Cartas

Estamos cansados!De corrupção e escândalos envolvendo o governo e o Congresso; de ver a falta de respeito que ministros e assessores do presidente vêm demonstrando pelo povo brasileiro e do descaso total com a saúde, educação e segurança; de ver a impunidade como regra geral nas hostes do governo; de ver um presidente apedeuta que nos desmoraliza e não faz por merecer o cargo que ocupa. Agora só resta nos unirmos em grupos e lutar para que possamos ter de volta dignidade, justiça, respeito.JOSÉ CARLOS COSTApolicaio@gmail.comSão PauloCansei! Um sujeito pequeno como Renan Calheiros não merece o barulho e a perda de tempo que está causando. O Brasil tem pressa e tem assuntos muito mais importantes para tratar. Vamos acabar logo com isso!GILBERTO DIBgilberto@dib.com.brSão PauloA grande verdade"Você pode mandar qualquer projeto, para melhorar qualquer coisa. As pessoas, se são contra o governo, dizem: eu voto contra. Não se preocupam sequer em analisar se aquilo vai beneficiar o povo da cidade, o povo do Estado e o povo do nosso país." A frase, primária, dita por Lulla em Sergipe, é a mais perfeita descrição dele próprio enquanto oposição, o famoso "quanto pior, melhor". Gritaram e votaram contra a Constituinte de 1988, contra toda e qualquer reforma de Estado, toda e qualquer privatização, toda e qualquer ação do governo, apenas para serem contra, em prejuízo de toda a Nação. Lulla é um grande mentiroso. Quando subiu ao poder, vimos quem de fato é. Quando petistas acusam os outros de golpistas (e quantas vezes vimos isso nos últimos três anos?), é pela mesma razão: julgam os outros por si próprios.RENATO VERCESIrenato_vercesi@yahoo.comSão PauloOs defensores e asseclas do presidente, sempre que tomam conhecimento de artigos, comentários e reportagens que criticam seu mentor, logo declaram que é tentativa de golpe da "zelite", da mídia, da direita, para derrubar quem foi eleito democraticamente. Acham que a verdade sobre a ineficiência, incompetência e incapacidade que são características de Lula não devem ser divulgadas, ou até que foram inventadas. O resultado está aí, todos podem ver. A conseqüência de seus atos, ou melhor, da total inexistência de atitudes para governar e fazer o Brasil funcionar é perniciosa e mata muito mais que guerras. Os números das mortes no trânsito no Brasil são assustadores. A cada feriado ou fim de semana, as mortes são conseqüência da falta de estrutura e de policiamento nas estradas e nas cidades. A segurança é nula. O caos aéreo está aí, não é invenção de ninguém. Golpe é o que este desgoverno está fazendo com o Brasil.MARIA TEREZA MURRAYterezamurray@hotmail.comSão PauloLenda urbana?Lamento contrariar o leitor sr. José Ferreira Prata (27/7). Lula não vai passar como uma lenda urbana que deixa estragos. O processo de imposição ideológica que vem sendo aplicado ao Brasil pelas esquerdas há mais de 20 anos está infiltrado em todos os setores, desde a universidade, passando pela mídia e chegando até recônditos povoados. Estão dividindo o País em negros contra brancos e índios, pobres contra o que eles consideram ricos e que não passam de uma classe média sucateada. O método é: dividir para arrendar. A propaganda se dá inclusive nos livros didáticos distribuídos pelo governo. Está tudo tomado. Vai ser difícil o Brasil livrar-se dessa corja astuta que elegeu a América Latina para seu reduto e não vai desistir do poder a que foi acessando com populismo e banditismo. Eles têm tanta certeza de que o seu método não falha que estão relaxando e gozando na nossa cara.SUELI CARAMELLO ULIANOscaramellu@terra.com.brSão PauloSociedade em pânico"As causas são a incompetência, desídia, leviandade, ganância e corrupção presentes no sistema de transporte aéreo brasileiro" (19/7, A3). Esta frase serve para ilustrar o que ocorre em todas as áreas no País. Temos muitos caciques e poucos índios. Aspones, reuniões, grupos de estudo, etc., compõem o jogo de empurra com a barriga