Cartas

Campanha ''''Cansei''''Que maravilha! Finalmente podemos voltar a ter esperanças no Brasil! Dias atrás, assistindo ao noticiário sobre o Pan, fiquei pensando na maravilha de pessoas que existem neste país e no potencial que temos para enfrentar desafios e superar dificuldades. O povo tem uma riqueza espetacular, seu único defeito é esperar que as autoridades façam algo para melhorar sua vida. Mas, enfim, a sociedade está se organizando "apartidariamente"! Livre das mesquinharias que, infelizmente, corroem a política, o movimento "Cansei" devolverá, com certeza, a esperança aos homens e mulheres de bem deste nosso amado Brasil. Proponho que todas as instituições de ensino abracem esta causa, para que possamos resgatar nos nossos jovens a esperança de um futuro mais decente para o Brasil. Digo isto por trabalhar há mais de 20 anos com adolescentes e assistir, perplexa e impotente, à perda de entusiasmo que toma conta dos jovens quando têm de decidir pela escolha de uma carreira profissional ou construir seus projetos de vida. Não é justo o que vem acontecendo com nosso país. Não podemos tirar a esperança daqueles que farão o futuro desta Nação. Parabéns aos idealizadores desta magnífica campanha!MARISA LIMA TRUZZI PENTEADO, psicóloga escolarp.cesar.penteado@uol.com.brSão PauloCansei. Lula, nunca se queixe, aja ou saia, faça ou vá embora.HELTON P. F. LEITEheltonperillo@terra.com.brLorenaOrquestra BrasilSabe-se que numa orquestra é a batuta do maestro que orienta o conjunto. Ela indica aos músicos o que ele deseja que seja executado. Presidente Lula, a sua batuta está fora de sintonia. Os músicos da Orquestra Brasil estão perdidos. Seus colaboradores não estão ouvindo o mesmo som que o senhor. Há uma desarmonia total na ordem geral "desse país" e a culpa é sua, porque uma orquestra toca conforme a orientação da batuta do maestro.MARIA QUITÉRIA M. S. JOAQUIMpuraci@yahoo.com.brSão Paulo.Música e maestroA música é do presidente. Título: Relaxa e goza. O maestro já se explica: foi convencido pela mulher. Tomara que a letra não seja uma piada.ROBERTO CASTIGLIONIrocastiglioni@hotmail.comSão PauloPiadas de mau gostoQuem leu o editorial ?Momentos (errados) de descontração? (27/7, A3) deve ter-se sentido envergonhado de ser brasileiro. O Brasil ainda não se recuperou do luto pela tragédia do vôo 3054 da TAM, em que morreram 200 pessoas - mais da metade dos corpos ainda não identificados. Em respeito a esse infausto acontecimento, a posse do novo ministro da Defesa deveria ter sido realizada a portas fechadas, sem nenhuma platéia (claque) para ficar aplaudindo as besteiras proferidas pelo nosso "preclaro" presidente. Lula, com seus gracejos de mau gosto, igualou-se àquele engraçadinho que resolveu contar piadas num recinto onde se realizava um velório. Lamentável.ADOLFO ZATZdolfizatz@terra.com.brSão PauloParabéns pelo excelente editorial ?Momentos (errados) de descontração?, que resume em um único ato esta ópera-bufa a que temos assistido e que se intitula Governo. É uma vergonha para o cidadão brasileiro a falta de compostura e de representatividade exaustivamente demonstrada por nossos "governantes".FERNANDO DE S. ROSSIvandorossi@uol.com.brSão PauloO preço da segurançaMais um ministro a fazer frases ridículas para irritar a nós, brasileiros. Primeiro, Marta: "Relaxa e goza." Depois, Mantega: "As filas nos aeroportos são a prova da força de nossa economia." E agora Nelson Jobim solta mais uma: "Ficar na fila dez horas, um dia, três dias é o preço da segurança." E assim, em dez meses, morreram quase 400 brasileiros, por conta