Cartas

Prendam o santoO presidente Lulla conseguiu bater mais um recorde de incompetência: manter o caos aéreo nos aeroportos do País e gerar mais de 300 mortes de inocentes em menos de dez meses! Onde será que estava aquela diretora da Anac? Em outra festa? Onde está a Marta? Talvez gozando da nossa cara! Quem será o culpado desta vez? A falta de investimento do governo? Não! A falta de comando do governo para acabar com esta crise no setor? Não! A incompetência do sr. ministro da Defesa, que mais uma vez se manterá calado para manter seu emprego e seus privilégios? Não! A corrupção na Infraero e na Anac, que o governo e os deputados do PT tentam esconder e evitar uma CPI no Congresso? Não! Quem, então? Provavelmente, São Pedro! Prendam o santo e batam palmas para o Lulla!WILLIAM CARMO DE OLIVEIRAwilliamoliveira_br@yahoo.com.brIndaiatubaCausas da tragédiaParabéns pelo editorial As causas estruturais da tragédia (19/7, A/3). A tragédia provocada pela queda do avião em São Paulo nos obriga a pensar em vários assuntos e um deles é a respeito do que é prioritário quanto à aplicação dos impostos que nós pagamos. No Brasil, sucessivos governos têm optado por investir em obras monumentais, que causam impacto e, portanto, são garantia de voto certo. Contudo, as tragédias como a de terça-feira, a do desabamento das obras do Metrô, as sucessivas enchentes, etc., são indicações de que é preciso mudar. Investir em obras de infra-estrutura, na modernização dos nossos aeroportos, no transporte público, na rede de água e esgoto, na distribuição da energia elétrica, na coleta seletiva do lixo e em aterros sanitários, é aí que queremos ver aplicados os nossos impostos.PALMIRO MENNUCCI, presidente do Centro do Professorado Paulista (CPP)assessoriajp@cpp.org.brSão PauloAliás, as causas estruturais da tragédia da TAM são as mes-mas, e mais algumas, do porquê este país não cresce, não vai para a frente!VIRGINIA A. BOCK SIONvickybock@hotmail.comSão PauloMorte anunciadaNo último dia 13, juntamente com outros sindicatos e diretores de entidades da sociedade civil, tais como seccional da OAB de Guarulhos e Condepe, reunimo-nos nas escadarias do Teatro Municipal - evento coberto pelo Estado - solicitando esclarecimentos e providências às autoridades aeronáuticas. E aos governantes, que trouxessem de volta a paz aos céus do Brasil e aos lares de centenas de trabalhadores do tráfego aéreo. Afirmávamos, na carta que distribuímos à população, que as declarações das autoridades, "reafirmando a inexistência de crises e problemas na aviação comercial brasileira, eram desmentidas pelos atrasos, cancelamentos de vôos, aumento do número de incidentes relatados pelas próprias autoridades". Infelizmente, o acidente em Congonhas confirmou as denúncias dos controladores do tráfego aéreo. E agora, srs. governantes? O que vão dizer às centenas de órfãos, viúvas, irmãos, parentes, amigos que perderam pessoas queridas numa morte já anunciada? LIGIA DE PAULA SOUZA, presidente do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado de São Paulo (Sated-SP)satedsp@satedsp.org.brSão PauloDesastresHá poucos meses sofremos com a perda de dezenas de vidas num acidente aéreo culposo, motivo de CPI no Congresso. Agora, outro desastre aéreo chocou o País. Pode parecer coincidência, mas, na verdade, o fato está ligado à lei de causa e efeito. No Brasil morrem milhares de pessoas por falta de atendimento médico eficiente, outras tantas em acidentes automobilísticos, outras em conseqüência da violência urbana. Chego à conclusão de que a causa de tudo é a corrupção. A fortuna que é desviada nas operações mensalão, mensalinho, sanguessuga, dólares na cueca e em malas de religioso, compra de bezerra de ouro, venda de gado com notas fiscais suspeitas, uso de cargo para