Cartas

A nova escravidãoHoje, no Brasil, todo mundo tem direitos: índios, quilombolas, populações tradicionais, desempregados, famílias sem renda, etc., etc. O único segmento da sociedade brasileira que não tem direito algum, somente deveres, é o que trabalha, produz e paga os impostos que sustentam todos os demais. O ministro Carlos Minc, ao chamar de vigaristas integrantes deste segmento, apenas verbalizou a opinião de significativa parcela da facção política que hoje domina o País.ISABEL VILLALOBOSivillalobos@terra.com.brCotiaA boiada do ministroAgora todos já sabem que o velho ditado realmente tem fundamento, ou seja, por onde passa um boi passa uma boiada. Não é, ministro Carlos Minc?JOSÉ PIACSEK NETObubapiacsek@yahoo.com.brAvanhandavaFalta de briosIncrível a falta de brios dos homens públicos de nosso país, especialmente os petistas. Confrontado com os resultados trágicos de uma decisão errada do seu governo, que assegurou a toda uma população que não corria riscos e podia voltar a seu lar, pois a Barragem de Algodões não se romperia, o que acabou por acontecer, o petista Wellington Dias, governador do Piauí, exime a si mesmo e ao seu governo de toda culpa, e de forma pusilânime, atribuindo a catástrofe ao aquecimento global (?!). São assim os petistas, os acertos são todos deles, os erros são sempre atribuíveis por eles a outros fatores, no caso, até mesmo à natureza.CARLOS ALBERTO BÁRBAROcabarbaro@uol.com.brTeresinaO governador Wellington Dias, de fato, segue o modelo petista à risca: já culpou São Pedro pela tragédia na Barragem de Algodões, porque mandou chuvas intensas, e, para variar, o mandatário piauiense só chegou ao local atingido depois de cinco dias. Incrível como eles fazem escola.ADEMAR MONTEIRO DE MORAESammoraes57@hotmail.comSão PauloCaixa-pretaEngraçada essa turminha do PT. Agora querem estender a CPI da Petrobrás até o governo FHC. Ora, um partido que está cheio de gente que nada vê, nada sabe, vai querer ver o quê, agora? Talvez seja o caso de a CPI voltar até o tempo do governo Vargas, que iniciou "o petróleo é nosso". O finado senador ACM inúmeras vezes afirmou que, se abrirem a caixa-preta que é a Petrobrás, aí, sim, é que se verá sujeira. Vão ter de gastar muitos cargos para abafar a coisa. Não se esqueçam: o PMDB estará atento a tudo, principalmente pelos cargos. Nós, eleitores, temos de fazer a nossa parte, na próxima eleição vamo-nos livrar dessa turminha que só quer levar vantagem.JOSÉ HUGO MOURE PADOVANIjhpadovani@gmail.comSão PauloEstá claro por que o ético Lulla e o idôneo PT não queriam que a Vale do Rio Doce fosse privatizada, já que eles usam as estatais para cabide de empregos, falcatruas e toda sorte de desmandos. Por isso a Petrobrás tem de ser privatizada urgentemente, antes que acabe. A diferença entre o rei Midas e o PT-PMDB é que o primeiro tudo o que tocava se transformava em ouro e o PT-PMDB tudo o que toca vira pó.RICARTE SANDOVALricartesandoval@terra.com.brSão PauloChávez no MercosulQuem observou atentamente o que Hugo Chávez está fazendo na Venezuela e no cenário internacional e ouviu, também com atenção, suas pregações, sabe que ele não acredita e não tem o menor respeito pela livre iniciativa e pelas regras de mercado. Chávez vai impor restrições ao comércio sempre que lhe convier politicamente, seja para proteger empresários chavistas ou para prejudicar os que lhe fazem oposição. Afinal, na Venezuela quem manda na economia é Chávez. E o Mercosul amplia seu poder de manobra dentro e fora do país. Ameaças de competição e atitudes de proteção serão os novos