Cartas

Cegueira de simpatizanteA denúncia feita pelo PT em 1998, contando na época com o apoio de procuradores da República simpatizantes, contra Luís Carlos Mendonça de Barros, ministro de Fernando Henrique Cardoso, José Pio Borges, diretor do BNDES, e Renato Guerreiro, presidente da Anatel, acusando-os de manipular o leilão da Telebrás para favorecer um grupo interessado em comprá-la, comprovadamente não passou de uma jogada política irresponsável e mentirosa. É o que mostrou a sentença do juiz da 17.ª Vara Federal de Brasília, Moacir Ramos, na semana passada: não só absolveu os acusados, como também censurou o comportamento dos impetrantes da ação - Ricardo Berzoini, Aloizio Mercadante, o deputado Vicente Paulo da Silva e o sindicalista João Vaccari. Pergunto: como puderam, à época, os tão dignos procuradores da República simpatizantes do PT apoiar tal ação destituída de verdade? O mesmo parece ocorrer hoje, quando o vice-procurador-geral eleitoral Francisco Xavier afirma, em seu parecer ao Tribunal Superior Eleitoral, não ter encontrado indícios que comprovem o uso eleitoreiro de Lula e Dilma no recente evento com prefeitos. Como, se as imagens foram divulgadas fartamente e vistas por todo o Brasil? Talvez se o citado procurador resolver procurar melhor ele encontre. A menos que sofra de uma doença conhecida como "cegueira de simpatizantes", que parece estar grassando as procuradorias.MARA MONTEZUMA ASSAFmontezuma.fassa@gmail.comSão Paulo Depois de quase 11 anos a justiça se fez. Cabe agora enviar a conta dessa palhaçada à turma do PT, que sempre brincou com coisa séria. O tempo é o maior aliado da verdadeira História.LEILA E. LEITÃOItanhaém O falso moralismo do PT, como fala o editorial do Estado (14/3, A3), não é apenas do PT. Com poucas exceções, trata-se de um comportamento que atinge todas as nossas instituições. O que foi feito, por exemplo, do sr. Waldomiro Diniz, da ex-ministra Benedita da Silva, do ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça Paulo Medina? Que notícias temos dos funcionários públicos presos por corrupção? E quanto a Daniel Dantas? Penso que os srs. Carlos Mendonça de Barros e André Lara Resende têm pouco que comemorar depois de 11 anos de execração criminosa neste País.EUGÊNIO JOSÉ ALATIeugeniojosealati@yahoo.com.brCampinasSe a Justiça brasileira fosse mais rápida e mais exigente, os petistas envolvidos deveriam de fato pagar pelo grave crime de difamação que cometeram em 1998. Ficou provado que as acusações tinham unicamente propósito eleitoral, não se importando seus autores com as consequências. Mas parece, mais uma vez, como no episódio do mensalão, que tudo será esquecido. E a farra política continua com o "renascimento" de Fernando Collor, Renan Calheiros, José Sarney, etc. Falta apenas uma figura como PC Farias, mas para isso não faltariam candidatos. Este é o retrato da política brasileira. PLINIO ZABEUpzabeu@uol.com.br Americana ?Boi de piranha?Qualquer malandro pode fazer o que quiser no Senado, ocupar o apartamento funcional indevidamente, construir mansões sem ter rendimento suficiente para isso, utilizar seguranças pagos com dinheiro público para proteger bens particulares, etc. Descobertos, nada lhes ocorre. E Sarney ainda diz que a Casa virou "boi de piranha"...PAULO SERODIOpserodio@uol.com.brSão PauloDaqui pra frenteO senador Tião Viana (PT-AC) afirmou que o Senado paga horas extras no mês de janeiro, período de recesso na Casa, há 15 anos, e que os funcionários de seu gabinete que receberam o pagamento terão de devolver o dinheiro. Mas por que decidem devolver somente depois do escândalo descoberto? E quanto aos outros 14 anos pagos indevidamente? Gostaria de viver num país sério.FABIO TAVARESamor01052001@yahoo.com.brRio de JaneiroEndereço erradoO presidente do Senado, sr. José Sarney, decidiu enviar a São Luiz, no Maranhão, policiais do Senado para protegerem "sua residência" de possíveis ataques. Pergunta: ele não é do Amapá?CARLOS R. N. FERREIRAnolasco@uol.com.brSão Paulo''Em vez de joio etrigo, o Congresso está mais para joio e caruncho"Orivaldo Tenorio de Vasconcelos prof.tenorio@uol.com.brMonte AltoDuas medidas na criseComo poderemos sair desta crise com as autoridades e os representantes que temos visto neste país? Enquanto as empresas sofrem com a gravidade da crise e milhares de pessoas sofrem com o desemprego, com a falta de atendimento médico e esgoto, com uma educação medíocre, etc., somos surpreendidos com notícias absurdas: primeiro o presidente do STF pede aumento salarial para os ministros e, depois, o Congresso paga mais de R$ 6 milhões em horas extras no mês de recesso. É realmente uma falta de respeito com quem trabalha, produz e recolhe tantos impostos neste país.NILSON A. CARREIRA MONICOadvcarreira@uol.com.brPresidente VenceslauTungada dos impostosMuito oportuno o comentário do leitor sr. Gustavo Guimarães da Veiga (Medidas abrangentes, 13/3, A2) sobre a tungada dos impostos. Para o especialista em tecnologia da informação Ethevaldo Siqueira, a soma dos tributos arrecadados pelo governo sobre telefonia equivale a 10 vezes o valor do lucro de todas as operadoras, e o Brasil é o campeão mundial nesta área. Atualmente, mais de 40% do valor dos serviços telefônicos que pagamos é de impostos. E sobre os 25% cobrados "por dentro", ora, a lei...ANÍZIO MENUCHIamenuchi@uol.com.brPraia GrandeMadoffA prisão de Bernard Madoff, ex-presidente da Nasdaq, que praticou inúmeras fraudes e gerou perdas de até US$ 65 bilhões a investidores no mundo todo, é um retrato da nossa época. Especulação desenfreada, desregulamentação dos mecanismos de controle e falta de fiscalização do mercado financeiro só poderiam dar nisso. Oxalá a lição seja aprendida e a economia volte a se basear no setor produtivo, na responsabilidade social e na geração de empregos.RENATO KHAIRrenatokhair@uol.com.brSão PauloQue sirva de exemplo para o Brasil a celeridade da Justiça americana no caso de Madoff, que mesmo pagando fiança de US$ 10 milhões para responder em liberdade às acusações que lhe são imputadas, teve a liberdade revogada três meses depois e, réu confesso, será julgado em junho e pode ser condenado a 150 anos de prisão. Por aqui, réus confessos continuam gozando de plena liberdade, lançando mão de infindáveis recursos até que os processos prescrevam.ROBERTO BOTKOWSKImzrarquitetura@gmail.comSão PauloNo Brasil, o banqueiro Edemar Cid Ferreira espera em liberdade que seus crimes financeiros prescrevam antes do julgamento. Daniel Dantas, cuja voz foi gravada declarando que nas esferas superiores do Judiciário ele "se vira", continua solto. Triste exemplo para a nossa juventude.PAULO RUASpstreets@terra.com.brSão PauloMadoff é preso e pode pegar 150 anos de prisão. E o Renato de Alencar Arraes? Cadê?ANNETTE SUZANNE LEVYRUA BREVESannettesuzane@hotmail.comSão PauloFÓRUM DOS LEITORESENDEREÇOAvenida Eng. Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900FAX:11 3856-2920E-MAIL:forum@grupoestado.com.br

, O Estadao de S.Paulo

16 de março de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.