Cartas

Chávez e o BNDESAgora que o preço do petróleo despencou, limitando os seus sonhos de grandeza, o sociopata Hugo Chávez, que já fechou uma emissora de TV livre e agora está ameaçando calar a imprensa, veio ao Brasil pedir empréstimo de US$ 4 bilhões do BNDES para dar sequência a seu projeto bolivariano-totalitário de sufocar em definitivo a democracia em seu país, desta vez com dinheiro brasileiro. Como Chávez tem aversão à livre imprensa, foram tomadas providências pelo anfitrião para que os jornalistas não tivessem permissão para acompanhar o encontro, que se deu no subsolo de um hotel em Salvador, longe dos olhos de cidadãos livres. E o ditador ainda quer que o Senado brasileiro - que ele tachou de papagaio dos EUA - aprove a entrada da Venezuela no Mercosul. Este é um bom momento para os senadores demonstrarem o que pensam sobre essa solicitação de Chávez.PAULO R. KHERLAKIAN paulokherlakian@uol.com.brSão PauloNada mais emblemático que o local escolhido para a discussão entre Lulla e Chávez: o subsolo de um hotel em Salvador. E sem a presença da imprensa... Também, pudera! Nada mais previsível do que a insolvência da Venezuela, que é questão de tempo. Como costurarão um arranjo para justificar o empréstimo de tanto dinheiro nosso, via BNDES? Será que por aqui não faltam investimentos em infraestrutura? Nenhuma cidade brasileira precisa de mais metrô? São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Salvador e Porto Alegre, para ficar só nas mais necessitadas? O viés socialista desse desgoverno parece não ter fim, prefere egípcio antissemita a brasileiro, financia obras em outros países em detrimento do nosso e deixa um incontestável legado de desrespeito ao cidadão de bem. Realmente, acordos como esses devem ser firmados no subsolo.JÚLIO CRUZ LIMA NETOjuliocruzlima@uol.com.brSão PauloPara obter um financiamento do BNDES as empresas brasileiras têm de cumprir rigorosas condições. Uma delas é a aprovação do EIA-Rima do projeto a ser financiado, que deve ter licença prévia e licença de instalação. Será que as mesmas exigências serão feitas para os projetos da Venezuela? Será que Chávez está pensando que o BNDES é o Banco Interamericano de Desenvolvimento? Será que alguma empreiteira brasileira vai fazer obras na Venezuela?WALTER CORONADO ANTUNES, membro do Conselho Consultivo do Instituto de Engenharia coronadoantunes@uol.com.brSão PauloGostaria que o nosso presidente confirmasse à Nação o montante que o BNDES vai emprestar, do nosso dinheiro, à Venezuela para o sr. Hugo Chávez estatizar as empresas de seu país. Lula, isso é uma vergonha!LUIS A. B. MORAES labmoraes@uol.com.brSantosTerceiro mandatoO presidente disse ontem que se Dilma vencer a eleição em 2010 ele será o presidente da Petrobrás. Se Lula, como político, não tivesse saído de escolas autoritárias, nem por brincadeira diria tamanha insensatez. Por esta e outras, o País deve ficar vigilante quanto a um terceiro mandato...PAULO PANOSSIANpaulopanossian@hotmail.comSantos"Não, absolutamente não aceitarei um terceiro mandato, é inconstitucional", etc. "Se o Evo está fazendo bem o seu trabalho, deve com certeza continuar como presidente", etc. "Se o Chávez tem apoio maciço da população, acho que ele tem o direito e deve continuar no governo." Dize-me com quem andas e...M. THOMAZ METZLERtmetzler@uol.com.brBotucatuO ministro Gilmar Mendes, presidente do STF, com clareza e propriedade deu um claro e definitivo aviso aos que insistem num terceiro mandato presidencial, mais preocupados em não perder as benesses dos cargos do que com qualquer nobre interesse do Brasil e seu povo. Ao ministro, parabéns pelo recado a esse bando de interesseiros.JOSÉ PIACSEK NETObubapiacsek@yahoo.com.brAvanhandavaAgora não escapaSe a Petrobrás patrocinou ONGs ligadas ao PT, uma delas criada pelo