtro é mais rigoroso e agora é público. Corretores e alunos sabem antecipadamente os parâmetros", afirmou.

Pelas novas regras, a nota da prova, que vai de zero a 1.000, será atribuída por dois examinadores. Se a diferença entre as notas for acima de 200 pontos, será chamado um terceiro examinador. E se mesmo assim a diferença persistir, a correção será feita por uma banca integrada por três membros. Na última versão do Enem, o terceiro examinador só era convocado quando a diferença das notas era superior a 300 pontos. O terceiro examinador também atuava como árbitro - ou seja, ele era a instância final da correção, não havendo a possibilidade de avaliação por uma banca, caso a diferença de pontos se mantivesse.

Já o guia lançado pelo Inep informa aos estudantes que a redação é um texto dissertativo e argumentativo, por meio do qual eles têm de demonstrar capacidade de compreender o tema proposto, fazer o encadeamento lógico de ideias e selecionar, relacionar e interpretar informações, fatos e argumentos em defesa de um ponto de vista. O guia também informa que uma das competências avaliadas pelos examinadores é o domínio da norma culta da língua escrita e apresenta redações que tiveram nota máxima, comentadas pelos técnicos do Inep.

As mudanças nos critérios de correção e o guia para a elaboração das provas do Enem de 2012 foram bem recebidos por especialistas em educação e professores de cursinho. "A orientação detalhada é importante porque, em geral, os estudantes têm dificuldades para entender os nomes abstratos de conceitos como coerência, coesão e progressão textual", diz o supervisor de gramática e redação do Anglo Vestibulares, Francisco Platão Savioli. Ele também afirma que as redações comentadas oferecem exemplos importantes e ajudam os estudantes a compreender as questões concretas inerentes ao tema proposto, "esclarecendo o que se pede". Por seu lado, o presidente do Inep, Luiz Cláudio Costa, esclareceu que as redações não serão avaliadas por critérios ideológicos. Resta esperar que os novos critérios sejam efetivamente respeitados pelos examinadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.