Cartas

TRISTE REALIDADEComo de hábito, não há consenso quanto ao número de participantes na passeata dos estudantes, professores e funcionários das três universidades estaduais. Mas não há controvérsias sobre o resultado desse movimento. A população, o trânsito, a cidade foram prejudicados. Houve época em que o mundo prestava atenção às manifestações estudantis, que geralmente traduziam a vontade da população, trazendo benefícios quanto aos direitos individuais e coletivos e princípios da democracia. Hoje o que se vê são movimentos político-partidários que querem impor a qualquer custo ideias e atitudes ultrapassadas, muitas vezes dominadas por ideais totalitários e corporativistas. É uma pena. Tanta energia e inteligência jogadas na lata de lixo da História.Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.brSão Paulo Para algo serviu o "ato na Paulista": para a sociedade perceber quanto um grupinho minoritário de radicais prejudica a vida de quem quer estudar e trabalhar. Em Ribeirão Preto, os funcionários (apoiados por alguns "alunos") chegam a ponto de fechar as portarias do câmpus todo dia, prejudicando até o funcionamento do HC da Faculdade de Medicina. Essa greve anual não é mais aceitável e se os responsáveis por essas badernas não forem rigorosamente punidos (principalmente o sr. Brandão) ela continuará, para o mal de nossa universidade e da sociedade. Nossa pesquisa e nossa formação não podem ficar à mercê desses anacrônicos revoltosos, arriscando o desenvolvimento do Estado e do Brasil.Flávio Augusto José flavioaj@aluno.ffclrp.usp.braluno de Física Médica da FFCLRP-USP Ribeirão PretoNum governo que prioriza politicamente a universidade em vez do ensino básico, em que se politiza a educação, os professores são meros empregados quase braçais e ganham como tal, o ensino se mede por "provinhas" arrumadas politicamente, etc., é de admirar que a USP se torne presa fácil dos brucutus das greves, dos sindicatos e até do tráfico?Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.comSão Bernardo do CampoFORA DO SCRIPTPode ser, como sugere Dora Kramer (19/6, A6), que a apresentação da PEC do terceiro mandato e o parecer de José Genoino não tenham passado de encenação para ensejar ao deputado um alentado retoque em sua biografia e ao PT, a chance de posar de baluarte contra o continuísmo. Mas Genoino - parece que não aceitando o papel de coadjuvante - foi além das sandálias, não seguiu o script e pegou pesado ao duvidar que o povo possa decidir de forma isenta, "sem se deixar seduzir nem contaminar, também ele, por esses interesses e paixões e pelo ambiente político específico, conjuntural, do momento da consulta popular a ser realizada" (A4). Tirada insólita e de endereço certo.Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.brPirassunungaGenoino pedindo o arquivamento do terceiro mandato?! Aí tem... Esse conheço de longa data. Ele e sua turma não dão ponto sem nó.Vicente Gil gilsaopedro@itelefonica.com.brSão PedroVejo como prenúncio de uma grande armação o aparecimento de Genoino na mídia para anunciar que pediu o arquivamento da PEC do terceiro mandato por julgá-la inconstitucional. Ele sempre jogou no time da "cumpanherada", aquele que usou de métodos escusos para colocar Lula no poder. Esperamos que não tenham treinado nova jogada faltosa para aplicar na partida contra os adversários de 2010.Leônidas Marques leo_vr@terra.com.brVolta Redonda (RJ)Se tivesse tido o bom senso e o espírito democrático que teve agora, o deputado Genoino não abrigaria no seu currículo a mancha do mensalão. Mas é como diz o ditado, antes tarde que nunca. Pena que para outros a ficha nunca cai. Não é, José Sarney?José Eduardo Zambon Elias zambonelias@estadao.com.brMaríliaBOI DE PIRANHAEstarão fazendo do nobre senador José Sarney o boi de piranha da CPI da Petrobrás?Manoel Braga manoelbraga@mecpar.comMatãoCollor será o presidente da CPI da Petrobrás, sob a supervisão de Calheiros. Já assistimos a filme parecido tempos atrás e deu no que deu. E nada mudou até hoje. Acreditem, isso não é ficção, é, sim, a dura realidade.José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.brAvanhandavaPROMESSASarney promete criar "imediatamente" um portal de transparência que publique tudo o que acontece dentro do Senado. Tudo mesmo? Até as nomeações de seus parentes? Ele deveria - se é que já não contratou uma raposa para tomar conta do galinheiro, muito embora ali já haja tantas. Sr. Sarney, nem todos os eleitores brasileiros, como o senhor deve pensar, acreditam no seu "pudê", graças a Deus, a maioria ainda é esclarecida, não tente nos enganar.Braz Francisco Dattoli bfdattoli@uol.com.brSão João da Boa Vista''O ?cara? não ouve nada, nada enxerga, mas fala pra caramba!"Geraldo Siffert Junior siffert18140@uol.com.br Rio de JaneiroPESSOA INCOMUMLula deixou claro que não considera Sarney uma pessoa comum, sugerindo que pessoas acima dos outros não precisam dar satisfação de suas atitudes, nem mesmo quando exercem funções públicas. Será que Lula também se considera pessoa acima dos outros? Isso explicaria a semelhança da eterna e precária desculpa "eu não sabia..." Mauricio Ferraz de Paiva mauricio.paiva@target.com.brSão PauloCoberto de razão o presidente Lula, quando diz que "Sarney não pode ser tratado como uma pessoa comum". Tem de ser tratado como um delinquente comum.Fernando Blank drblank@ig.com.brIndaiatubaLula critica a sequência de denúncias sobre o Senado: "Depois não acontece nada." Presidente, como perguntar não ofende, o senhor poderia responder se com o seu governo aconteceu alguma coisa, mesmo depois de trilhões de denúncias?Maria Eloiza Rocha Saez m.eloiza@gmail.comCuritibaGENTE COMO A GENTEDo "Novo Dicionário da Política Brasileira", edição 2009: Pessoa comum - aquela que paga impostos. Pessoa incomum - aquela que gasta em benefício próprio os impostos que as pessoas comuns pagam.Fernando Del Corso fdelcorso@gmail.comAmparoO REI DO NORTESe ele fez tudo isso como presidente do Senado, imaginem o que não terá feito como presidente do Brasil...Roberto Aranha rcao@globo.comSão PauloImpossível não notar a emblemática (e crescente) semelhança das ilustrações de José Sarney no Estado com a mitológica figura da Medusa... Seria útil para o senador que possuísse o espelho mágico da rainha em Branca de Neve. Ou, para nós - o populacho -, se tivéssemos posse de um retrato dele à semelhança de Dorian Gray...Rodney L. Abud rodneyabud@terra.com.brItapevaHERÓISExistem dois tipos de homens: os heróis, que se expõem em defesa de terceiros, e os anti-heróis, que se acovardam e se escondem atrás dos outros. O senador José Sarney, ao dizer que a crise não é dele, mas do Senado, encaixa-se no segundo tipo.Helton Perillo Ferreira Leite heltonperillo@terra.com.brLorena FÓRUM DOS LEITORESENDEREÇOAvenida Eng. Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900FAX:(11) 3856 2920E-MAIL:forum@grupoestado.com.br

, O Estadao de S.Paulo

20 de junho de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.