Cartas

Aí é covardiaNa China, a repressão aos protestos dos cidadãos de etnia uigur matou 156 pessoas. A internet e o Twitter estão bloqueados pelo governo chinês. Não se ouve um protesto de Lula ou dos defensores da "democracia" da América Latina. Seu silêncio é ensurdecedor. É fácil atacar um pequeno e pobre país da América Central, como Honduras. Difícil mesmo é "encarar" o Irã e a China.MARIA CRISTINA ROCHA AZEVEDO crisrochazevedo@hotmail.comFlorianópolisHondurasNão dá para engolir o golpe de Estado ocorrido em Honduras, pois Manuel Zelaya foi eleito presidente democraticamente pelo povo. A comunidade internacional precisa pressionar com dureza o governo ilegítimo que tomou o poder em Honduras pela força. Democracia já para o povo hondurenho. A ONU não pode calar.PAULO DIAS NEME profpauloneme@terra.com.brSão PauloCreio que nenhuma pessoa que se diga de bom senso pode concordar com o golpe de Estado perpetrado em Honduras. Mas chama a atenção a defesa intransigente do Estado de Direito pelos "democratas" Rafael Correa, Evo Morales e Fernando Lugo, fazendo eco aos reclamos de seu guru Hugo Chávez.MARIO JOSÉ GOMEZ DELGADO gomez.delgado@hotmail.comSão PauloProfundo desrespeitoDefendo as mesmas ideias do professor Rosenfield (Farsa, 6/7, A2): "O ?golpe? hondurenho foi feito sob injunção do Supremo Tribunal do país com o apoio do Legislativo." O presidente foi deposto por desrespeito à Constituição, por se agarrar ao que a América Latina tem de pior, os arcaicos princípios antidemocráticos do sr. Chávez. E a diplomacia do Brasil, que se arvora em defensora da democracia, presta vassalagem à ditadura cubana, nada diz sobre a carnificina no Sudão e está cheia de rapapés com o tirano líbio. É o "tupi or not tupi" de Oswald de Andrade que mais uma vez, tristemente, vem à tona.OSCAR ROBERTO JÚNIOR oscarjksconsult@uol.com.brSão PauloQue Justiça é essa?Matérias assim, como essa da manchete Justiça sabia de maus-tratos, diz pai, que o Estadão publicou ontem no caderno Metrópole (C7), parecem não mais sensibilizar a sociedade brasileira, em especial os senhores togados. Lembram a tragédia que esse mesmo jornal publicou em outubro de 2008, a respeito dos meninos mortos e queimados pelo pai e pela madrasta, em Ribeirão Pires, na Grande São Paulo, cujos indícios levavam a concluir também ter havido descaso da Justiça, que mandou devolver essas crianças ao pai, embora sabendo que elas viviam em situação de risco. Agora mais esse caso da menina do Rio de Janeiro, em que a nossa Justiça, mais uma vez, revela um insensível descaso. Até quando vamos ter de ler essas tristes notícias, causadas por uma Justiça que, além de morosa, se revela também negligente quando tem de tomar decisões para defender crianças indefesas e maltratadas? Já imaginaram a repercussão de mais este episódio no exterior, uma vez que o pai da menina morta é um cidadão austríaco?RUBENS MUNIZ FERRAZ rferraz4@uol.com.brSão PauloArtifícios contábeisRetirar as despesas do PAC do cálculo do superávit primário desgasta mais ainda esse conceito. É sabido que apenas a existência de superávit nominal permite afirmar que haverá uma redução do endividamento. Retirar gastos "meritórios" como os do PPI e do PAC mostra quanto conseguimos progredir em superficialidade na condução da política fiscal. E por que não retirar as despesas de pessoal responsável pelas obras de jardinagem da Granja do Torto, por exemplo? Recorrendo às parábolas tão caras ao nosso presidente, tudo se passa como se uma dona de casa, ao cotejar receitas e despesas do lar, não considerasse como