instrumentos de Chávez ante o empresariado na marcha para a implantação do socialismo bolivariano.EDUARDO JOSÉ DAROSdaros@transporte.org.brSão PauloHerança malditaSolidarizo-me no que se refere à herança maldita do sr. Berzoini e dos companheiros do PT. Sei o que é isso. Acho que deixarei uma para meus filhos: os esqueletos da Bancoop. A cria da maldição é sua, deputado. Como exorcizá-la?PEDRO GALUCHIpgaluchi@gmail.comSão PauloLivroNa reportagem Para voltar ao poder, PSDB aposta até na neurociência (31/5, A6) é citado por diversas vezes o livro The Political Brain, do neurocientista norte-americano Drew Westen, da Emory University, em Atlanta. Gostaria de esclarecer que existe uma tradução brasileira do livro, com o título O Cérebro Político, editada pela Editora Unianchieta, lançada no final de 2008.NORBERTO FORNARI, diretor-presidente da UnianchietaJundiaíRuth Rocha e o ?crime?No Caderno2 de sábado (30/5, D4), a escritora declara, em entrevista ao jornalista Ubiratan Brasil, que as ilustrações dos novos livros da Editora Globo seriam um crime contra Monteiro Lobato. Como um dos herdeiros do escritor, cabe-me dizer que a sra. Ruth Rocha tem o direito de afirmar o que quiser. De outro lado, é forçoso acrescentar: gosto não se discute, lamenta-se.JERZY M. KORNBLUHsacchett@plugnet.com.brSão PauloPM em ParaisópolisÉ importante dizer que a Operação Saturação, conduzida pela Polícia Militar (PM), é uma das etapas da Virada Social implantada ali com sucesso, que tem mais de 130 ações em diversas áreas, como saúde, assistência social e educação, em parceria com a Prefeitura. Nenhuma dessas ações consta da reportagem 82 dias de medo em Paraisópolis (31/5, C5). Em Paraisópolis estão sendo construídas uma escola técnica, unidades habitacionais da CDHU, obras de saneamento e esgoto, entre outras benfeitorias. Além disso, serviços sociais como a Jornada da Saúde e o Poupatempo Móvel ajudam a população a resgatar sua posição na sociedade. A segurança é fator fundamental nesse processo. A ação específica da PM no local foi, e ainda é, necessária para restabelecer e manter a ordem que foi quebrada por criminosos, em ações de vandalismo ocorridas em fevereiro. Desde então, o crime caiu na região, com a prisão de diversos infratores, recaptura de condenados pela Justiça e apreensão de drogas e armas de fogo. É preciso ressaltar que durante a Operação Saturação vários encontros, reuniões e palestras foram realizados, inclusive com a participação de lideranças sociais, religiosas e moradores da comunidade, e em nenhum momento as denúncias que aparecem na matéria foram apresentadas ao comando do policiamento. O governo do Estado, sua Secretaria da Segurança Pública e a PM não pactuam com ações ilegais ou abusivas praticadas por seus integrantes. A Corregedoria da PM vai apurar toda e qualquer denúncia, oficial ou não, incluindo as da reportagem citada, para manter a correção de suas ações junto à população e, no caso de serem encontradas irregularidades, os responsáveis serão punidos. EDUARDO PUGNALI, coordenador de Imprensa da Secretaria de Comunicação do governo do Estadoemarcos@sp.gov.brSão PauloÉtica no ?Feminino?Parabéns ao Suplemento Feminino do Estado pelo número 3.000. Quando se observa que é uma das pouquíssimas publicações que divulgam o nome das modelos que ilustram suas matérias, constata-se que a ética e o respeito pelo ser humano são sutilmente revelados em suas páginas.EUCLYDES ROCCO JÚNIORintegraarq@uol.com.brSão Paulo

, O Estadao de S.Paulo

02 de junho de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.