Cartas

Agências reguladorasO vácuo criado pelo esvaziamento das agências reguladoras no governo Lula - contingenciando recursos e restringindo sua atuação - vem prejudicando principalmente o usuário final dos serviços regulados. Em vez de querer retirar poder das agências, o ministro Jobim deveria empenhar-se em depurá-las dos apadrinhados políticos nomeados para comandá-las. Como esses indicados não têm os conhecimentos técnicos exigidos para os cargos que ocupam, não podem assumir nenhuma responsabilidade no seu exercício, falta-lhes autoridade perante seus subordinados. As recentes insubordinações dos que ocupam cargos técnicos refletem o avanço do loteamento político, atingindo até cargos de média e baixa gerência. Com tanto cacique e pouco índio, fica difícil trabalhar. E, como vimos recentemente, incompetência mata!YVETTE KFOURI ABRÃOm.abrao@terra.com.brSão PauloMinistério desencontradoUm dos graves erros do governo FHC foi criar o Ministério da Defesa. Lula deve retornar à antiga existência dos Ministérios do Exército, Marinha e Aeronáutica, eis que a disciplina militar há muito já teria posto a casa em ordem. Essa celeuma de comandos civil e militar, na verdade, consome poder e autoridade, levando a política a dominar quase que com exclusividade, o que impede a unicidade de resoluções essenciais a problemas simples ou graves. O atual ministro, saliente-se, embora com boa vontade, também não vai resolver os sérios problemas do setor de transporte aéreo. O tempo dirá. Não sou militar.JOSÉ CARLOS DE CARVALHO CARNEIROcarneiro@claretianas.com.brRio ClaroCongonhasInformou o Estado (15/7) que são necessários R$ 4 bilhões para desativar Congonhas e deixar Cumbica e Viracopos aptos a atender à demanda aérea. A previsão de gastos do Legislativo federal (Câmara, Senado, TCU) em 2007 é de R$ 7,2 bilhões. Qualquer administrador apenas razoável pode verificar que o problema não é falta de recursos. É falta de bom senso. Como mudar isso?LUIZ GORNSTEINgornstein@uol.com.brSão PauloSaudades...Ah, se o PT fosse oposição! Toda essa situação do apagão aéreo já teria sido resolvida, assim como o caso Renan! E, se não tivesse resolvido, o País estaria parado. Ouvi o presidente culpando a oposição pelo desgoverno, afirmando que até hoje não aprovam nada. Se o povo tem memória curta, creio que o sr. Lula também se enquadra perfeitamente nesse papel, e se esquece de que nós lembramos o que ele e o PT fizeram no governo FHC. Até contra o Plano Real votaram, como confirmou o ex-ministro Palocci. Ah, que saudade do PT oposição...GILMAR H. DOS PASSOSgil_passos@terra.com.brSão PauloGoverno desacreditadoComo o presidente Lula ainda tem a ousadia de comparar seu desacreditado governo com o de FHC? Além dos inúmeros atos de corrupção que atingem seu governo e seu partido, e sem punição, e da falta de realizações administrativas na área da infra-estrutura, não cumprindo nada do que prometeu nas campanhas eleitorais, o que não se viu no governo anterior, o presidente demonstra total despreparo e inexperiência para exercer o alto cargo que ocupa na República, com sua conduta de sumir, como sempre faz nas horas difíceis no seu governo, depois do acontecimento trágico de Congonhas. Lula, como chefe da Nação, deveria espelhar-se em estadistas como FHC e Bill Clinton, que sempre se solidarizaram no sofrimento de famílias de vítimas de acidentes trágicos, dando-lhes apoio e conforto nessas horas terríveis, em vez de se esconder no Nordeste, atrás dos seus eleitores do Bolsa-Família.JOSÉ WILSON DE LIMA COSTAjwlcosta@bol.com.brSão PauloComo Lula tem medo de vaias, temo que ele venha a baixar medida provisória proibindo vaiar o presidente da República.PAULO SEIJI ISEWAKIisewaki@superig.com.brSão Bernardo do CampoNosso 11 de SetembroOs EUA tiveram naquele fatídico dia seu símbolo destruído e muitas vidas ceifadas pelo terrorismo internacional. Toda a nação, horrorizada, testemunhou o colapso das torres. Já aqui, em São Paulo, toda a Nação, horrorizada, assistiu