Cartas

Fuga para o NordesteFugindo das vaias (24/7, A4), o presidente Lula vai ao encontro da maioria dos analfabetos que o elegeu - para tentar tapar o sol com a peneira -, onde estão os seus eleitores, que continuam recebendo as esmolas de seu governo e podem ainda acreditar nos seus blablablás.ARISTIDES C. ANDRADE DE SÃO THIAGOa.cast@uol.com.brCampinasEstá caindo tudoPrimeiro, caiu o avião. Depois, caiu a cabeceira da pista de Congonhas. Por que só esse governo incompetente não cai?MARGIT WUNDERLICHmargitw@terra.com.brSão PauloTrens de alta velocidadeLi a carta do leitor sr. Aristeu T. Mendonça (23/7), que aponta com muito bom senso soluções lógicas e viáveis para o problema dos aeroportos de São Paulo e que, basicamente, são as únicas possíveis. Entre as soluções apresentadas está indicada a necessidade da construção de uma linha de trem de alta velocidade entre Viracopos e a cidade de São Paulo. A este propósito me permito observar que mesmo um trem de velocidade normal (os trens inter city europeus trafegam à velocidade média de cerca de 120 km/hora) resolveria o problema, com menor custo. Lembro também que nestes dias de verão, quando a temperatura passa de 30 graus por períodos prolongados, todos os trens europeus reduzem a velocidade (60 a 80 km), por causa de possíveis deformações dos trilhos por dilatação térmica - a notícia é do TG2 da RAI, título Treni fermi per il caldo. Será que no verão as temperaturas da região são compatíveis com trens de alta velocidade? E na região onde deveria passar o trem-bala para o Rio? Não será mais uma bala perdida?FRANCO MAGRINIFraiv@ig.com.brCachoeira PaulistaA total incompetência de nossos "intocáveis Poderes" resultou em mais um desastre aéreo ceifando dezenas de vidas e deixando outros milhares desolados. Agora falam num novo aeroporto, como se este fosse o antídoto contra a falta de governabilidade. Como se não bastasse, querem construir um trem-bala que ligaria Rio a São Paulo, a fim de minimizar o "problema". Porém, se a incompetência novamente prevalecer, estará sendo inaugurada mais uma modalidade de tragédia coletiva em nosso país - desta vez sobre trilhos e a 360 km por hora.ADRIANO LUIZ DA FONSECAdriano_fonseca@bol.com.brJuiz de Fora (MG)Direito do passageiroPor muitos anos e com altíssima freqüência utilizei o transporte aéreo. Jamais, ao embarcar num avião, me passou pela cabeça que conscientemente a empresa aérea e o comandante usariam uma aeronave com parte(s) do sistema operacional desligada(s). Creio que deva ser baixada, imediatamente, norma obrigando a empresa a informar, no embarque, tal condição aos passageiros, que teriam opção de não embarcar. Neste caso a empresa seria obrigada a providenciar urgentemente alternativa de viagem e a ressarcir eventuais despesas (transporte, acomodação, alimentação, etc.) decorrentes dessa situação.ANDRÉ MIGUEL OSSERressoandre@terra.com.brSão PauloUm casal de passageiros foi retirado de um vôo da TAM por questionar se o freio da aeronave estava funcionando. Procurada, a assessoria da TAM informou que a empresa "lamenta que, num momento de luto e dor, este passageiro tente fazer uso de expressões e atitudes inapropriadas e constrangedoras". Agora eu pergunto: condecorar o presidente da Anac, órgão acusado de omissão nesta tragédia, não é muito mais inapropriado do que, entendo eu, o desabafo dos passageiros?SÉRGIO ROBERTO DA COSTAsergiorobertocosta@ig.com.brSão PauloSou candidato à mesma medalha do sr. Milton Zuanazzi. Tal como esse senhor, nunca fiz nada pelo sistema aéreo nacional, com a vantagem de que nunca atrapalhei. Acho que mereço.ALDO BERTOLUCCIaccpbertolucci@terra.com.brSão PauloUrubus em BrasíliaPrezado sr. Leon Garcia (Urubus em Congonhas, 22/7), confortável a sua posição em Londres, longe do Brasil, um país chocado pela tragédia de seu maior acidente aéreo e pelas atitudes de seu governo. Governo