Cartas

Campanha antes da horaO advogado-geral da União classificou de descabida a ação movida pela oposição contra o presidente Lula e a ministra Dilma por propaganda eleitoral antecipada: "Se formos fazer uma análise comparativa com a Fórmula 1, sequer (sic) as equipes escolheram seus pilotos. Estamos muito longe dos treinos livres, dos treinos oficiais ou do campeonato. Não há candidatura, não há campanha eleitoral." Excelente comparação! Se esse fato não representa campanha eleitoral em andamento...ARY CESARary@contabilmachado.com.brSão Caetano do Sul A Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com pedido de nulidade da ação que a oposição está movendo contra Lulla e Dilma no STF por crime de propaganda eleitoral antecipada e à custa do dinheiro público. E muito dinheiro, ao que parece, quatro ou cinco vezes mais do que oficialmente foi divulgado pelo governo. Pede também que, caso condenados, eles o sejam com pagamento de multa mínima. Se entendo algo de justiça, penso que, se forem culpados, devem ser condenados pelo grau máximo, visto o cargo que ocupam, e também a devolver aos cofres públicos, na forma da lei, o que foi gasto, bem como os custos advocatícios da AGU, que está lá para defender a coisa pública, justamente de crimes que ora defende.MILTON JOVENTINO DOS SANTOS FILHObertiog@bol.com.brBertiogaProibido proibir?A ministra Dilma faz justiça a seu antecessor, o ministro Dirceu. Afinal, os dois bebem da mesma fonte há anos. Quando diz que nunca viu "ninguém ser proibido de viajar no País" usando dinheiro público, é porque deve mesmo achar isso normal. Para eles, é proibido proibir a gastança.ARTHUR SOARESarthur09br@yahoo.comBelo HorizonteA julgar pelas apaixonadas e persistentes tentativas de desunir o PSDB com uma candidatura inviável, e apesar de suas negativas, acho que Aécio Neves quer mesmo é ser vice de Dilma.LUIZ HENRIQUE PENCHIARIluiz.penchiari@bericap.comVinhedoTerceiro mandatoConsiderando que as últimas pesquisas de opinião refletem uma ampla aceitação do governo Lulla; que a pré-candidatura da ex-terrorista e assaltante de bancos Dilma Rousseff não tem tido aceitação popular, apesar das plásticas realizadas; que o PMDB está satisfeito com o estado de coisas e participa ativamente do balcão de negócios das empresas do governo; que a oposição é frágil e está sem liderança, seja no Senado, seja na Câmara dos Deputados; podemos considerar que o terceiro mandato é um fato consumado. O presidente Lulla apoiou José Sarney e Michel Temer justamente para materializá-lo.JOSÉ CARLOS DEGASPAREdegaspare@uol.com.brSão PauloDelação premiadaDeveras oportunas as reportagens de quarta e quinta-feira no Estado concernentes à delação premiada, prevista pela legislação penal brasileira. Os efeitos podem ser analisados sob diversas óticas, seja pela imoralidade da "alcaguetagem" de um dos membros da organização criminosa ou pelo benefício obtido pela sociedade com tal prática. Entretanto, particularmente no Brasil, pelo menos a partir de agora, não deveria ser mais aceito ou aplicado tal instituto, pois os nossos próprios governantes desacreditaram da medida quando da aplicação no caso do terrorista Cesare Battisti pela Justiça italiana, alegando, dentre outros argumentos, que durante o julgamento o acusado não teve a oportunidade de se defender.CARLOS FERNANDO BRAGAcafebraga@yahoo.com.brSão PauloA aprovação de uma moção pela Câmara dos Deputados italiana exigindo a intervenção do governo daquele país no caso Battisti reflete muito bem a dimensão da briga que o Brasil "comprou" com a Itália e talvez com o resto do mundo, a partir de agora, no campo da diplomacia. Pergunto: vale a pena tanto desgaste por tão pouco?FILIPE LUIZ RIBEIRO SOUSAfilipesousa32@yahoo.com.brSão Carlos Carnaval