Cartas

DemissõesOs EUA foram os primeiros a entrar em crise e provavelmente serão os primeiros a sair dela. Enquanto isso, Lula mantém sua política dos 84% e atrela a candidatura Dilma ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), anunciando-o como o grande salvador do País diante da crise mundial. Na verdade, até agora o programa não passou de um grande ralo para recursos públicos. Lula não pressiona a queda dos juros, não alivia os tributos e ainda culpa as empresas por demitirem em excesso.VICTOR GERMANO PEREIRAvictorgermano@uol.com.brSão PauloNão sou advogado nem entendo de leis. Mas no exato momento em que soube que apenas os trabalhadores de alguns setores teriam direito a um seguro-desemprego especial, pensei: "Isso é grotesco no aspecto social e deve ser absolutamente ilegal." Bem, o ex-ministro do Trabalho Almir Pazzianotto confirmou minha suspeita (14/2, B5). Estamos bem governados.JOÃO CARLOS MACLUFjcmacluf@delta.inf.brSão PauloClube dos 16%Foi com muita satisfação que li o artigo Clube dos 16% (14/2, A2), do jornalista Mauro Chaves. Quero deixar claro que eu também jamais fui entrevistado por qualquer instituto de pesquisa de opinião nem conheço alguém que já tenha sido entrevistado ou já tenha ouvido falar da existência de alguma pessoa que já tenha sido entrevistada por algum instituto de pesquisa, que tenha manifestado sua opinião de aprovação a quem anunciam como detentor de 84% de opinião favorável da população. Muitas vezes sentimos que talvez sejamos intransigentes com o poder constituído e que a maioria expressa nas famigeradas pesquisas de opinião detém a "grande verdade". Mas, quando alguém leva a público nossa indignação, percebemos que não estamos sós. Faço minhas as palavras do articulista.PAULO ACENCIO DE ARAUJOpaulo@acencio.comSão PauloQue delícia encontrar quem expresse nossas ideias de forma tão clara e objetiva. Descobri que já era sócia do Clube dos 16% há muito tempo. Sinto-me reconhecida como uma cidadã normal.CLARINDA SATIE INOUE SAKAIssatie@yahoo.com.brSão PauloComo associada, gostaria de cumprimentar o sr. Mauro Chaves pela clareza e pelo detalhamento com que escreveu o nosso Estatuto.ANA MARIA V. C. LOBOanamlobo@uol.com.brSão PauloGostaria de acrescentar alguns artigos: Art. 21 - Total reprovação da medida provisória (MP) em favor das rádios piratas; Art. 22 - Total reprovação da MP da pilantropia; Art. 23 - Discordância total da propaganda política antecipada; Art. 24 - Requer do Supremo Tribunal Federal e do Tribunal Superior Eleitoral total isenção nos julgamentos por abuso de poder e corrupção; e Art. 25 - Exige que o dinheiro do contribuinte não seja mais jogado fora em viagens para promoção de candidaturas e festas com fins puramente eleitorais.JOSÉ SILVAjs_souza51@yahoo.com.brCajamarPesquisa sériaO que está esperando a fraca oposição política no Brasil para encomendar a um instituto sério uma pesquisa sobre a popularidade do presidente Lula? A quem serve a Confederação Nacional dos Transportes?JAIR VITOR FONGAROjairfongaro@uol.com.brSão Paulo Hamlet explicaO PSDB é partido que chama a minha atenção pela lentidão com que pauta suas decisões. Se são intelectualmente competentes, em termos de tempo político vivem no século passado. Mais uma vez, o partido expõe dúvidas hamletianas sobre lançar ou não a candidatura Serra à Presidência. Enquanto não escolhem o candidato, vão levando surras eleitorais.ANGELO RAPOSOangelo.raposo@uol.com.brSão PauloO espírito da coisaAgora não tenho mais dúvidas, a ministra Dilma Rousseff é candidata à sucessão do presidente Lulla. Apesar das evidências, faltava ainda um dado importante para que ela pudesse