ex-tesoureiro Delúbio Soares, indiciado no caso do mensalão, chegamos à conclusão de que o presidente Lulla usou a "nossa" Petrobrás para desviar dinheiro para os cumpanheros. Se há justiça, então agora elle não escapa.JOSÉ CARLOS COSTApolicaio@gmail.comSão PauloQuestão indígenaExcelente a entrevista de Aldo Rebelo - ?Querem que o índio continue tutelado? - publicada em 25/5. Lúcida e brilhante, revela a estatura de Aldo como homem público. Com muita coragem e perspicácia, o deputado pelo PCdoB-SP critica a política indigenista do governo federal, inclusive do STF, descortinando novos caminhos para ela dentro de uma visão democrática e socialista, sem tutela do Estado ou de qualquer grupo. Muito oportuno é o projeto de lei que apresentou em conjunto com seu colega Ibsen Pinheiro à Câmara dos Deputados e que, se aprovado, obrigará o Executivo a submeter ao Congresso Nacional todos os processos de demarcação de terras indígenas. É impossível associá-lo a grupos conservadores, como parece insinuar a reportagem. Parabéns ao Estadão por mais essa contribuição para o debate de questão tão atual e brasileira.JOSÉ LUIZ CARUSO RONCAjlcronca@usp.brSão Paulo''A criminalidade assume proporções avassaladoras e o Congresso continua estagnado na reforma da legislação penal"Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.brSão PauloTragédia anunciadaO assassinato covarde da menina Gabriela, em Rio Claro, é a continuação de uma tragédia já anunciada. Quando o garotinho João Hélio foi arrastado cruelmente pelas ruas do Rio, a opinião pública clamou pela redução da maioridade penal. Porém, quando o projeto ia seguir para o Congresso, eis que o senador Aloizio Mercadante (o mesmo do dossiê armado nas últimas eleições em conluio com os irmãos Vedoin, da máfia das ambulâncias) pediu vistas e, com essa manobra, engavetou a proposta. Agora, outra "criança" de 17 anos cinicamente destrói uma vida inocente e, com ela, toda uma família. Onde estarão o sr. Mercadante e a legião de políticos e religiosos demagogos que o cerca, agora? Provavelmente, procurando uma forma de defender os direitos do assassino, para em breve devolvê-lo às nossas ruas.CLÁUDIO AUGUSTO MAUADana.lucia340@terra.com.brSão PauloA Rota na ruaEnfim, um alento: a Rota deve voltar a cumprir o importante papel que sempre teve na segurança pública de São Paulo. A violência com que a marginalidade tem agido nos últimos tempos tem de ser enfrentada por uma tropa preparada para esse tipo de confronto. A população civil, ordeira e desarmada, está sendo dizimada por marginais que não têm o menor respeito pela vida alheia. Parabéns ao sr. secretário.ALCIDES ALVESaalves@adv.oabsp.org.brOsascoControle de contasRecebi um inacreditável e-mail dando notícia de um supercomputador já em operação no Banco Central para monitorar todas as contas bancárias (150 milhões) de todas as pessoas, interligando nomes, CPFs, CNPJs e movimento bancário com origem e destino, em tempo real, em todo o Brasil. O objetivo seria permitir que qualquer juiz, a Polícia Federal, a Receita Federal, o Coaf e o Ministério Publico recebam senhas para acessar e fiscalizar as contas rapidamente, sem passar por nenhuma burocracia ou autorização. Basta ter o CPF. Segundo a notícia, os arquivos alcançam os últimos cinco anos e seriam atualizados diariamente. Será verdade? Passou pelo Congresso? Não fere o direito ao sigilo bancário? Ou será que foi na base de "os fins justificam os meios"? Tenho uma série de outras perguntas, mas alongariam demais o texto.ALBERTO FUTUROcarlos_futuro@viscondeitaborai.com.brSão PauloFÓRUM DOS LEITORESENDEREÇOAvenida Eng. Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900FAX:(11) 3856 2920E-MAIL:forum@grupoestado.com.br

, O Estadao de S.Paulo

27 de maio de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.