Cartas

Posse festivaEm 17/7/1996 um jumbo da TWA explodiu sobre o Oceano Atlântico após decolar de Nova York, matando 230 pessoas. Familiares das vítimas, em desespero e revolta, foram encaminhados para uma sala do Aeroporto Kennedy, onde viram a porta se abrir e entrar, solitário, o presidente dos EUA, Bill Clinton. Ele se dirigiu a cada grupo de pessoas e conversou em voz baixa, depois de abraçá-las. Ao ver a posse do ministro Nelson Jobim em clima festivo, Lula fazendo ilações burlescas do mais refinado humor negro, e o assessor Marco Aurélio Garcia zombando da morte alheia com sua coreografia pornográfica, é fácil deduzir que com esta administração será muito difícil darmos os primeiros passos para nos tornarmos uma grande Nação.JORGE SCHWEITZERjorschweitzer@hotmail.comRio de JaneiroMesmo nos momentos mais tristes da vida brasileira, quando muitas famílias estão de luto, o Lula não deixa de soltar suas piadas de mau gosto, sem graça. Sua platéia dá gargalhadas. Foi o presidente que falou, temos de achar engraçado. São risadas ensaiadas, trazidas de casa. Sugiro que tanto o presidente como outros que se reúnem para tratar de assuntos tão sérios se ponham no lugar das vítimas antes de fazer piadas e sorrir como se estivessem assistindo a uma comédia. Antigamente tínhamos o bobo da Corte. Hoje temos a Corte do bobo.JASMINOR MARIANO TEIXEIRAmutuariossp@hotmail.comSão PauloEntrega a DeusUma semana. Eis o prazo de luto respeitado pelo presidente Lula, antes de tornar às suas piadinhas ("escolhi o ministro Jobim porque ele estava incomodando a mulher dele em casa"). Como presidente da República, é bem de ver, Lula da Silva é um espirituoso comediante... Por outro lado, quanto à remessa das coisas terrenas ao Divino, S. Exa. tem mesmo tal posicionamento: assim como a segurança de suas viagens aéreas, antes o presidente já tinha "entregue a Deus" os casos Celso Daniel e "mensalão", dentre outros.JORGE JOÃO BURUNZUZIANburunlegal@hotmail.comSão PauloMedo de aviãoLula diz que tem medo de viajar de avião porque fica "na mão" dos controladores, dos pilotos, dos técnicos, etc. Ora, se ele, que tem um ótimo e moderníssimo avião, com piloto e tudo mais, ainda tem medo, imaginem os brasileiros, que estão num Brasil sem piloto há quase cinco anos...SANSÃO JOSÉ DA SILVAsansaojs@terra.com.brSão PauloLenda urbanaPara mim, o governo Lula é somente uma dessas lendas urbanas que de tempos em tempos proliferam por aí. Logo, logo, acaba! O problema são os estragos que vão ficar.JOSÉ FERREIRA PRATAjose@infortex.com.brOsascoVocação nataO ministro Nelson Jobim sempre teve vocação para exercer o cargo de ministro da "defesa". O momento mais sinalizador foi em 2005, quando ainda era ministro do STF e não se vexou em defender publicamente o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, durante o seu processo de cassação, perante a Suprema Corte de Justiça.LUIZ HENRIQUE FREIRE CESAR PESTANAcpestanadv@aasp.org.brSão PauloEm sua carreira no STF, o ministro Jobim era conhecido pela sua forma costumeira de pedir vista de processos importantes e não lhes dar solução. Se seguir essa prática no novo Ministério, pe-dirá vista do processo do apagão, que só voltaremos a ver em 2011. Bela escolha, presidente Lula!ALDO BERTOLUCCIaccpbertolucci@terra.com.brSão PauloPara resolver os problemas do transporte e controle aéreo, o presidente Lula faz mudança no Ministério da Defesa, troca o professor de Direito Waldir Pires pelo jurista Nelson Jobim. Este entende de tudo, principalmente dos interesses políticos dele e do presidente. Não dá para acreditar que ele entenda mais do Ministério da Defesa que um brigadeiro, um general e um almirante. Uma troca que o povo vê como um trampolim para a Presidência em 