Cartas

Arquivo da guerrilhaParabéns ao Estadão, que mais uma vez sai na frente de outros órgãos da mídia e mostra o lendário arquivo, até então em poder do major Curió, sobre a guerrilha do Araguaia. Mais uma vez o jornal ajuda a montar a verdadeira História do Brasil, doa a quem doer. Foi assim em Canudos, com Euclides da Cunha, e continua até os dias de hoje. A publicação deste domingo é um momento histórico para todos os que amam a democracia. Agora quero ver o Exército negar as execuções. Essa revelação vai aliviar a dor das famílias dos desaparecidos. Continue, Estadão, a História do Brasil agradece.JOSÉ MILTON GALINDOgalindo52@hotmail.comEldoradoAs informações do major Curió sobre a execução de 41 pessoas na denominada guerrilha do Araguaia mostra uma situação que exige não apenas explicações, mas punição de quem agiu dessa forma. A ação militar tem regras que são disciplinadas até em convenções internacionais de direitos humanos. E muitos dos que participaram de contestações ao regime ditatorial pagaram um preço elevado, inclusive com a caracterização de terroristas. Como caracterizar, então, quem extrapolou o limite, como nesse caso?URIEL VILLAS BOASurielvillasboas@yahoo.com.brSantosO depoimento do major Curió (21/6) constitui verdadeiro escárnio à Justiça brasileira e não pode ficar sem resposta das autoridades. Na reportagem, esse pitoresco remanescente do fascismo caboclo revela, com riqueza de detalhes, como foram executadas dezenas de prisioneiros políticos no Araguaia. Decapitados e enterrados em vala comum, só os adolescentes eram poupados. Certo da impunidade, fia-se o depoente na Lei de Anistia, mas certamente não escapará das sanções da Convenção de Genebra, por crimes contra a humanidade. O Exército de Caxias, a que tive a honra de servir, não pode abrigar torturadores de porão e capitães do mato.ARSONVAL MAZZUCCO MUNIZarsonval.muniz@ig.com.brSão PauloNa reportagem de 22/6 (A4), vimos os motivos que levaram Curió a abrir seus arquivos secretos sobre a guerrilha do Araguaia. Posso imaginar, além do que ele declarou na entrevista, que esse ato esteja diretamente ligado aos inúmeros desmandos praticados pelos políticos da Nação brasileira. Entre outros, podemos citar o pagamento de propinas, mensalão, dólares na cueca, CPI da Petrobrás, arquivo secreto do Senado, com total desconhecimento desses fatos pelos que estão dirigindo o Brasil. Curió foi decisivo ao informar que os guerrilheiros do Araguaia pretendiam criar uma "zona liberada" no Pará, a exemplo do que fizeram os componentes das Farc, que até hoje atormentam o povo colombiano.CARLOS ALBERTO DE MACEDO GARCIAmccgarcia@terra.com.brSão PauloCorrupção x sonegaçãoCorrupção e sonegação estão intimamente associadas, pois, quanto maior a corrupção, maior a sonegação. Explico: você, brasileiro, que está vendo toda essa farra com o dinheiro público, casos e casos de corrupção dos nossos senadores e deputados, e nada de punição; que vê diariamente notícias de desvios em obras públicas, funcionários fantasmas, etc.; na hora de declarar o seu imposto, o que pensa e como se sente? Feliz e com o dever cumprido, por prover os cofres do País, ou com cara de palhaço? Se a Receita Federal e o Ministério Público (MP), em vez de se empenharem em botar os sonegadores na cadeia, se dispusessem a pôr os corruptos nela, não daria um melhor resultado? Quantos de nós não temos vontade de sonegar, de dar uma banana para a União, quando vemos mais e mais descalabros acontecendo, e nada de ação, nada de punição? VLAMIR BENEDITO FABBRIvlamir.fabbri@gmail.comPorto FerreiraEntão, Receita e MP querem levar