a um avião chocar-se contra um galpão, ceifando a vida de muitas pessoas trabalhadoras e honestas, vitimadas também pelo terrorismo, só que nacional. Apesar dos inúmeros avisos, apesar do caos aéreo que se instalou no País por causa da má administração do setor, apesar de o brasileiro pagar impostos como nenhum povo no mundo. O grande inimigo não estava no ar, estava em terra, desviando recursos que deveriam ser usados para melhorar a segurança dos aeroportos, colocando pessoas incompetentes em cargos de absoluta prioridade apenas porque são filiadas ao "partido da estrelinha". Alguém deve avisá-lo para que volte aos portões das fábricas, de onde nunca deveria ter saído. Lá ele encontra o que mais gosta, um palanque e um bando de gente escutando como fazer para ganhar mais fazendo menos. Nos EUA as torres caíram vitimadas pelo terrorismo internacional. Aqui, 200 pessoas morreram vitimadas pela ganância e incompetência nacional.PAULO KHERLAKIANpaulokherlakian@uol.com.brSão PauloO desgoverno de lula (minúscula mesmo) sempre subestimou a crise do transporte aéreo, como não tem consciência da responsabilidade de um presidente da República. No espaço de dez meses, dois acidentes gravíssimos, em que centenas de vidas foram ceifadas por incompetência e omissão das nossas "otoridades". Conheço bem o lula, desde o tempo da Villares, em São Bernardo do Campo. Na época já era irresponsável, incompetente, omisso e covarde, fugia dos problemas como o diabo da cruz. Formou-se torneiro mecânico pelo Senai, mas já demonstrava ojeriza ao trabalho. Antes de almoçar, saía à rua para tomar seus "gorós", como ele mesmo dizia - foi assim que perdeu o dedo na máquina que operava... Trabalhar durante horas num torno era muito sacrifício... Foi quando vislumbrou uma boquinha no Sindicato dos Metalúrgicos no ABC. Daí em diante, promoveu badernas nas empresas da região, por isso a grande maioria das indústrias mudou para outros municípios e até outros Estados. Ficou 30 anos sem trabalhar, só promovendo greves e arruaças, e, como por milagre, seu patrimônio pessoal crescendo sem parar, seus filhos estudando no exterior, etc., etc. E nós, brasileiros, agora queremos que ele trabalhe? Ledo engano. O humilde metalúrgico comprou um brinquedinho de voar, que custou aos nossos bolsos a bagatela de US$ 57 milhões. E ele continua voando. O que nos resta, irmãos brasileiros, que amamos nosso Brasil, é orar a Deus para que nos dê muita paciência e perseverança para suportarmos essa quadrilha do PT que tomou de assalto a nossa Pátria. Só assim vamos suportar mais três anos e meio desse desgoverno de corruptos, hipócritas e mentirosos, pois o lula não tem competência nem moral para administrar o galinheiro de sua casa, quanto mais o Brasil.CARLOS EDUARDO MAGALHÃESebsolucao@uol.com.brSão PauloContradição de princípiosSobre a matéria Em SP, lançada ofensiva contra impunidade (27/7, A6), não vejo como acreditar na seriedade de um movimento que tem como um dos idealizadores um advogado (prestigiado por seus pares, que o elegeram presidente da OAB-SP) que defende dirigentes de uma igreja que utiliza caixa 2 e todos os obrigatórios artifícios correlatos para transferir fundos dos crédulos fiéis para seu patrimônio pessoal/familiar. Não contesto o direito dos advogados de defender quem lhes pague: é legal e, afinal, cada um tem seu próprio estofo moral e caráter; nem que qualquer advogado seja eleito por seus pares para os representar - mas, diferentemente de com relação à população em geral, não podemos atribuir-lhes "boa-fé" ou ignorância sobre como o sistema funciona e o que cada um é de fato. Mas que esse advogado, que, em benefício próprio, advoga contra os interesses da República, seja líder de um movimento contra a impunidade e a favor do resgate de valores éticos... aí já acho que é demais!JORGE R. S. ALVESjorgersalves@estadao.com.brJaú

O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2030 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.