Cartas

Orgulho de quê?Somos campeões em tudo o que há de ruim. No Congresso Nacional raros são os que não têm um processo manchando a ficha pessoal daqueles que deveriam ser modelo de caráter e honradez, mas não largam o osso, protegidos que são pela imunidade parlamentar e pelo foro privilegiado. Diariamente inocentes morrem nas mãos de assassinos que apostam na morosidade e tolerância de nossas leis. O caso da brasileira Paula Oliveira, que, segundo as autoridades da Suíça, se automutilou para receber indenização do governo desse país, está amparado no conceito que se tem de que, se no Brasil assassinos, sequestradores e outros criminosos recebem gordas indenizações, por que não tentar também alguma coisa? Estamos festejando o carnaval, uma das festas que mais atraem turistas do mundo inteiro para o País. E quais as manchetes dos grandes jornais do mundo? Turistas são assaltados em albergues na Cidade Maravilhosa! A corrupção corre solta, dinheiro público é usado sem fiscalização e nada acontece? Como ter orgulho de ser brasileiro quando vemos que em matéria de escândalos políticos, violência, corrupção, assaltos e ignorância não saímos do primeiro lugar? Ao que parece, estamos vivendo mesmo uma época do "quanto pior, melhor" para os bandidos, trapaceiros que agem à solta sem ser incomodados. Será que este país tem jeito?IZABEL AVALLONEizabelavallone@yahoo.com.brSão Paulo Custe o que custarEssa deve ter sido a instrução do comandante da festa-lançamento para aproximar a candidata do presidente às eleições de 2010 do seu provável eleitorado. Depois da festança com 3.500 prefeitos, mais as esposas e mil penetras convidados e não convidados, é claro que agora ninguém sabe quanto custou a reunião na Ilha da Fantasia. Talvez o principal dono da festa e seus aliados, partidos políticos que têm um fundo de caixa alto, para justificar a gastança, venham a fazer uma vaquinha entre amigos, correligionários e outros, passando o pires para de seus salários sair o reembolso que por certo será exigido. Também haverá a possibilidade, se o Tribunal de Contas pedir prestação dos gastos, de alguém dizer que de nada sabe, não viu nem lhe contaram do famoso piquenique realizado. Poderão também pôr a culpa no jardineiro ou no zelador do local do evento. Duvidam? Já aconteceu e ninguém dos que deviam foi culpado. Só o jardineiro. Porém o que mais interessava aconteceu: todos viram e identificaram a candidata, agora mais jovem. E o resto... É resto! Neste país sempre haverá um otário, distraído, que dirá alguma coisa que servirá de desculpa para dissolver e limpar a sujeira de um acontecimento tão inútil quanto as promessas que lá foram feitas.ALBERTO CARUSOalbertocaruso@uol.com.brSão PauloFico impressionado com o medo dessas pessoas que acusam o Lula e a Dilma de estarem fazendo campanha eleitoral antes do prazo determinado pela Justiça Eleitoral. Calma, gente, a Dilma ainda não se elegeu. Ademais, o sr. Serra aparece todos os dias na TV falando de realizações de seu governo e ninguém fala nada. O temor é tão grande que acho que essas pessoas vão acabar votando é na Dilma, em 2010. Não pode com eles, junte-se a eles.MARCELO ROBERTO MASSELLIm.masselli@hotmail.comSão Bernardo do CampoLenidadeO MST mais uma vez ataca e destrói patrimônio público. Agora foi a Prefeitura de Mauá. O que lamento é a desfaçatez com que o presidente local dessa espúria organização tenta explicar o que não tem justificação. Como sempre, e em muitos outros tantos casos, não será cobrado nem processado. De longa data clamo por ação criminal/judicial oficial para as lideranças desses baderneiros organizados.E. PARENTE RAMOS FILHOe.parenterf@gmail.comSão PauloIndignação hipócritaLuiz