esse tão inerte que o presidente de outro país se antecipou nas condolências às famílias dos mortos. Governo responsável pela falta de atitude diante do caos aéreo que está instalado no Brasil. Marco Aurélio, seu pai, faz parte do governo Lula e nos chocou mais ainda com sua atitude grosseira, vulgar, irresponsável, antiética e humilhante. O gesto de Marco Aurélio, e não sua expressão facial, como o senhor diz, não admite outra interpretação senão aquela que todos, cultos e incultos, conhecemos. E tal gesto não foi executado de forma privada, mas sim nas instalações públicas do centro da administração do Poder Executivo. E pode ter certeza que em Brasília estão muito mais urubus do que em São Paulo. Ao senhor dedico meus sentimentos pela forma como seu pai reputou a si próprio.FERNANDA FERNANDEZfernanda_fernandez@hotmail.comSão PauloMais um apagão?A pira olímpica, que apagou ontem, durante os Jogos Pan-Americanos, é um mau presságio: 2007 será o ano dos apagões. O (des)governo Lula deve ter desviado a verba do gás...DIETRICH QUASTdquast@uol.com.brValinhosFuga para a liberdadeAté agora, quatro atletas de Cuba fugiram de suas delegações rumo à liberdade que lhes é negada na ilha-prisão de Fidel Castro. Tal fato é pouco noticiado e, quando o é, nada se fala dos reais motivos. Mas isso mostra claramente o absurdo que a população cubana ainda vive, prisioneira de uma ditadura que já dura mais de 40 anos. Já está na hora de desmistificar a farsa desse regime e do seu tão famoso comandante. Tomara que muitos outros atletas tenham a mesma coragem. Não se trata de trocar a pátria pelo esporte, como comentou certa emissora de TV, mas de trocar a prisão pela liberdade.ANTONIO HENRIQUE DE MIRANDA JR.henriqmj@yahoo.com.brSão PauloO melodramático ditador cubano Fidel Castro, em mais uma lamuriosa conversa mole sobre as maravilhas da Ilha da Fantasia, confirmou a deserção de diversos atletas cubanos inscritos no Pan. Em outras competições mundiais, inclusive em Olimpíadas, outros jovens atletas cubanos, ao sentirem o sabor da liberdade, desertaram também. O dono de Cuba acu-sou, como era de esperar, que tais atletas se vendem por dólares. Pergunto ao velho caudilho: por que atletas de outros países, nestas horas de confraternizações, não se bandeiam para Cuba? O maior troféu alcançado até hoje, não só nas competições esportivas, mas nas sociais também, se chama liberdade! Esta conquista, que é a melhor medalha de ouro já conseguida, os simpáticos atletas cubanos estão prestes a alcançar, e o povo cubano também.ROBERTO STAVALE bobstal@dglnet.com.brSão PauloFlagrante O ministro-chefe da Secretaria de Planejamento de Longo Prazo, Roberto Mangabeira Unger, não estava presente quando seu carro foi estacionado em vaga destinada a portadores de necessidades especiais e jamais permitiu tal abuso (24/7, A4). O repórter também poderia ter observado que o motorista permaneceu a postos para o caso de ser necessário ceder a vaga a quem de direito. E se informado a respeito das normas que regem o uso de veículos oficiais (Decreto n.º 99.188/1990). Ninguém foi nem seria prejudicado. Mesmo assim, o ministro, que nunca tolerou tal prática e sempre defendeu os direitos dos portadores de necessidades especiais, desculpa-se pela conduta incorreta de um membro de sua equipe.GUILHERME DIAS, chefe de gabinete da secretariaguilherme.dias@planalto.gov.brBrasíliaN. da R. - O funcionário informa que o ministro Mangabeira Unger não estava utilizando seu automóvel de representação, como definido pelo Decreto 99.188/90, que cita. Nesse caso, quem utilizava o veículo? O decreto, aliás, não autoriza condutores de veículos pertencentes ao serviço público a violar o Código de Trânsito - e foi isso o que o motorista em questão fez.

O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2025 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.