As regras do pré-sal

Com atraso de quase um ano, foram definidas as regras básicas para a exploração de petróleo na camada do pré-sal. Será adotado um regime misto de partilha e concessões e criados uma nova estatal e um fundo para administrar os recursos gerados, conforme anunciou, na última segunda-feira, o ministro de Minas e Energia (MME), Edison Lobão, depois de um encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.O regime de partilha é pouco atraente para os investidores privados e o anúncio do ministro Lobão não esclarece pontos importantes do sistema de exploração do pré-sal. Assim, não foram dissipadas as dúvidas que há um ano pairam sobre a questão.Hoje, o modelo é o de concessão, baseado em leilões da Agência Nacional do Petróleo (ANP), seguidos da assinatura de contratos entre os vencedores e a União. Em caso de descoberta de petróleo, este pertence à empresa, que arca com os ônus tributários, os royalties e as participações especiais. Esse modelo é adotado pelos Estados Unidos, Reino Unido, Argentina, Peru, Portugal e Noruega, entre outros países produtores.No modelo de partilha, o petróleo pertence à União e a empresa exploradora é ressarcida ou com parte do óleo bruto produzido ou em dinheiro. É um modelo que prevalece em países com reservas abundantes, como Angola, Equador, Índia, China, Venezuela, Iraque, Turquia, Moçambique e Líbia. O regime agora adotado pelo Brasil é semelhante ao que prevalece na Rússia, Argélia, Nigéria, Casaquistão, Dinamarca e Bolívia, ou seja, nele conviverão concessão e partilha - esta para o pré-sal e as grandes jazidas.Mas o MME deixou pontos em aberto, tais como a definição precisa das áreas onde a exploração estará submetida ao regime de partilha e a destinação dos recursos do fundo que será formado com as receitas do petróleo.Como revelou Lobão, o regime de partilha deverá prevalecer não apenas nos campos do pré-sal, mas em "áreas estratégicas", tanto marítimas, como as Bacias de Campos, Santos e Espírito Santo, como terrestres - onde houver muito petróleo, declarou o ministro. Entre estas áreas promissoras, revelou um assessor do MME, estariam os campos de gás na Bacia do São Francisco e de petróleo na Amazônia.Mas o que é "muito petróleo"? É melhor afastar dúvidas com regras absolutamente claras, tanto para definir o que são "áreas estratégicas" como para evitar casuísmos que desestimulem a prospecção e a exploração de petróleo. As novas regras deverão estar definidas em duas semanas, segundo o MME. Serão três projetos de lei que o governo pretenderia pôr em discussão antes do envio ao Congresso, "em regime de urgência constitucional", segundo o titular do MME.A receita gerada será destinada a um "fundo social que receberá os recursos e os destinará à educação, saúde e questões trabalhistas", disse Lobão. Esta é a primeira vez que o governo inclui "questões trabalhistas" entre os itens da política de destinação dos recursos do novo fundo. A criação do fundo social inspira-se no modelo da Noruega, que constituiu um fundo soberano com recursos do petróleo capaz de acumular um patrimônio da ordem de US$ 480 bilhões. O fundo norueguês tem como objetivo a acumulação de riqueza para financiar projetos que amparem as futuras gerações, quando já não houver petróleo a ser explorado. Na Noruega, a distribuição dos recursos está limitada à renda das aplicações do fundo soberano, cujo capital é preservado e está investido em títulos públicos e privados e ações das maiores empresas globais.A descoberta do pré-sal é uma oportunidade única para o Brasil amealhar vultosos recursos, adquirindo capacidade de investir a longo prazo e podendo enfrentar em melhores condições fiscais os desafios do crescimento. Mas, para isso, terá de mostrar competência para explorar o pré-sal - e o primeiro passo é oferecer um modelo de regulação que preserve a Petrobrás, atraia parceiros privados e gere as receitas esperadas, destinadas à proteção e ao bem-estar futuros da população.

, O Estadao de S.Paulo

17 de julho de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.