ser definitivamente aceita como candidata: a sua própria negativa. No Brasil, devemos sempre ter em mente que quando um político diz uma coisa, geralmente, está pensando outra. Por isso todas as minhas dúvidas foram dissipadas quando da visita da ministra Dilma a São Paulo, onde foi recepcionada pela ex-prefeita Marta Suplicy, que lhe ofereceu um jantar. Depois de dizer que "o Brasil está maduro para ter uma mulher presidente", disse que "não está nem é candidata", pois depende da aprovação de Lula e do partido. Entendeu o espírito da coisa?JÚLIO FERREIRAjulioferreira.net@gmail.comRecifeDescrentesO presidente do Senado, José Sarney, garantiu que Lula não aceita a tese do terceiro mandato. Sarney foi quem jurou de pés juntos que não seria candidato à presidência do Senado. E foi. E agora? Por que devemos acreditar que Lulinha paz e amor não aceitará um terceiro mandato, já que sua candidata, Dilma Rousseff, há mais de um ano em plena campanha, de palanque em palanque, não conseguiu decolar em pesquisas, mesmo com um padrinho que logo logo alcançará os 110% de popularidade?TURÍBIO LIBERATTOturibioliberatto@hotmail.comSão Caetano do SulSão nossosNo artigo Battisti é nosso! (13/2, A2), João Mellão Neto deu ênfase à presença do inglês Biggs em território brasileiro, mas se esqueceu do colombiano Francisco Antonio Cadena Collazos, acusado de ser membro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Conhecido como Padre Medina, Collazos foi posto em liberdade no Brasil depois de ter sido detido a pedido das autoridades colombianas num terminal de ônibus em São Paulo, em agosto de 2005. O Supremo Tribunal Federal (STF), que havia decidido negar a extradição do colombiano, ordenou sua libertação. O Comitê Nacional para Refugiados (Conare) brasileiro concedeu a Medina, em julho de 2006, o status de refugiado. Consta que, atualmente, ele e sua mulher trabalhem num Ministério em Brasília.SERGIO S. DE OLIVEIRAmarisanatali@netsite.com.brMonte Santo de Minas (MG)Diplomacia maduraO que mais falar a respeito de outras formas mais maduras de reafirmar a nossa civilidade, a nossa independência, a nossa autonomia e a nossa soberania? Basta ler Battisti é nosso!CARLOS ALBERTO PEREIRA CARDOSOpecardoso@netsite.com.brSão PauloAgilidadeFoi rápido o ministro da Justiça em desacreditar o Judiciário italiano, foi rápida a Polícia Federal em prender e deportar os pugilistas cubanos, foi rápido o Itamaraty em acusar o episódio na Suíça de xenófobo. Será que isso explica a demora no julgamento dos mensaleiros, o esclarecimento cabal do caso Celso Daniel e a nova proposta de aplicar prisão apenas após esgotados todos os recursos de um caso?OSCAR SECKLER MULLERoscarmuller2211@gmail.comSão PauloVistoria tumultuadaLevantamento feito por uma emissora de TV mostrou que menos de 2% dos carros analisados até agora na inspeção veicular apresentaram problemas. Como a frota a ser analisada representa 41% do total, chegamos à conclusão de que os R$ 136,4 milhões servirão para corrigir menos de 1% da poluição gerada por carros, que seguramente é menor que a produzida por veículos a diesel e motocicletas. Parece que o interesse é muito mais pelo verde do que pelo meio ambiente.RONALDO JOSÉ NEVES DE CARVALHOrone@roneadm.com.brSão PauloComo podem deixar de fora mais da metade da frota? Não é justo exigir direitos e obrigações pela metade.ARCANGELO SFORCIN FILHOarcangelosforcin@gmail.comSão PauloFÓRUM DOS LEITORESENDEREÇOAvenida Eng. Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900FAX:011 3856-2920E-MAIL:forum@grupoestado.com.br

, O Estadao de S.Paulo

16 de fevereiro de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.