Inácio Lula da Silva diz-se indignado com as demissões na Embraer. Acho que ele tem melhores razões para se indignar. Posso citar várias: a compra do avião presidencial à Boeing, a política externa comandada pelo Itamaraty, a concessão de refúgio ao bandido italiano patrocinada por seu ministro da Justiça, a prisão seguida de deportação sumária dos atletas cubanos, asilo político e emprego a narcoguerrilheiro das Farc... Isso para não falar das falcatruas do primeiro mandato. Fatos que num país sério ou minimamente informado o teriam impedido de ser reeleito.HUMBERTO DE LUNA FREIRE FILHOhlffilho@hotmail.comSão PauloAonde vai nosso dinheiroA marolinha de Lula está se tornando um tsunami e ainda há alguns "inocentes" úteis se vangloriando de que no Brasil a crise é só um rumor, como disse ao jornal The New York Times o estilista brasileiro Alexandre Herchcowitch. Claro, a crise é mesmo nada, já que conseguiu US$ 100 mil de patrocínio do governo brasileiro para a Semana da Moda de Nova York - diretamente, segundo ele, do presidente Lula. Pergunte-se aos 4.200 demitidos pela Embraer se eles também acham que é mesmo só um boato.MARIA TEREZA MURRAYterezamurray@hotmail.comSão PauloPerguntas ingênuasPor que será que um presidente da República com tamanha popularidade, dizem até que 84% dos brasileiros apoiam seu governo, precisa de forte esquema de segurança para assistir ao desfile das escolas de samba no Rio? Será que os 16% que não aprovam estarão no sambódromo carioca? Tivesse o presidente Lula comprado o seu avião da Embraer, além de ter ajudado na criação de empregos à época, teria contribuído para a manutenção de pelo menos alguns desses 4.200 empregos?LUIZ NUSBAUMlnusbaum@uol.com.brSão PauloVoo cegoSubsidiada pelo BNDES, Embraer demite 4.200 empregados e alega falta de pedidos do exterior. Mas se temos forte mercado interno e condições de licenciamento provisório, ou flexibilização da jornada, praticam o governo e a empresa verdadeiro voo cego quando discursam em prol do pleno emprego e mandam embora trabalhadores qualificados e de grande potencial técnico em setor estratégico da economia globalizada.CARLOS HENRIQUE ABRÃOabraoc@uol.com.brSão PauloDireito fundamentalConcordo com o leitor sr. Daniel Magalhães (Advocacia e Defensoria Pública, 18/2) em que o embate entre a advocacia e a Defensoria demanda aprofundamento, porém não sob a ótica simplista com que o leitor o fez. Alegar que a Defensoria Pública utiliza os pobres como escudo de suas funções é simplesmente desconhecer o Texto Constitucional brasileiro, cujo artigo 5.º traz a assistência jurídica gratuita como direito fundamental do cidadão. Ora, se o Estado previu para o cidadão essa gratuidade, cabe a ele garanti-la, por meio da Defensoria Pública. O problema que circunda a advocacia e a Defensoria Pública foge às funções desempenhadas por estes órgãos (ambos essenciais à Justiça): deita suas raízes no próprio ensino jurídico brasileiro, com suas inúmeras faculdades de Direito, que colocam, semestre após semestre, milhares de bacharéis no mercado de trabalho, em número notoriamente desproporcional à realidade de nosso país. Antes de dar início à discussão sobre o papel da Defensoria Pública ou da advocacia, é fundamental discutir os rumos e a qualidade do ensino jurídico em nosso país, pois a nobreza de ambas as profissões não pode ser minorada nem mesmo maculada por maus profissionais, que buscam no Direito uma forma de "encher o bolso", e não de auxiliar a sociedade na busca pela efetivação de suas prerrogativas fundamentais.CAMILA PINTARELLIcamilapintarelli@hotmail.comLimeira

, O Estadao de S.Paulo

21 de fevereiro de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.