à cadeia os sonegadores? Assim o Congresso será esvaziado! Como ficaremos sem nossos políticos? Ou eles terão foro privilegiado? Assim não vale! A lei deve ser igual para todos.MIRTES YAEMI WATANABEmirteswatanabe@gmail.comSão PauloTá tudo dominado!Até ele, o ex-grande corregedor do Senado Romeu Tuma, não está enxergando mais nada! Defende o presidente da Casa e ex-presidente da República, José Sarney, que conta com tantos parentes, penduricalhos, mordomos, etc., e com o apoio de Renan Calheiros - para refrescar a memória, este teve despesas pessoais (pensão à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha fora do casamento) pagas por um lobista da Mendes Júnior; utilizou "laranjas" na compra de duas emissoras de rádio em Alagoas; vendeu com superfaturamento uma fábrica da família Calheiros por R$ 27 milhões, quando não valia mais de R$ 10 milhões, etc., etc... A exemplo da grande maioria dos senadores (despesas pessoais e passagens aéreas por nossa conta) e do atual presidente da República, que defende todos eles... Tá tudo dominado. Abram a porta que eu quero descer!JOSÉ CARLOS ALVESjc_alves@uol.com.brSão PauloQue raio de políticos são esses que quando a coisa aperta dizem que nada sabem? Sarney disse que não sabia das nomeações de parentes em atos secretos. E quem foi o criador de Sarney? Seria o marceneiro Gepeto?PEDRO SERGIO RONCOsergioronco@uol.com.brRibeirão BonitoLula disse que o senador José Sarney não é homem comum. No Executivo e no Legislativo há poucos homens comuns!GERALDO MACIAS MARTINSmaciasfilho@hotmail.comCatanduvaMordomoNo mundo da corrupção, a realidade é muito mais repulsiva do que aquilo que vem à tona. Portanto, não me surpreenderia se o tal mordomo de R$ 12 mil embolsasse apenas uma fração desse valor, posto que todo devorista sempre exige a retribuição pelos favores em moeda viva.CLOVES SOARES DE OLIVEIRAclovessoliveira@superig.com.brValinhosDepois do mordomo virão o copeiro, o cozinheiro, o faxineiro... A família do homem é fogo.CARLOS MONTAGNOLIcarlosmontagnoli@uol.com.brJundiaíDo paraíso ao infernoNão vou votar num presidente que, depois de eleito, passa dois anos reforçando a própria posição e os dois anos seguintes se preparando para a próxima eleição, distribuindo bolsas-alimento para conquistar votos. Adivinhe a quem essa frase foi dirigida? Não, não foi a Lula, mas a Mahmoud Ahmadinejad, dita pelo cineasta iraniano Abbas Kiarostami quando expressava sua preferência eleitoral. Coincidências à parte, Lula, no Casaquistão, declarou que esse protesto dos iranianos, com dezenas de mortes, foi choro de perdedor, não havendo indícios de fraude, mesmo com a imprensa proibida de cobrir os fatos e a internet bloqueada. Ao defender a legitimidade dessas eleições "certamente fraudadas", Lula parece revelar um pouco de si mesmo, do apego que tem ao cargo, de quanto será doloroso deixá-lo. Os anjos do paraíso parecem conspirar a favor dos que chegaram lá, mas quando é o "pecador", o povo, que decide se eles vão ficar ou não, a coisa pode virar um inferno.AMÂNCIO LOBOamancio lobo@uol.com.br São PauloAté o aiatolá já reconhece que houve fraudes. Quero ver agora como o "aiatolula" vai defender seu apoio a Ahmadinejad... Coisa de flamenguistas e vascaínos? Ora, tenha a santa paciência!GILBERTO DIBgilberto@dib.com.brSão PauloNo Irã, a briga entre flamenguistas e vascaínos está durando muito. O ideal seria realizar uma nova partida, com árbitros, bandeiras e torcedores de outros times.SILVIO ITAMAR DE SOUZAsilviosouza@estadao.com.brFranca

, O Estadao de S.Paulo

23 de junho de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.