vermelhoApoiado por MST, CUT, PT e Sindicato dos Metalúrgicos local, e ao arrepio da lei que impede desapropriações em áreas invadidas, o ministro Paulo Bernardo está destinando o Horto Florestal de Limeira à reforma agrária! Se tudo der certo, as mais de 200 famílias "assentadas" há dois anos no local acabarão disputando terrenos inferiores a uma chácara de recreio, enquanto a população perderá a única área de eventos, lazer e utilidade pública, como reabilitação de pessoas especiais, dependentes químicos e presidiários. Para lutar contra esse abuso o prefeito, as entidades organizadas e o povo da cidade se uniram e estão tentando recuperar o terreno, mesmo sem o apoio do Estado, da Assembleia Legislativa, da Câmara dos Deputados, do Senado e, principalmente, do governo brasileiro, que abandonaram os sem-terra à própria sorte e não movem um dedo para encontrar uma solução política ou oferecer uma área maior e mais apropriada para os assentamentos. Infelizmente, esta é a reforma agrária apoiada pelo governo e financiada pelas estatais.EDVALDO ÂNGELO MILANOe_milano@msn.comLimeiraMST e STFMerece aplauso e apoio de todo cidadão e contribuinte que se preze o pronunciamento do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a ilicitude do financiamento público ao MST. Mais uma vez o ministro Gilmar Mendes se mostrou determinado a pôr o dedo numa ferida escancarada no corpo de nossa República, que a maioria das autoridades insiste em ignorar. É um acinte que os escorchantes tributos nossos de cada dia sejam usados para financiar entidades de fachada do MST, cujo objetivo - longe de contribuir com as necessidades dos camponeses pobres - é abrir caminho para a implantação de uma ditadura de partido único no País, nos velhos moldes bolcheviques. Está mais do que na hora, sim, de uma reação coordenada e ativa do Ministério Público para coibir tais ações.TIBIRIÇÁ RAMAGLIOtibiramaglio@gmail.comSão PauloÉ realmente absurdo o que o MST vem fazendo no País, invadindo fazendas, destruindo tudo o que encontra pela frente, matando animais, causando o caos e o pânico no campo, cometendo assassinatos. E tudo isso com o dinheiro dos nossos impostos! O cidadão exige respeito às leis. Queremos prestação de contas. Não é possível o governo repassar milhões de reais a esse movimento que não respeita nenhuma lei nem presta contas do uso que faz do nosso dinheiro. Afinal, o que o MST produziu até agora? Qual o volume de sua produção com as terras que já recebeu? Quantas famílias estão sendo beneficiadas com os assentamentos já realizados? O que é feito com os milhões que recebe anualmente? Onde as crianças desses assentamentos estão estudando? Quantas pessoas saíram da miséria, tirando os srs. José Rainha e Pedro Stédile? Queremos respostas e justiça, está na hora de o Ministério Público entrar em cena. E que se use esse dinheiro em nossos hospitais e escolas.LUIZ CLAUDIO ZABATIEROzabasim@ig.com.brCampinasA lei será cumprida?Parabéns pelo editorial Alguém leu a Lei (27/2, A3). Mas a dúvida ainda persiste: será que alguém ao menos tentará aplicá-la, enquadrando os baderneiros do Movimento dos Sem-Terra?MAURO ROBERTO ZIGLIOOurinhosO súbito interesse do presidente do STF em proteger o dinheiro público enviado ao grupo armado MST, tutelado pelo presidente Lula, deve-se ao fato de que Gilmar Mendes almeja ser companheiro de chapa de José Serra nas eleições de 2010. O motivo é particular, não são as irregularidades do Planalto.JOSÉ FRANCISCO PERES FRANÇAjosefranciscof@uol.com.brEspírito Santo do Pinhal FÓRUM DOS LEITORESENDEREÇOAvenida Eng. Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900FAX:(11) 3856-2920E-MAIL:forum@grupoestado.com.br

, O Estadao de S.Paulo

28 de fevereiro de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.