Cartas

PAC 2, Avança BrasilO ministro do Planejamento disse que faltava projeto ao ser lançado o PAC em 2007, no segundo governo Lula, e que demorou ano e meio para concluir os projetos. Gostaria de recordar que o governo anterior era do próprio presidente Lula, que se iniciou no ano de 2003. É bom lembrar também que até 2002 o PAC se chamava Avança Brasil, foi desmontado (diminuindo os projetos) e só em 2007 voltou, com o novo nome, PAC. Lembro ainda que PAC não é bondade de governo, é obrigação prevista no artigo 165 da Constituição e formalmente se chama plano plurianual de investimento. Para finalizar, solicito informação de algum leitor se conhece uma parceria público-privada (PPP) que tenha sido implantada no governo federal desde sua aprovação, em 2003 (com o apoio da oposição que não é bravateira).MARCELO BARÃO VARALDAmbvaralda@ig.com.brBebedouroItaipu, de Geisel a LulaA Hidrelétrica de Itaipu foi planejada e construída por empresas brasileiras e subsidiárias de fabricantes europeus estabelecidos no Brasil, com financiamento na banca externa e devidamente cobrado do contribuinte brasileiro através destes anos de operação da usina. Por teimosia do presidente Geisel a usina foi projetada como binacional, quando na época do seu planejamento inicial os especialistas no País recomendavam que fosse construída 100 km a montante do ponto atual, e estaria totalmente em território nacional, sem necessidade de dividir nenhuma participação com o Paraguai, perdendo apenas 2% de sua potência nominal. Além disso, para receber a energia gerada pela metade presenteada ao vizinho o Brasil teve o custo adicional da construção das estações conversoras da frequência de 50 para 60 Hz. Agora temos um desgoverno petista, assessorado pelos adeptos do Foro de São Paulo, amigos das Farc, cevados na falecida ideologia marxista, levando o Itamaraty a fazer o papel de tolo perante os vizinhos bolivarianos e argentinos. A falta da defesa dos interesses nacionais pelo governo lulista ante os desmandos dos Evos, Correas, Lugos e Kirchners do quintal sul-americano seria razão mais do que suficiente para o impeachment de Lula, se tivéssemos um Congresso digno do nome. Não nos lembramos de um governo federal tão leniente e incapaz de exercer a verdadeira liderança na América Latina que o Brasil naturalmente merece.TOMÁS C. DE ARRUDAtomasarruda@terra.com.brSão PauloO aumento exorbitante da tarifa de energia elétrica é, sem dúvida, uma maneira de compensar a concessão ao Paraguai, bem como de aumentar a arrecadação do ICMS - no Estado de São Paulo a alíquota de 25%, pela metrologia do governo, vai a 35%.SÉRGIO ROSSIsergio.rossi@ig.com.brSão PauloEngolindo saposDia após dia a bancada do PT no Senado é obrigada a engolir um sapo. Pelo andar da carruagem e, logicamente, dependendo do brio dos senadores, até o final da atual legislatura a bancada vai-se tornar oposição. CARLOS FERNANDO BRAGAcafebraga@yahoo.com.brSão PauloO PT, submetendo-se ao presidente Lula (que se submete a Sarney), perde completamente sua identidade, trai os seus princípios e permite que Sarney e PMDB dominem pelo nepotismo, corrupção e desgoverno. Sinceramente, em política chegamos ao fundo do poço!RUTH DE SOUZA LIMA E HELLMEISTERrutellme@terra.com.brSão PauloO esforço antiético que o Lulla está fazendo para blindar o Sarney é, no mínimo, suspeito. Terá a certeza de que vai acabar sobrando mais podridão da grossa também para elle e os seus cumpanheiros?CANDIDO MOTTA PINTO DE MORAEScandido-moraes@ig.com.brSão PauloO vírus da gripe suína não vai ao Senado porque tem vergonha.WALMIR DENIZOwalmirdenizo@terra.com.brSão PauloBlindagem de biografiasO presidente Lula entende que, como Sarney, também não é - atualmente - uma pessoa comum. Ao deixar a Presidência terá uma biografia pautada em práticos "principismos" que também precisa ser blindada. Sua honrada família, como a de Sarney, não poderá ser objeto de ataques maldosos que possam associá-la a enriquecimento ilícito ou beneficiária do tráfico de influências em empresas concessionárias de serviços públicos, estatais, lobistas e empreiteiras. Não se trata de questão de rabo preso com o ex-presidente Sarney nem de interesses políticos o que o motiva a fazer sua "sucessora" e impedir a CPI da Petrobrás. Ele tem motivos "nobres, éticos e morais". O Estadão e agora alguns senadores do PT é que não estão entendendo isso...NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA noo@uol.com.brSão PauloPanis et circensesNinguém pode acusar o governo Lula de não conhecer História. Com a crise do Senado explodindo, ele oferece ao povo panis (Bolsa-Família) et circenses (Vale-Cultura), como já ocorrera alguns séculos atrás em terras não tão distantes.MARCUS TESHAINERideafix@uol.com.brSão PauloDe reajustesO Bolsa-Família vai ter reajuste de 10%. Pergunto, então: qual vai ser o porcentual de reajuste dos aposentados?VALTER GALIvgali@concili.com.brSão PauloBolsa-misériaO governador de São Paulo sonega benefícios dos idosos aposentados de cartórios extrajudiciais (Lei 10.393/70) e, em contrapartida, concede bolsa-miséria de R$ 210 mensais a 40 mil desempregados. É o programa vestir um santo e deixar o outro peladão? A lei? Ora, a lei...DÉLLIO RODRIGUES CARDIALdelliocardial@adv.oabsp.org.brSão PauloJovem TECO trabalho remunerado para o estudante de escola pública, como iniciação profissional, devia ser obrigatório por lei federal. O fato de a prefeitura de Gilberto Kassab e o governo José Serra se unirem em torno do chamado Jovem TEC é uma demonstração pública da preocupação de ambos com os jovens. O jovem, precisa, sim, de oportunidade ou ficará sempre com a ideia de que não há outro lado ou saída do mundo das drogas e dos marginais.CLEIDE M. SILVAcleidesilva007@estadao.com.brSão PauloEsclarecimentoA respeito do editorial Negligência generalizada (27/7, A3), informamos que, na realidade, a CGTEE deixou de pagar mais de R$ 3 milhões de CPMF, ao contrário do que foi noticiado. Em razão da extinção da CPMF, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que a CGTEE expurgasse R$ 3.383.753,27 do valor do contrato de construção da Usina de Candiota III (fase C). Antes mesmo de ter recebido qualquer notificação, a CGTEE notificou a contratada sobre a necessidade de ajuste ao preço do contrato devido à alteração da lei que extinguiu a CPMF. Após recebidos os termos do acórdão do TCU, de 10 de setembro de 2008, a CGTEE notificou a contratada sobre o ajuste de preços que deveria ser feito no contrato. E, como ato preventivo para garantir o atendimento da determinação do TCU, procedeu a glosas em faturas emitidas pela contratada nos meses de novembro de 2008 e janeiro de 2009, totalizando R$ 3.435.690,71 que deixaram de ser pagos. O montante que deixou de ser pago à contratada é ligeiramente superior ao valor indicado pelo TCU. A formalização do ajuste será feita no próximo aditamento contratual, que deve ser assinado ainda em julho.SERENO CHAISE, diretor-presidenteanflor@cgtee.gov.brPorto Alegre

, O Estadao de S.Paulo

30 de julho de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.