As previsões do FMI

O maior desafio para os convidados do Fórum Econômico Mundial este ano foi respeitar o tema proposto para a reunião - Dinamismo resistente - e ao mesmo tempo discutir os entraves ao crescimento global, ainda modesto e inseguro. O desempenho da diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, foi respeitável. "Graças a ações políticas desenvolvidas no último ano, vimos alguma melhora e alguma estabilização nas condições financeiras", disse ela no começo de sua exposição. Essas palavras foram a preparação para a mensagem seguinte, a mais importante por seu significado imediato. "Mas nem tudo é boa notícia. A recuperação é ainda fraca, e a incerteza, ainda alta." Horas antes, o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard, havia comentado, em Washington, as novas estimativas para 2013 e as projeções atualizadas para este ano e o próximo. Pelos novos cálculos, a economia global deve crescer 3,5% em 2013, pouco mais que em 2012 (3,2%), mas pouco menos que o projetado em outubro (3,6%). A previsão para o próximo ano foi reduzida de 4,2% para 4,1%.

O Estado de S.Paulo

25 Janeiro 2013 | 02h10

A revisão dos números do FMI combina, de modo geral, com as projeções de outras instituições multilaterais. A China volta a ganhar impulso, os emergentes continuarão liderando a expansão, o crescimento dos EUA tende a firmar-se, a União Europeia terá em 2013 e 2014 resultados inferiores aos projetados anteriormente e a expansão japonesa será mais vigorosa neste ano do que no próximo. Alguns dados positivos aparecem nas várias análises, com destaque para a reativação americana e os avanços institucionais na zona do euro.

Mas há poucos motivos para otimismo. As projeções do comércio internacional tornam o quadro mais feio. O volume deve aumentar 3,8% neste ano e 5,5% no próximo. As previsões anteriores eram melhores. Sem petróleo, os preços das commodities devem cair 0,3% em cada um dos dois anos.

São perspectivas ruins para o comércio exterior brasileiro, mas animadoras para as autoridades monetárias. Elas vinculam a forte pressão inflacionária nos últimos dois anos principalmente ao mercado internacional de produtos agrícolas. Essa tese pode ser conveniente para o governo, mas a explicação seria mais convincente se incluísse fatores como emprego, salários, crédito e gasto federal. Com essas variáveis, seria mais fácil dar conta da ampla difusão dos aumentos de preços ao consumidor.

Ao detalhar as perspectivas de curto e de longo prazos, Lagarde combinou dados positivos e negativos, contornando o risco de contestar o mote geral da reunião. Do lado animador, ela mencionou a redução de pressões imediatas, como a insegurança nos mercados financeiros e o avanço em algumas tarefas, como a centralização da política bancária na zona do euro e a superação transitória do impasse fiscal americano.

Evitou-se o colapso, mas falta evitar a recaída. Por isso 2013 será, segundo Lagarde, um ano decisivo. Falta implementar os mecanismos da união bancária europeia, tornar operacionais os mecanismos financeiros anticrise, continuar o ajuste das contas públicas, sustentar a demanda com estímulos monetários e evitar, nos EUA, um novo confronto sobre o teto da dívida pública. Também falta apressar a execução de reformas ambiciosas, como a do sistema financeiro, ainda inseguro cinco anos depois do estouro da bolha financeira. Também falta, para efeitos mais duradouros, promover valores como a maior abertura (isso inclui a integração econômica internacional), a mais ampla inclusão social, a maior transparência dos governos e do setor privado. Esses valores são típicos, segundo a diretora do FMI, da nova geração - uma opinião talvez muito otimista.

As condições dos países emergentes e em desenvolvimento são muito diversas, de acordo com Lagarde, mas pode-se fazer pelo menos uma recomendação geral: recompor o espaço de política econômica usado na crise. Essa sugestão vale certamente para o Brasil, mas o governo parece disposto a insistir nos incentivos ao consumo concedidos a partir de 2008 - com resultados abaixo de medíocres em 2011 e 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.