2010. Acorda, Brasil.LEÔNIDAS MARQUESleo_vr@terra,com,brVolta Redonda (RJ)Herança de FHCDe nada adianta Lula convocar ex-membros do governo FHC para ocupar cargos-chave, visto que o aparato estatal de segundo e terceiro escalões está tomado por membros oriundos de indicações políticas desprovidas de conhecimento técnico, como muito bem mostra a matéria da página C5 de 26/7. Tenho pena do próximo presidente da República, que vai assumir um país caótico do ponto de vista institucional e, ainda pior, tomado pela metástase ideológica petista de governar para si e para os seus.FREDERICO D?AVILAfrederico@fdaagropower.com.brSão PauloEstabilidadeA estabilidade de emprego, com mandato fixo, a que têm direito os diretores de agências reguladoras e que dificulta sua demissão, traz à tona uma reflexão mais abrangente, que, embora desagradável, se faz necessária. Todos nós conhecemos a famosa caricatura do funcionário público, que passa o tempo no local de trabalho tomando cafezinho e conversando, trabalha o mínimo necessário e não vê a hora de chegar otérmino do expediente para ir embora. Estabilidade de empregono setor público pode, potencialmente, gerar indolência, descomprometimento, má qualidade de trabalho e mau uso do poder nos altos escalões. É necessário rever urgentemente esse conceito e agir como nas empresas privadas: quem não trabalha direito é demitido, sem delongas ou entraves.LUCIANO HARARYlharary@hotmail.comSão PauloDiante do agravamento da situação caótica que aflige os usuários da aviação comercial e das demonstrações explícitas de falta de compostura, de ausência de liderança de nossos governantes e de competência gerencial dos órgãos responsáveis (?) para a solução da crise, sugiro que a Anac, doravante, passe a denominar-se Anarc ou Asnac...JOSÉ ERASMO NEGRÃO PEIXOTOjenp@bitweb.com.brTatuíTocha olímpicaAcho que o Brasil deveria fazer uma campanha contra a tocha olímpica. Ela usa o símbolo do fogo para unir os povos - e ainda por cima contribui com o aquecimento global, é movida a querosene e produz um monte de monóxido por causa da queima incompleta... Talvez pudéssemos criar a "muda olímpica"... Uma muda que vai passando de mão em mão (recebendo a energia dos povos) até ser plantada no local das competições (ela deve ser nativa, só isso). E lá ficaria ela, crescendo e capturando carbono... Todo mundo que ganhasse medalha deveria ter o direito de plantar uma árvore olímpica!OTÁVIO CESAR CAFUNDÓ DE MORAIStabio@terra.com.brSão PauloRessurreição do futebolParabéns à seleção feminina de futebol pela merecidíssima medalha de ouro e por haver brindado o mundo com o verdadeiro futebol-arte do Brasil, semimorto pelos pés masculinos. Se as garotas-craques não considerarem muito sacrifício a função de ministrar aulas a alunos obtusos, eu lhes pediria o especial favor de mostrarem às "grandes" equipes profissionais masculinas, bem como à seleção masculina, o seguinte: 1) À Marta, ensinar aos marmanjos como cruzar, como bater escanteios e pênaltis e como marcar gols com maestria; 2) à Rosana, mostrar como marcar gols de bola parada; 3) à Formiga, como desarmar, sem cometer faltas, todos os adversários que ousam cruzar sua zona de atuação; 4) e a todas as demais jogadoras, que mostrem como se desloca para receber e, principalmente, como se executa com perfeição o passe, o mais importante fundamento do futebol. Com referência à posição de impedimento, nem peço que instruam os pernas-de-pau, porque creio que com seus poucos neurônios não assimilarão as lições, visto que para tanto se exigem rapidez de raciocínio e muita mobilidade.DORIVAL J. ALVESdorival_br17@yahoo.com.brSão Paulo

O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2027 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.