dos grandes problemas nacionais. A Nação está cansada de tudo isso e, o que é pior, está em jogo a saúde física e mental do povo brasileiro, tendo em vista a sucessão de traumas que vive no seu dia-a-dia. Nós estamos de luto não por três dias (oficial), mas até que se mude o panorama em que nos encontramos. O cidadão brasileiro não tem segurança - nas ruas, no trânsito urbano e nas rodovias e agora no transporte aéreo. De nada adiantam manifestações de pesar às famílias das vítimas, minutos de silêncio, homenagens, pois isso não consola nem traz de volta a vida de brasileiros mortos de forma tão estúpida e cruel. Precisamos de autoridades que cumpram o princípio da autoridade e responsabilizem as pessoas encarregadas de prevenção e condutas para evitar tragédias. Stress constante desencadeia distúrbios físicos e orgânicos, bem como emocionais, severos, que, infelizmente, causam doenças graves. Atualmente, pessoas que nunca se envolveram direta ou indiretamente em atos violentos estão desenvolvendo sintomas de pânico, sem nenhum tipo de atendimento, agravando quadros de angústia, insônia e depressão. Urge que tenhamos interlocutores sérios e competentes para entendermos o alcance dessas questões e imediatamente pôr em prática medidas nesse sentido. Vamos Recomeçar o Brasil, senão iremos para um buraco...SALOMÃO RABINOVICH, presidente da Comissão de Ética, Cidadania e Direitos Humanos da Academia Paulista de Psicologiarabinovich@salomao.psc.brSão PauloSalários de fomeEm discurso, o primeiro-irmão de Cuba reconheceu que os salários pagos aos cubanos estão abaixo das necessidades básicas. Por aqui, na Vila Pan-Americana, o pessoal do restaurante informa que são os cubanos os maiores comilões. É, faz sentido.MAURÍCIO LIMAmapeli@uol.com.brSão PauloFidel Castro declarou que não existe nenhuma justificativa para que os atletas cubanos solicitassem asilo político. Pois bem, "el comandante" só conseguirá convencer alguém no dia em que abrir os aeroportos de Cuba para quem quiser entrar ou sair, inclusive os cubanos. Se Cuba é uma país tão bom para se viver, como diz Fidel, por que os cubanos fazem tantos sacrifícios para fugir de lá? Que abram as barreiras. Veremos como esse povo reage.ODAIR PICCIOLLIpedraseartes@suednet.com.brExtrema (MG)Sonho olímpicoMatérias do caderno de Esportes: Show de bola - e agora?, A falsa realidade das medalhas e O atletismo perde espaço em SP. Enfim, tudo para dizer que, lamentavelmente, o Brasil ainda não é um país de cultura e tradição esportiva. Ao contrário, o sonho olímpico está muito distante e temos muito que aprender. O sucesso e os bons resultados alcançados nestes Jogos Pan-Americanos, com todo o respeito aos atletas brasileiros, não devem iludir os torcedores, guardadas, é claro, as muitas e importantes exceções. O fato é que o Brasil está apenas engatinhando nas competições mais importantes, as que contam com a presença das principais forças esportivas mundiais, o que é muito triste. O incentivo do governo é muito pequeno e o patrocínio privado não é suficiente. Que os resultados e o saldo aparentemente positivo desses jogos sirvam para demonstrar a efetiva realidade do nosso esporte, e não para simplesmente frustrar as expectativas futuras dos próprios atletas e dos torcedores. O momento é mais do que apropriado para um amplo debate sobre o tema. O esporte brasileiro está precisando de um choque de gestão, modernidade e incentivo. Sem isso continuaremos apenas por conta das exceções e do sucesso isolado de algumas figuras e modalidades.FRANCISCO ANTONIO BIANCO NETOfranciscoabianco@uol.com.brSantosObrigada, Diogo, Edinanci, Marta, Hugo, Pedro, Juliana, Thiago, Marreco, Kaio, Camilo, Fabiana, Hudson, Maurren, Yane, Derly, Cielo, Juarez, Lucélia, Marcel, Jade, Diego e todos os nossos pan-atletas!ANUNCIAÇÃO TEIXEIRA DE SOUZAFerraz de Vasconcelos

O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2029 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.