Cartas

Gripe suínaQue bom seria se o presidente Lula tivesse pela saúde do povo, ameaçada pela iminente pandemia de gripe suína, o mesmo zelo que tem pela saúde da ministra Dilma Rousseff, que está se tratando a distância do pavoroso SUS. Entretanto, considerando a preocupante letargia do governo federal, para Lula, tal como no vexatório episódio da "marolinha", essa gripe que está alarmando o mundo e vitimando pessoas chegará ao Brasil como um "resfriadozinho" a ser curado com um chazinho de limão. É conveniente lembrar ao presidente, que ultimamente parece mais preocupado em eleger Dilma do que em governar, que a catastrófica chegada da pandemia, em decorrência da omissão governamental, vitimará não só muitos brasileiros, mas também a candidatura da ministra ou de qualquer outro candidato que seja endossado por ele.TÚLLIO MARCO SOARES CARVALHOBelo HorizonteTendo em vista as últimas declarações do nosso presidente sobre a ameaça de gripe suína e a saúde dos seus subordinados, aconselho a todos os brasileiros que ponham as barbas de molho.OTAVIO AKIO YOSHIGAotavio@angelfoto.com.brSão PauloDo jeito que tratamos o nosso planeta, tem de dar em porcaria. A gripe suína é um sinal.CESARE MOROSINIcesare@listasinternet.com.brGuarulhosGrito do porãoQuer dizer que a cota de passagens vai virar aumento de salário? Fui consultar minha "sagrada família", já muito sacrificada, e ela disse não! Ah, mas o baixo clero ameaça rebelar-se (contra quem e por que meios ninguém fica sabendo) e os líderes partidários vão acabar cedendo (com claros benefícios em seus próprios bolso, naturalmente). O que podemos fazer, nós que somos o "clero do porão", ou seja, os que trabalham duro seis dias por semana, sofrendo escorchantes impostos em tudo para pagar as ricas mordomias desses marajás? Como nos vamos rebelar contra tanta falta de vergonha, tantos descarados abusos com nosso dinheiro? Será que o povo, tão submisso e iludido com promessas vãs e absurdas, vai saber dar o troco nas próximas eleições? Duvido. Nossa democracia e nosso Congresso vão de mal a pior. Vivemos de escândalo em escândalo. Um dia aparecem no Executivo, outro no Judiciário, no Legislativo, no Ministério Público e até na polícia... Assim como Shakespeare escreveu em Hamlet que havia algo de podre na Dinamarca, infelizmente, parece que aqui está tudo podre, ou apodrecendo. Do jeito que está tenho vontade de gritar: socorro, parem o Brasil que quero descer!SILVANO CORRÊAscorrea@uol.com.brSão PauloDeputados e senadores alegam que as regras permitiam pagar viagens para parentes e amigos, com dinheiro dos contribuintes, e não fizeram nada de ilegal. Mas, e de imoral? Esqueceram que foram eleitos com a promessa de moralizar o Congresso? Excelências, cumpram a promessa de todas as campanhas, que o povo heroico, manso e acomodado está perdendo a paciência.ISABEL FERRONATOBlumenau (SC)Eleitor e cidadão brasileiro, estou envergonhado com as mordomias que descaradamente usufruem nossos congressistas, que deveriam ser os baluartes da retidão e honestidade. Eles legislam em seu próprio favor, o que é proibido pela Constituição! Bem, para que essas coisas não se repitam proponho a criação de uma comissão composta por membros de diversos setores da população para tratar de assuntos que envolvam verbas parlamentares. É uma vergonha!YOGORO NARAHASHIynarahashi@itelefonica.com.brSão PauloOs trabalhos legislativos deixaram de ser nobres há muito tempo por se terem tornado de interesses individuais. Deste modo o Parlamento não transmite dignidade e respeito aos eleitores.JULIO DE CARVALHO E SÁRio de JaneiroMundo em chamasMesmo com alguns líderes achando que no Brasil a coisa é só "marolinha", o mundo, de fato, está em chamas, como afirmou no domingo o ministro da Fazenda. Mantega defende a participação do G-20, pois acha que o G-7 "não pode apagar sozinho o incêndio e é improvável que seja eficiente em crises futuras". Depois o ministro volta a citar a necessidade de abrir portas para Cuba. A pergunta é: qual a relação de "o mundo está em chamas", com o G-20 ou com o G-7, e o embargo a Cuba? Dr. Mantega, tente administrar a sua crise e deixe Cuba para o nosso chanceler. Finalmente, ministro Mantega, por que V. Exa. não se candidata a governador de Goiás? P. S. - Sou 100% a favor do fim do embargo a Cuba.DECIO DE ALMEIDAbdfpartners@uol.com.brSão PauloMáxi mascaradaTodo mundo fala que o Brasil se saiu bem nesta crise, mas ter o dólar desvalorizado em 40% (de R$ 1,60 para R$ 2,20) é se dar bem? Isso não foi uma maxidesvalorização mascarada à FHC? Com a palavra o sr. Henrique Meirelles.ROBERT PLASrplas@uol.com.brCotiaCalote dos precatóriosLi com muita atenção o artigo de Gilberto Kassab (28/4, A2) e acho que o prefeito não entendeu por que a PEC 12 é chamada PEC do Calote. Os políticos já tiveram a oportunidade de parcelar esses precatórios em oito e depois em dez vezes e não o fizeram. Se os sequestros existem é porque não houve pagamento em tempo hábil. Como o próprio prefeito reconhece, administrações anteriores não cumpriram os pagamentos. Nem a dele. O grande problema está na credibilidade dos políticos e das administrações públicas. Ao credor não importa quem é o prefeito, governador, presidente, ele quer apenas receber, sem as artimanhas jurídicas do corpo de procuradores dos órgãos públicos, que procuram de todas as formas evitar que as ordens judiciais sejam cumpridas. O sr. prefeito me desculpe, mas não dá para acreditar que essa vergonha chamada PEC 12 não seja um novo calote.LUIZ FERNANDO VERDINASSI NOVAESlfvnovaes@uol.com.brSantosO artigo de Kassab fornece alguns subsídios para uma discussão interessante sobre essa questão e ao menos ajuda a estreitar a distância entre intenção e prática e entre senso de responsabilidade e senso de justiça. Agora esperemos que essa PEC 12 não seja uma falsa solução, um subterfúgio deletério na busca da adimplência dos precatórios, principalmente os de natureza alimentar, já que o pagamento destes ultrapassou o limite do bom senso, do verdadeiro senso de justiça, da realidade consumada (responsabilidade da gestão pública). Aos credores só resta esperar, mas que não seja uma esperança às avessas.AURÉLIO DA SILVA BRAGAbranco.braga033@gmail.comBauruNão sou advogado, mas me parece inconstitucional a PEC 12 retroagir às ações já julgadas que geraram precatórios. Como diz a Constituição, "a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada"(artigo 5.º, XXXVI). Diz o sr. prefeito Kassab que "precatórios alimentares são uma prioridade". Por que, então, não os paga? Estará ele esperando a aprovação dessa PEC para nos dar um calote?ROBERTO PACIELLOpaciello@estadao.com.brSão PauloCumprimentosParabéns pelo Relatório de Responsabilidade Corporativa 2008! Compartilhar com seu público a atuação do Grupo Estado no mercado é uma iniciativa exemplar, que só reforça o compromisso e a relação de confiança com o leitor.MILÚ VILLELA, membro fundador e coordenadora da Comissão de Articulação do movimento Todos pela Educação São Paulo

, O Estadao de S.Paulo

30 de abril de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.