despesa a compra de ladrilhos para o banheiro. A mãe do PAC deve estar orgulhosa ao saber que os investimentos de sua área são tão importantes que deixam de ser contabilizados. E temos ainda de ouvir o ministro da Fazenda afirmar que a meta do superávit primário está mantida. Uma lástima.ALEXANDRU SOLOMON asolo@alexandru.com.brSão Paulo?15 anos de Plano Real?Que o editorial do Estadão de ontem (A3) sirva de alerta a tantos quantos ignoram a disposição do atual governo federal de ganhar as eleições, custe o que custar. Esse custo poderá ser muito alto se Lula abandonar as bases da política econômica que o sustentaram no poder até agora. Criar folga nas contas para pagar salários dos "companheiros" e reduzir o poder dos órgãos fiscalizadores será o chamado tiro no pé.ROBERTO CURSINO BENITEZ benitez.gimenez@hotmail.comSão José dos CamposCrise no SenadoLula tem razão quando diz não ver crise, apenas "divergência" no Senado. A visita de cortesia de Fernando Henrique Cardoso, acompanhado de dois governadores do PSDB, a José Sarney é uma prova irrefutável disso.RONALDO GOMES FERRAZ ronferraz@globo.comRio de Janeiro''Honduras, um país acanhado, com uma Constituição com cláusula pétrea antigolpe invejável" Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.brMonte Santo de Minas (MG)EnsinamentoCom os acobertamentos que faz, o presidente Lula está ensinando ao povo o pior dos males, que é a tolerância à corrupção. Depois disso, a tolerância a qualquer crime estará a um passo.WILSON SCARPELLI wiscar@estadao.com.brCotiaÉ tudo fumaçaPelo que tenho lido e visto na TV, parece que o Congresso não quer saber de trabalho legislativo. Alterações do Código Penal, entre outras matérias, estão lá paradas e nós, pagadores de impostos, só assistindo. Vamos ser mais espertos e exigir que reservem um horário para o trabalho de legislar!MARIA DE MELLO nina.7mello@uol.com.brSão PauloFrustraçãoFico surpreso com o lamento de leitores ex-petistas que descrevem sua frustração. Não leram a Carta aos Brasileiros, de 2002, antes mesmo de o PT governar? Se leram e não acreditaram, já deveriam saber que a linha programática do partido era claramente inviável operacionalmente. Se leram e acreditaram, jamais deveriam apoiá-la, votando em Lula. Então, se a direita brasileira é aquela tristeza, a esquerda é uma piada - de mau gosto.ROBERTO CASTRO roberto458@gmail.comSão PauloO sapo de EinsteinConcordo plenamente com o leitor sr. João U. Steinberg (5/7), nosso sangue é de barata, efetivamente. Nosso país já não se indigna com mais nada. Estamos semelhantes ao sapo de Einstein, aquele que, se for jogado numa panela de água fervente, saltará imediatamente, mas, se for colocado em água fria e esta for sendo aquecida lentamente, ele se habituará e vai morrer cozido.HEITOR SILVA SOBRINHO heitor.sobrinho@estadao.com.brSão PauloLixo importadoSe nosso lixo doméstico não tem destino adequado em várias regiões, agora pasmem: o Porto de Santos recebeu uma carga enorme de lixo vindo da Inglaterra! Isso mesmo, temos até lixo internacional. A carga veio como plástico para reciclagem, mas era lixo comum. As autoridades locais já estão tomando as providências para que esse lixo seja devolvido. Agora eu pergunto: isso ficará assim, sem uma desculpa? Estamos pagando para ver.THEREZINHA STELLA ROMUALDO there.stella@hotmail.comSantosFÓRUM DOS LEITORESENDEREÇOAvenida Eng. Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900FAX:(11) 3856 2920E-MAIL:forum@grupoestado.com.br

, O Estadao de S.Paulo

08 de julho de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.