do preço da segurança. Jobim, volte para casa para perturbar sua mulher, como disse Lula.LUIS ANTONIO BARBOSA DE MORAESlabmoraes@uol.com.brSantosQue pepino!Realmente, o brigadeiro presidente da Infraero, que, segundo afirmam, será substituído pelo novo ministro da Defesa, não entende nada de como lidar com a cucurbitácea. Pepino é para se comer cru, nunca "cortá-lo em pedacinhos" para cozinhar. Daí seu fracasso. Bem disse o ministro Jobim: "Faça ou vá embora."ANTONIO BRANDILEONEalvbrandi@cabonnet.com.brAssisA grande ilusãoSeria cômica, se não fosse trágica, a declaração de nosso presidente de que, ao embarcar num avião, ele entregaria a sua sorte a Deus. Ora, ele é um dos poucos brasileiros que escolhem a aeronave em que embarcam. Aliás, não faz muito tempo, comprou uma novinha em folha, toda aparelhada para oferecer o máximo de conforto e segurança. Francamente, alguém ainda acredita que o nosso presidente corre exatamente o mesmo risco que qualquer outro brasileiro que embarca em aviões de carreira?ALFREDO LUIZ P. DE OLIVEIRA SUPPIAalfredo.luiz5@terra.com.brSumaréO presidente Lula disse que quando a porta do avião fecha ele entrega a vida a Deus. Eu, quando acordo de manhã e percebo que permaneço no Brasil do (des)governo do PT, também entrego minha vida a Deus e, com tamanha incomPeTência, acho que faz sentido.LUIZ FELIPE BARROSlfelipebarros@hotmail.comSão PauloConta outraLula escafedeu-se e não vai aparecer na cerimônia de encerramento do Pan. Por certo, não vai fazer falta. O duro é que, ainda por cima, temos de "engolir" que é "problema de agenda"...GERALDO ALAÉCIO GALOggalo10@terra.com.brGuarulhosDesratizaçãoA propósito da matéria Supremo faz campanha para se livrar dos ratos (27/7, A8), pergunto: a desratização vai-se limitar ao Supremo Tribunal Federal ou se aproveitará a oportunidade para iniciar por Brasília a dedetização da peste que grassa País afora, neste queijo chamado Brasil?!J. S. DECOLdecoljs@globo.comSão PauloInfelizmente, a proliferação de ratazanas vorazes está bastante arraigada em Brasília. Deve ser o clima, propício para a espécie, e dedetizar não resolve mais. Este é mais um caso para a Polícia Federal.BASILIO JOSÉ BERNALbernal@roloflex.com.brSão PauloEsclarecimentoNo editorial Troca de comando na Educação (26/7, A3) há um equívoco que gostaria de ver esclarecido. Não houve nenhum atrito entre o sr. governador e eu, nem relativo ao arredondamento das notas, nem com relação à elaboração do material pedagógico de apoio para o ensino médio, que está, dentro de um processo pleno de lisura, transparência e correção, sendo elaborado pela Fundação Vanzolini, de notória competência. Sua publicação será feita pela Imprensa Oficial do Estado.MARIA LUCIA VASCONCELOSmlmcv@uol.com.brSão PauloÁlcool na direçãoO Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja (Sindicerv) apóia todas as iniciativas públicas ou de instituições privadas que alertem para o consumo nocivo de bebidas alcoólicas, como, por exemplo, para a perigosa mistura de álcool e direção (27/7, A16). Nossas associadas desenvolvem e aplicam vários programas educativos como parte de suas ações de responsabilidade social. Em relação à pesquisa, cabe a pergunta: os motoristas flagrados com níveis elevados de alcoolemia foram, realmente, multados e punidos? Essas medidas de fiscalização permanecerão sendo feitas corriqueiramente ou apenas foram feitas para fundamentar o estudo?MARCOS MESQUITA, superintendente do SindicervSão Paulo

O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2028 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.