dificultar investigações, aumentos dos próprios salários, nomeações de derrotados políticos, voto de analfabeto, verbas indenizatórias absurdas, além de outros atos bizarros praticados pela classe política (protegida pelas leis criadas por ela mesma), é responsável pelo mais novo tipo de morte: vítimas de desastres aéreos. Quantos controladores de vôo serão punidos desta vez?EDISON FERREIRA NETTOefnetto@bol.com.brBrasíliaAeronaves e aeroportosEm conversa informal, no Instituto de Engenharia, com dois mestres em engenharia aeronáutica, Ozires Silva e Dario Rais Lopes, fiquei sabendo que atualmente se constroem aviões para operação em determinados aeroportos, e não "aeroportos para suportar operação de determinadas aeronaves". Será que este nosso velho Congonhas é próprio para as aeronaves que nele estão operando, em condições máximas de segurança? Será que pequenas falhas humanas podem ser corrigidas durante decolagens ou aterrissagens de aeronaves tão grandes e velozes no momento dessas operações, nas curtas pistas de Congonhas? Será que já não é tempo de São Paulo construir um novo aeroporto, para a distribuição dos vôos de âmbito nacional, e deixar Congonhas para as pontes aéreas entre as capitais estaduais mais próximas e para vôos executivos e regionais?WALTER CORONADO ANTUNES, engenheiro civilcoronaoantunes@uol.com.brSão PauloMuros de arrimoÉ incrível que um aeroporto na dimensão de Congonhas, situado numa região densamente povoada da capital paulista, não tenha até hoje, ao seu redor, muros de contenção ou de arrimo supereforçados, principalmente ao lado das grandes e movimentadas avenidas. Gastam-se milhões em reformas e isto é o mínimo que se poderia exigir para uma melhor segurança e movimentação das aeronaves em terra. Acordem, governantes!JOÃO ROCHAELjrochael@ibest.com brSão PauloAbuso de autoridadePor escolha de Deus, voltei de Porto Alegre no vôo 2109 que aterrissou em São Paulo 30 minutos antes do trágico vôo da TAM. Em Porto Alegre havia um grande tumulto pelo atraso e porque a Polícia Federal ameaçava (com não embarcar ou levar presos para a delegacia, o que significava perder o vôo de volta...) todos os passageiros que reclamavam. Foi uma gritaria geral. A Polícia Federal, em vez de acalmar os passageiros, alimentava o nervosismo e criava situações de conflito por abuso de autoridade. Sempre soube que a atuação da Polícia Federal nos aeroportos é incompetente, corporativista e relapsa com os passageiros. Pergunto: para que serve esse cabide de empregos?JOÃO CESAR RIBEIROcesarr@iamm.com.brSão PauloBombeirosDeu dó ver os bombeiros com equipamentos que não conseguiam mandar água para o prédio da TAM. Esses homens necessitam de equipamentos modernos.AIRTON PEREZgalileiaretalhos.com.brSão PauloAinda as vaiasSr. presidente, quase 200 vidas ceifadas explicam as vaias ou esta tragédia também foi orquestrada pela oposição?JOSÉ FELIPE DONNANGELOfelipiva@uol.com.brSão PauloLogo após o acidente da Gol, nosso laborioso presidente declarou que cabeças iriam rolar, em poucos dias teríamos uma investigação minuciosa e esclarecedora sobre as causas e motivos de tão grande tragédia. Até hoje nada se sabe a respeito, e nem se saberá, pois um novo acidente acaba de acontecer em São Paulo, com conseqüências desastrosas e um número maior de vítimas, que com certeza irá abafar toda a podridão em que o Brasil está mergulhado. Novamente CPIs serão instaladas, relatores governistas serão convocados (alô, alô, Ideli & Cia.) e tudo não passará de um "nada consta" e será anulado por falta de provas. E o Lula está mais preocupado com o real motivos das vaias! Ah, isso é coisa da oposição...MARCO A. MENEGAZZOmarchitectto@bol.com.brSão Paulo

O Estadao de S.Paulo

21 de julho de 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.